Método eficiente para a reciclagem de resíduos Brasília, DF

Pesquisadores descrevem o método de aproveitamento dos resíduos de construção civil e demolição (RCD). "O método dispensa a britagem do material a ser reciclado, o que barateia o processo e torna viável a instalação de pequenas usinas de reaproveitamento dos RCD", destaca o autor. Confira os detalhes da pesquisa.

Repres e Distr Água Mineral
(61) 385-0103
r Livre Bo, 4
Brasília, DF
 
Millenniun Cons Assoc
(61) 328-5072
r Scn Q, 5, bl a sl 1131
Brasília, DF
 
Edmilson Ja Botelho
(61) 344-9230
r Clsw, 101, bl c lj 60
Brasília, DF
 
Aps Asses Planej Serv Ltda
(61) 328-7044
r Scn Q, 4, bl b sl 704 tod
Brasília, DF
 
Audiger Auditores e Cons Sc
(61) 328-2628
r Srtvn Cj C, 734
Brasília, DF
 
Le Z Asses Consult e Contabilidade
(61) 328-2762
r Scn Q, 6, bl a sl 202
Brasília, DF
 
Lelos Ciência e Tecnologia
(61) 562-4145
r Qna, 56, cs 9
Brasília, DF
 
Vértice Repres Partic Emp Ltda
(61) 224-3006
r SCS Q, 2, bl a sl 1009
Brasília, DF
 
Via Brasil Cons e Marketing Ltda
(61) 274-0044
r Cln, 215, bl b sl 208
Brasília, DF
 
José Albuquerque
(61) 344-1750
r Clsw, 101, bl a sl 102
Brasília, DF
 

Método eficiente para a reciclagem de resíduos

Editoria: Vininha F. Carvalho25/4/2008

Pesquisadores apresentam novo método para reciclagem de resíduos

Um novo método para aproveitamento dos resíduos de construção civil e demolição (RCD), 50% mais barato e com consumo de energia 80% menor. Esse é o principal resultado de um estudo realizado por pesquisadores da Escola Politécnica da USP (Poli/USP), do Centro de Tecnologia Mineral (Cetem) e da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

O novo método dispensa a britagem do material a ser reciclado, o que barateia o processo e torna viável a instalação de pequenas usinas de reaproveitamento dos RCD. O método é tão inovador, que está sendo patenteado.

Segundo o professor Vanderley John, do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Poli, um dos integrantes da equipe que realizou o estudo, a tecnologia desenvolvida possibilita que usinas de reciclagem simplifiquem a produção de matéria-prima para bases e sub-bases de pavimentação a partir de resíduos da construção civil.

“Atualmente, a reciclagem de RCD passa necessariamente pela britagem (quebra dos resíduos em pedaços pequenos, com no máximo 63 milímetros de diâmetro)”, explica.

“Isso encarece o processo, pois o britador representa mais da metade do investimento total da montagem de uma usina de reciclagem. O novo método reduz os investimentos iniciais e simplifica a operação das centrais de reciclagem, o que torna viável um maior número de centrais de reciclagem públicas ou privadas.”

Aplicações:

A nova tecnologia está baseada nos resultados de uma pesquisa com amostras representativas de resíduos coletados em três cidades: Macaé (RJ), Maceió (AL) e São Paulo (SP). “Coletamos 20 toneladas de resíduos dessas três cidades”, explica John. “E constatamos que cerca da metade dos resíduos tinha tamanho inferior a 63 milímetros; ou seja, poderiam ser aplicados diretamente na composição de pavimentos, sem necessidade da britagem”, acrescenta.

Esta constatação levou a equipe a propor uma forma extremamente simples de transformar resíduos em agregados: separação manual do material indesejável ao processo, seguido de peneiramento na bitola de 60 mm e de uma nova remoção manual dos contaminantes (madeira, papel, cerâmica), remanescentes da fração abaixo de 63 mm, que será comercializada como agregado de pavimentação.

Segundo John, o novo método poderá ser aplicado em ambientes urbanos e adotado por prefeituras, cooperativas ou empreendimentos privados.

“A redução dos investimentos iniciais, dos custos e da complexidade de operação facilita a introdução da reciclagem, inclusive porque reduz os riscos. Assim, esperamos que essa tecnologia possibilite a ampliação do número de usinas e a margem de lucro desse novo negócio”, ressalta.

Em conseqüência, evita-se a deposição ilegal desses resíduos nas margens de ruas e rios, reduzindo os impactos ambientais, além de minimizar os gastos das prefeituras com a gestão deles.

A nova tecnologia tem várias outras vantagens, a exemplo da redução do consumo de energia elétrica (60 a 80%) em relação ao sistema de reciclagem tradicional com britagem.

“O novo método também torna possível a implantação das usinas nas proximidades do mercado consumidor, o que significa menores distâncias de transporte, que corresponde a dois terços do preço final do produto”, diz.

Outra vantagem é que o sistema reduz de forma significativa a emissão de material particulado e principalmente de ruídos na operação de britagem. Assim, alternativas de desenvolvimento sustentável são incentivadas.

Além do professor Vanderley John, entre os pesquisadores da Poli também participaram da pesquisa o professor Artur Pinto Chaves e a pesquisadora Carina Ulsen, ambos do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo, e os pesquisadores Francisco Mariano Sérgio Ângulo (atualmente no do IPT).

Serviço:

. :

Fonte: Acadêmica Agência de Comunicação
Fonte Link: http://rcd08.pcc.usp.br

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre