"Febre do Nilo" ataca cavalos e seres humanos Manaus, Amazonas

Identifique os sintomas da "Febre do Nilo". Compreenda como ocorre a sua transmissão. Avalie, principalmente, o impacto da doença nos equinos.

Senacoop Sec NAC Cooperativismo
(92) 233-6184
tv Maceió, 460, Adrianopolis
Manaus, Amazonas
 
Academia La Fuerza
(92) 233-7474
r Para, 165, an 2, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
INFRAERO Emp Bras Infra Estr Aeroportos
(92) 654-4671
av Santos Dumont, 1350, Redenção
Manaus, Amazonas
 
Academia La Fuerza
(92) 232-6777
r São Luís, 230, Adrianopolis
Manaus, Amazonas
 
Marina S Silva
(92) 663-2141
bc Tefe, 84, Aleixo
Manaus, Amazonas
 
Academia Cheik Club
(92) 232-5072
r Getulio Vargas, 773, Praça 14 De Janeiro
Manaus, Amazonas
 
Academia Golfinho
(92) 233-2906
r Luiz Antony, 885, Centro
Manaus, Amazonas
 
Malhacao Imp e Exp
(92) 236-8024
bc Batista, 482, lj 246 d, Educandos
Manaus, Amazonas
 
Malhacao Imp Exp
(92) 231-1899
r Purus, 1050
Manaus, Amazonas
 
Academia Ifilt
(92) 234-1676
r Doná Libania, 300, Centro
Manaus, Amazonas
 

"Febre do Nilo" ataca cavalos e seres humanos

Editoria: Vininha F. Carvalho26/7/2006

"Febre do Nilo” ataca cavalos e seres humanos

Uma doença emergente preocupa atualmente cientistas brasileiros. Conhecida como "Febre do Nilo", a enfermidade, causada pelo "Vírus do Oeste do Nilo" (em inglês, West Nile Virus, WNV), ataca principalmente eqüinos, mas também pode infectar seres humanos.

Originária da África, a doença se manifestou nos EUA a partir da década de 90 e matou dezenas de pessoas, além de tornar-se epidêmica entre a população eqüina. Recentemente, o vírus foi detectado em cavalos na Província de Buenos Aires, o que indica aproximação do agente. Enquanto o Brasil se preocupa com os focos de gripe aviária, a doença teve entrada discreta na América do Sul.

Os americanos investiram US$ 800 milhões para desenvolver uma vacina que passou a ser utilizada recentemente e demonstrou resultados positivos. No entanto, o caso ainda é tratado como grave e pode se espalhar para a América Latina.

Onde foi detectada, a "Febre do Nilo" apresentou alta velocidade de propagação e, nos casos mais graves, evoluiu para encefalite e meningite em humanos. Nos eqüinos, a doença causa a morte por meio de complicações neurológicas.

Segundo epidemiologistas, o vírus se espalha por meio de aves migratórias. Portanto, considerando a epidemia nos EUA e o trânsito de aves entre América do Norte e do Sul, era uma questão de tempo a manifestação da doença abaixo do Equador.

O que preocupa, segundo especialistas, é que esta rota passa pelo Brasil antes de chegar na Argentina, onde três animais morreram de encefalite. Até agora, não há casos confirmados da enfermidade em humanos em Buenos Aires.

A transmissão é feita por meio de mosquitos, principalmente do gênero "Culex", que se alimentam de aves infectadas e depois passam o vírus para cavalos e pessoas através de picadas. Outro agravante é que entre 75% a 80% dos portadores e hospedeiros do vírus são assintomáticos, principalmente os eqüinos.

Autoridades sanitárias do país estão identificando e estudando aves migratórias com potencial para disseminar o vírus, principalmente em áreas de grande concentração desses animais, como o Pantanal.

No último ano, cerca de 600 aves de diferentes regiões do Brasil foram coletadas e examinadas, mas não houve sinal do vírus do Nilo. No entanto, levantamentos preliminares indicam que a probabilidade de ocorrência da doença no país é alta.

Não existe uma vacina específica contra a "Febre do Nilo" registrada atualmente no Ministério da Agricultura. O registro e obtenção de licença para importação dos EUA e a comercialização ocorrerão apenas após (e se ocorrer) a detecção oficial do vírus no país.

Fonte: ADS Assessoria de Comunicações

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre