Identifique e trate o distúrbio auditivo Itabuna, Bahia

A Fonoaudiologia nasceu da necessidade de haver um profissional que cuidasse de problemas e ou distúrbios da fala ou audiitivos. Atualmente o número de crianças com problemas fonoaudiológicos tem aumentado considerávelmente e na escola estes problemas se evidenciam claramente.

Centro de Projecao Tecnica Profissional Ltda
(71) 3345-1178
r Minas Gerais, 498, Sl 102, Pituba
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Mea Contabilidade Ltda
(75) 3623-8452
r Sales Barbosa, 520, Sl 23, Centro
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
PROVÉRBIOS EMPRESA EDUCACIONAL DE TRANSITO
(71) 4103-1171
TV. DOS BARRIS - BARRIS
SALVADOR, Bahia
 
SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - BA
(75) 3221-9088
r Domingos Barbosa de Araújo, 48, Kalilândia
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
Centro de Formacao de Condutores Quintella Ltda
(75) 3221-5093
r Almiro,Comdt, 475, Sl 3, Kalilândia
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
Cefet Bahia
(71) 2102-9400
r Emídio dos Santos, s/n, Sn, Baixa de Quintas
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
ESCOLA INFANTILNOSSA SENHORA DE FÁTIMA
(73) 3539-2375
AVENIDA BRASIL
ITAGI, Bahia
 
Centro de Formacao de Condutores Abc Ltda
(71) 3312-3165
lgo Calçada, s/n, Ed Vazquez An 1 Sl 128, Calçada
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Cedaspy
(71) 3321-2599
r Carlos Gomes, 265, An 2 Sl 201, Dois de Julho
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
saude do trabalhador
(73) 8848-1985
Av Marinalva S/N
Ubatã, Bahia
 
Dados Divulgados por

Identifique e trate o distúrbio auditivo

A Fonoaudiologia nasceu da necessidade de haver um profissional que cuidasse de problemas e ou distúrbios da fala ou audiitivos, já percebidos por professores em escolas. Mesmo sem a formação adequada, estes professores utilizavam diversas estratégias para reverter ou pelo menos amenizar os transtornos  causados em crianças com possíveis problemas no aparelho fonomotor.

O número de alunos que apresentavam estes quadros aumentou e o professor não estava alcançando resultados com suas metodologias. Surgiu então a necessidade de se pensar em uma profissão que visasse estes aspectos -  nascia a Fonoaudiologia. Atualmente o número de crianças com problemas fonoaudiológicos tem aumentado considerávelmente e na escola estes problemas se evidenciam claramente.  

Na Educação Infantil, as crianças iniciam seu processo de interação social, fora do ambiente familiar, se comunicam  e se expressam livremente, sendo um campo propício para a atuação do Fonoaudiologista. Ao se expressar,  a criança pode demonstrar suas dificuldades auditivas e de oralidade, que quando diagnosticadas no início podem ser - em alguns casos- eliminadas definitivamente. Ainda nesta fase escolar, este profissional poderia realizar um trabalho preventivo nas Instituições, agindo em parceria com a Equipe Pedagógica e fornecendo subsídios para o exercício cotidianoenvolvendo crianças que tendem a apresentar estes problemas. É importante ressaltar que dificuldades envolvendo oralidade e ou audição, comprometem o processo de aprendizagem e acabam gerando baixa auto estima e até evasão escolar.

É incoerente conceber que uma profissão oriunda de ambientes escolares, permaneça à margem das atividades desenvolvidas nas escolas, e mais ainda - que todos os profissinais envolvidos com  a educação, tem plena consciência da relevância da atuação deste profissional, principalmente nas séries iniciais de alfabetização.Todavia, apesar de toda esta conscientização, este profissional - diretamente ligado a Instituições que ministram educação formal, não  está presente na Equipe de Especilistas da maioria das escolas - seja das redes publicas ou particulares de ensino.

Evidentemente, se o fonoaudiólogo visitasse escolas - em especial de Educação Infantil - pelo menos uma vez por semana, diagnosticaria tendências, casos, vícios de linguagens e tantos outros aspectos contribuíntes para a defasagem na aprendizagem, assim poderia orientar a Equipe Pedagógica sobre métodos para resolver o assunto e em casos mais extremos , realizar sessões de fonoterapia com estas crianças. Assim, certamente, o processo de aprendizagem fluiria de uma maneira menos traumática para as crianças que apresentam problemas de audição e oralidade, afinal estamos em tempos de inclusão e este profissional faria muita diferença neste processo.

Angela Adriana de Almeida Lima

Sou formada em Magistério das séries iniciais; Graduada em Pedagogia com habilitação em Supervisão Escolar; Especialista nas áreas de Psicopedagogia Institucional; Docência Universitária e cursista de Especialização em Inspeção Escolar.Trabalho como professora de Ensino Fundamental nas redes Estadual e Municipal, também ministro minicursos e palestras com os temas Respeitando e Convivendo Com as Diferenças e Bullying em diversos contestos sociais.

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com