Método eficiente para a reciclagem de resíduos Mossoró, Rio Grande do Norte

Pesquisadores descrevem o método de aproveitamento dos resíduos de construção civil e demolição (RCD). "O método dispensa a britagem do material a ser reciclado, o que barateia o processo e torna viável a instalação de pequenas usinas de reaproveitamento dos RCD", destaca o autor. Confira os detalhes da pesquisa.

Alan Balbino
(82) 338-4088
r Tertuliano de Barros, 108, Farol
Maceió, Alagoas
 
Profit Cons Organizacional
(813) 429-3787
r Caracatuba, 22, Pina
Recife, Pernambuco
 
Stelita O Santos
(71) 353-3608
av Antônio Carlos Magalhães, 2487, sl 502, Brotas
Salvador, Bahia
 
HRD Desenvolvimento de RH
(123) 921-1373
av Tívoli, 207, VL Bethania
São José dos Campos, São Paulo
 
Icleia J Fernandes
(48) 437-4780
r Coronel Marcos Rovaris, 57, sl 1, Centro
Criciúma, Santa Catarina
 
Organizações Modelo
(193) 422-6954
r Santa Cruz, 1006, Alto
Piracicaba, São Paulo
 
Minas Cópia
(69) 536-5278
av Jamari, 3125, Setor 1
Ariquemes, Rondônia
 
Baianos Luz Produções Artísticas Ltda
(71) 235-8478
r Carlos Lacerda, 19, Praia Grande
Salvador, Bahia
 
Telebasa Telecom Serviços Ltda
(133) 221-2364
av Rodrigues Alves,Cons, 73, Macuco
Santos, São Paulo
 
Techba Serv e Cons Tec Ltda
(71) 235-6119
r Deocleciano Barreto, 6, Chame-chame
Salvador, Bahia
 

Método eficiente para a reciclagem de resíduos

Editoria: Vininha F. Carvalho25/4/2008

Pesquisadores apresentam novo método para reciclagem de resíduos

Um novo método para aproveitamento dos resíduos de construção civil e demolição (RCD), 50% mais barato e com consumo de energia 80% menor. Esse é o principal resultado de um estudo realizado por pesquisadores da Escola Politécnica da USP (Poli/USP), do Centro de Tecnologia Mineral (Cetem) e da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

O novo método dispensa a britagem do material a ser reciclado, o que barateia o processo e torna viável a instalação de pequenas usinas de reaproveitamento dos RCD. O método é tão inovador, que está sendo patenteado.

Segundo o professor Vanderley John, do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Poli, um dos integrantes da equipe que realizou o estudo, a tecnologia desenvolvida possibilita que usinas de reciclagem simplifiquem a produção de matéria-prima para bases e sub-bases de pavimentação a partir de resíduos da construção civil.

“Atualmente, a reciclagem de RCD passa necessariamente pela britagem (quebra dos resíduos em pedaços pequenos, com no máximo 63 milímetros de diâmetro)”, explica.

“Isso encarece o processo, pois o britador representa mais da metade do investimento total da montagem de uma usina de reciclagem. O novo método reduz os investimentos iniciais e simplifica a operação das centrais de reciclagem, o que torna viável um maior número de centrais de reciclagem públicas ou privadas.”

Aplicações:

A nova tecnologia está baseada nos resultados de uma pesquisa com amostras representativas de resíduos coletados em três cidades: Macaé (RJ), Maceió (AL) e São Paulo (SP). “Coletamos 20 toneladas de resíduos dessas três cidades”, explica John. “E constatamos que cerca da metade dos resíduos tinha tamanho inferior a 63 milímetros; ou seja, poderiam ser aplicados diretamente na composição de pavimentos, sem necessidade da britagem”, acrescenta.

Esta constatação levou a equipe a propor uma forma extremamente simples de transformar resíduos em agregados: separação manual do material indesejável ao processo, seguido de peneiramento na bitola de 60 mm e de uma nova remoção manual dos contaminantes (madeira, papel, cerâmica), remanescentes da fração abaixo de 63 mm, que será comercializada como agregado de pavimentação.

Segundo John, o novo método poderá ser aplicado em ambientes urbanos e adotado por prefeituras, cooperativas ou empreendimentos privados.

“A redução dos investimentos iniciais, dos custos e da complexidade de operação facilita a introdução da reciclagem, inclusive porque reduz os riscos. Assim, esperamos que essa tecnologia possibilite a ampliação do número de usinas e a margem de lucro desse novo negócio”, ressalta.

Em conseqüência, evita-se a deposição ilegal desses resíduos nas margens de ruas e rios, reduzindo os impactos ambientais, além de minimizar os gastos das prefeituras com a gestão deles.

A nova tecnologia tem várias outras vantagens, a exemplo da redução do consumo de energia elétrica (60 a 80%) em relação ao sistema de reciclagem tradicional com britagem.

“O novo método também torna possível a implantação das usinas nas proximidades do mercado consumidor, o que significa menores distâncias de transporte, que corresponde a dois terços do preço final do produto”, diz.

Outra vantagem é que o sistema reduz de forma significativa a emissão de material particulado e principalmente de ruídos na operação de britagem. Assim, alternativas de desenvolvimento sustentável são incentivadas.

Além do professor Vanderley John, entre os pesquisadores da Poli também participaram da pesquisa o professor Artur Pinto Chaves e a pesquisadora Carina Ulsen, ambos do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo, e os pesquisadores Francisco Mariano Sérgio Ângulo (atualmente no do IPT).

Serviço:

. :

Fonte: Acadêmica Agência de Comunicação
Fonte Link: http://rcd08.pcc.usp.br

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre