Proteja sua lavoura com nitrogênio Águas Lindas de Goiás, Goiás

Conheça no artigo abaixo as formas de nitrogênio. Veja uma breve análise sobre o nítrico e amoniacal. As plantas utilizam duas formas de nitrogênio: o nítrico (NO3-) e o amoniacal (NH4+) .

Restaurante Maré Alta
(62) 3246-0221
av Alphaville Flamboyant, 160, Qd A4 Ll 14, res A Flamboyant
Goiania, Goiás

Dados Divulgados por
Vacalhau e Binho
(62) 3278-2929
av 85, 25, St Sul
Goiania, Goiás

Dados Divulgados por
Raruz 21 - Culinária Contemporânea - Raruz: Tacacá, pato, camarão, bacalhau, sorvete de tapioca,...
(62) 3092-3616
Avenida Circular n. 710, Setor Pedro Ludovico
Goiânia, Goiás
 
Restaurante Comida Caseira
(62) 3277-6425
av S João, s/n lt 20, Jardim Nova Era
Aparecida de Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Habib s Buriti Shopping
(62) 3094-5034
av Rio Verde, 303, Qd 102, Vl S Tomaz
Aparecida de Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Bar e Restaurante Beira Mar Ltda
(62) 3093-1909
av T-2, 1405, Qd 49 Lot 11, St Bueno
Goiania, Goiás

Dados Divulgados por
Restaurante Hakone
(62) 3945-4035
r T-55, 830, St Bueno
Goiania, Goiás

Dados Divulgados por
RARUZ 21 - Culinária Contemporânea "Camarão, bacalhau, tacacá, jambú, acaí, massas, pato, vinhos..."
(62) 3092-3616
Avenida Circular, n. 710, Setor Pedro Ludovico
Goiânia, Goiás
 
Churrascaria Lisboa
(62) 3283-1245
r Abrão L Carvalho Q 24, s/n lt 11, S Central
Aparecida de Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Vivenda do Camarão de Goiânia
(62) 3515-1288
av Jamel Cecílio,Dep, 3300, Sl T28, Jd Goiás
Goiania, Goiás

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Proteja sua lavoura com nitrogênio

As plantas utilizam duas formas de nitrogênio: o nítrico (NO3-) e o amoniacal (NH4+) . O nítrico é a forma mais comum de absorção. Encontramos processos de nitrificação e denitrificação.

Nitrificação : é a conversão do nitrogênio amoniacal em nítrico pela ação de bactérias :

O nitrogênio nítrico que pode ser tóxico, para algumas plantas, existe apenas durante um período curto de tempo. Os íons H+ contribuem para acidificar o solo resultante da aplicação de nitrogênio amoniacal. A nitrificação tem um efeito acidificante. Dizem que para cada quilo de N amoniacal aplicado são necessários 2 quilos de calcário. O sulfato de amónio exige 5 quilos devido à presença do íon sulfato. Em temperaturas baixas a nitrificação é lenta e pára a zero grau.

Denitrificação : é o inverso da nitrificação. Sob condições de solo inundado ou anaeróbias algumas bactéria utilizam o N do nitrato com a mesma finalidade do oxigênio.

Apenas o N nítrico pode ser denitrificado. O N amoniacal nunca. Por isto deve-se usar nas lavouras de arroz irrigado, somente o N amoniacal. O maior produto da denitrificação é o N elementar que constitui quase 90% do produto. O pH alto, temperaturas mornas, população alta de bactérias favorece a denitrificação. Em solos inundados é comum as plantas apresentarem um amarelecimento das folhas. Neste caso, deve-se fazer uma reposição de N, quando o solo secar, para repor as perdas de nitrogênio.

N nítrico (NO3-) É a forma carregada negativamente:
1. esta forma não é rapidamente absorvida pelo solo e por isto é facilmente percolada;
2. em solos encharcados sofre a denitrificação perdendo N para o ar na forma de gás;
3. é a forma mais usada pelas plantas em grande quantidades;
4. é fixada pelos microorganismos.

N amoniacal (NH4+) É a forma carregada positivamente:
1. facilmente absorvido pelo solo. Sofre muito pouco com a percolação;
2. acima de 10 ºC é nitrificado facilmente passando para NO3;
3. pode sofrer fixação por alguns minerais tornando-se não disponível;
4. no solos alcalinos pode formar amônia que é perdida para o ar;
5. é prendido pelos microorganismos do solo.

Perdas de N do solo . Pode ser tanto o N do solo como o proveniente de fertilizantes:
1. perdas por erosão. A terra carrega o nutriente por estar preso a sedimentos;
2. perdas de nitratos na solução do solo por corrimento superficial ou por percolação;
3. perdas por denitrificação - solos alagados, encharcados;
4. por volatilização da amônia - solos alcalinos

Clique aqui para ler este artigo na Agronomia Com Gismonti