Insumos Orgânicos: Os avanços do setor Macapá, Amapá

Foi ao longo dos últimos 20 anos, que surgiu e se consolidou um novo mercado para fabricantes e fornecedores de produtos destinados ao setor agrícola. Disponibilizando uma linha de produtos que vem revolucionando o setor: substratos, condicionadores de solo, biofertilizantes, compostos e fertilizantes orgânicos. Leia mais no artigo abaixo.

João V Miolo
(55) 222-1781
av Borges de Medeiros, 999, Caturrita
Santa Maria, Rio Grande do Sul
 
Herbalise
(62) 541-2159
av Humberto de Mendonça, 25, lot 1, Palmeiras de Goiás
Palmeiras de Goias, Goiás
 
Abelhinha Light
(212) 717-0820
r José Bonifacio, 45, sl 201, São Domingos, Niterói
Nova Iguaçu, Rio de Janeiro
 
Fs Coml
(913) 798-1180
rdv Transamazônica, 887
Pacaja, Pará
 
Ciência e Flora Produtos Naturais Ltda
(212) 482-7140
r Antônio Braune, 85, Penha Circular
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
 
Embracont Emp Bras Consult e Asses Mercantis Ltda
(273) 340-6086
pc Jerônimo Monteiro, 116, Ibes
Vila Velha, Espírito Santo
 
Morikawa do Brasil Ltda
(115) 573-3512
R Vergueiro, 1855, An 9 CJ 91, VL Mariana
São Paulo, São Paulo
 
BSN Belavida Ltda
(193) 233-0896
r Quirino,Dr, 838, Centro
Campinas, São Paulo
 
Casa das Colmeias
(243) 348-1533
r Maj Mannuel e Souza, 16, São Lucas
Volta Redonda, Rio de Janeiro
 
Sadahiro Jinbo
(49) 245-0903
av Frei Rogerio, 231
Curitibanos, Santa Catarina
 

Insumos Orgânicos: Os avanços do setor

Foi ao longo dos últimos 20 anos, que surgiu e se consolidou um novo mercado para fabricantes e fornecedores de produtos destinados ao setor
agrícola, disponibilizando uma linha de produtos que vem revolucionando o setor: substratos, condicionadores de solo, biofertilizantes, compostos e fertilizantes orgânicos.

Os substratos para plantas teve uma forte aliada ainda no final da década de 80, impulsionada pela estrutura da finada Cooperativa Agrícola de Cotia - CAC, que difundiu seu conceito entre produtores rurais que a época penavam para produzir suas mudas em misturas com terra utilizando-se de copinhos de papel jornal ou saquinhos plásticos. Naquela época sequer existiam os viveiristas profissionais. Poucos produtores ousavam produzir em estufas, equipamentos e tecnologias para irrigação destinados a estefim ainda estavam chegando ao mercado, enfim, o enxoval tecnológico para um produtor de mudas ainda era muito incipiente. Se as mudas não germinassem, diria Henfil, "valeu a intenção das sementes".

Também na década de 80, a mesma CAC e diversas outras empresas pioneiras e visionárias deram importante contribuição na difusão e ampliação do uso e manejo da matéria orgânica no preparo do solo e cultivo de plantas. Com surgimento de diversas associações ecológicas e de agricultura orgânica este ideário ganhou ainda mais força. Com isso, um mercado de produtos einsumos naturais foi crescendo e se cristalizando. Humus de minhoca, o composto orgânico, fertilizantes orgânicos (farinha de osso, torta de mamona, bokashi), biofertilizantes e substratos para plantas começaram a ganhar espaço nas prateleiras de lojas e cooperativas agropecuárias, gardens centers e até supermercados.

No entanto, este crescimento deu-se de forma desordenada, ao largo de um conjunto de normas que padronizasse uma linguagem no mercado, permitindo que produtores tirassem o maior proveito possível do potencial de cada produto. Ao longo deste tempo, o único ponto de convergência entre fabricantes e usuários foi o próprio mercado. Para compor este quadro de desencontros, temos de um lado as empresas fabricantes, que não conseguiram encontrar um meio eficiente e massivo de se comunicar com seus consumidores, informando-o da melhor maneira sobre seu produto e recomendações de uso e de outro o governo, que não acompanhou a evolução deste mercado e não estabeleceu ou adequou normas para fabricação e comércio destes produtos.

Para resolver ou amenizar estes desencontros, somente as empresas se organizando para, em conjunto com o governo e sociedade civil, buscar padronizar uma linguagem e estabelecer normas de fabricação e comercialização de seus produtos além de meios de comunicação e informação eficazes para o mercado consumidor.

Duas notícias que podem alterar este quadro: uma boa outra melhor ainda.

A boa é que no final do ano passado, um grupo de empresas de substratos, biofertilizantes, fertilizantes orgânicos e condicionadores de solo empenhadas em mudar esta situação, se reuniu e fundou sua entidade: a ABISOLO.

A ótima é que no dia 14 de janeiro deste ano, o Ministro da Agricultura assinou um novo Decreto que estabelece normas gerais para registro, padronização, classificação e fiscalização da produção e do comércio defertilizantes, corretivos, inoculantes e biofertilizantes. A partir da regulamentação do mesmo é que empresas fabricantes de diversos produtos que antes não tinham possibilidade de registro,como substratos ebiofertilizantes, poderão fazê-lo, possibilitando sua produção e comercialização com fornecimento de garantias dos mesmos a seusconsumidores, desejo antigo de todo o setor.

Desde então, a ABISOLO vem realizando diversos encontros setoriais, definindo e apresentando propostas junto ao Ministério da Agricultura para elaboração de um conjunto de normas factível, adequado a realidade e eficiente, que com certeza irão contribuir em muito para corrigir distorções na indústria e no mercado.

Até o presente momento, apenas as normas de corretivos, que incluem os condicionadores de solo, foram publicadas e a expectativa é que até o final deste ano todo o conjunto de normas que abrangem o setor sigam este mesmo caminho. Diversas empresas, daqui e do exterior, aguardam ansiosas por este momento, a fim de realizar novos investimentos que com certeza irão contribuir para fortalecer nossa cada vez mais forte agricultura, agregando qualidade aos nossos altos padrões de produtividade.

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: Eng. Agrônomo Carlos A P. Mendes

Clique aqui para ler este artigo na Portal Agricultura