Estudando a patologia da úlcera Marabá, Pará

As úlceras são formadas a partir do momento em que os elementos responsáveis pela cicatrização estão deficientes, determinando a cronicidade da ferida. Ela se forma em pacientes acamados onde a prevenção se torna mais importante do que a cura. Entenda mais abaixo.

Eduardo Ruy Chaves
(91) 3222-0860
Tv Quatorze de Marco 1206
Belem, Pará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Victor Aita
249-0292
Jose Bonifacio 984 - a
Belem, Pará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Clínica Perfecta
(91) 3276-9080
av Papa João Paulo II, 1358, Marco
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Alexandre Calandrini
(91) 3252-3933
tv D Romualdo Seixas, 606, Umarizal
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Belplástica
(91) 3249-0652
r Pariquis, 3001 sl302, Cremação
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Valter Santos
(91) 3229-0532
Rua dos Pariquis 3001 - Sala 1105
Belem, Pará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Clínica Barros
(91) 3222-3777
Rua Diogo Moia, 296
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Clínica Álvaro Gomes
(91) 3223-6735
Rua Municipalidade, 1655
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Clínica Cirúrgica Integrada Geral
(91) 3252-4964
r Bernal Couto, 671, Umarizal
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Clínica Aymoré
(91) 3242-0886
Rua João Balbi, 273
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Estudando a patologia da úlcera

As úlceras de pressão são responsáveis por um alto índice de morbidade e mortalidade, gerando situações de difícil manejo. As úlceras são formadas a partir do momento em que os elementos responsáveis pela cicatrização estão deficientes, determinando a cronicidade da ferida, além da interferência dos fatores extrínsecos, sendo classificadas em quatro estágios. Úlceras de pressão são comuns em pacientes acamados, idosos e subnutridos e podem ocorrer em pacientes terminais devido à imobilidade, incontinência fecal e urinária e imunodepressão. Além disso, a contaminação das úlceras de pressão aumentam o risco de sepsis e podem piorar o estado nutricional.  Etiologia A úlcera de decúbito é uma lesão causada por forças de compressão na imobilidade do paciente. Podem estar comprometidas a epiderme, a derme e a hipoderme. Ela se forma em pacientes acamados onde a prevenção se torna mais importante do que a cura (CAMPEDELLI; GAIDZINSKI, 1996). Pode comprometer, também, pacientes terminais devido a imobilidade. A contaminação das escaras podem piorar o estado nutricional e aumentam o risco de sepses (CUNHA e colaboradores, 2000). Diagnóstico A causa da úlcera de decúbito é uma compressão de uma área do corpo sobre a superfície do colchão, aparelho gessado ou cadeira , diminuindo o fluxo sangüíneo. Sem fluxo sangüíneo, morrem as células por faltar nutrição e oxigênio (CAMPEDELLI; GAIDZINSKI, 1996). Ocorre devido a imobilidade, imunodepressão, incontinência urinária e fecal (CUNHA e colaboradores, 2000). Sinais Clínicos Eritema; Edema; Anóxia dos tecidos (CAMPEDELLI; GAIDZINSKI, 1996). As úlceras de pressão podem progredir para : Estágio I, onde se forma um eritema da pele intacta. Em pessoas de pele mais escura, o calor, a descoloração da pele, o edema, e o endurecimento podem ser também os indicadores. Estágio II: Ocorre a perda parcial da pele, onde a derme, a epiderme, ou ambos estão envolvidos. A úlcera se apresenta como uma bolha, ou um abrasão. Estágio III: Ocorre a perda total da espessura da pele, havendo necrose do tecido. Estágio IV: Ocorre a perda total da espessura da pele, havendo uma destruição extensa, podendo danificar músculos, ossos, tendões (BERGSTROM.N, 1994). Prevenção A higiene pessoal tem como objetivos: limpeza, manter a integridade cutâneo mucosa, estimular a circulação e o movimento passivo dos membros e deixar o paciente confortável. Manter a higiene do paciente, deixando-o livre das impurezas, excreções, secreções e odores contribui para a manutenção da integridade da pele, protegendo-o contra as infecções. A mudança de decúbito, além de auxiliar na drenagem das secreções, previne escaras que são resultantes da pressão contínua nas proeminências ósseas que estão em contato com o colchão (CAMPEDELLI; GAIDZINSKI, 1996). A úlcera de decúbito também pode ser evitada usando equipamentos e materiais adequados q aliviam a pressão como travesseiros almofadas de espuma q são usadas para manter as proeminências ósseas longe do contato direto com o colchão, e cuidados com os aspectos nutricionais. Procurar diminuir os fatores ambientais q podem levar ao ressecamento da pele como: exposição ao frio, umidade baixa (BERGASTROM e colaboradores, 1992). Tratamento Medicamentoso Em processo de cicatrização , há necessidade da vitamina C. A vitamina K é outro elemento importante, mas pode causar sangramento interferindo no processo de cicatrização. A água oxigenada é indicada para remover o tecido que está necrosado, porém, alguns trabalhos dizem que esta solução causa danos para o processo de cicatrização. O álcool etílico a 70% destrói em cerca de 2 minutos a proteína bacteriana, mas pode causar irritação local. Quando a infecção está presente, tem se usado apenas água destilada ou soro fisiológico para limpeza. Algumas pesquisas tem demonstrado que alguns tipos de curativos oclusivos são eficientes: - Tegarden, Opsite, Tegarden Pouch: produtos formados por filmes adesivos semipermeáveis; - Granuflex, Dermiflex, Biofilm: ajudam o processo de desbridamento; - Vigilon, Scherisorb, Geliperm: constituídos de hidrogel; - Bard, Debrisan, Iodosorb: constituídos de polissacarídeos; - Lyofoam, Synthaderm, Coraderm: são poliuretanos; - Duoderm: sua constituição interage com o exsudato, formando um gel sobre a ferida. Os curativos mantém a umidade necessária para o crescimento celular (CAMPEDELLI; GAIDZINSKI, 1996). Existem antibióticos como vasodilatadores, inibidores de serotonina e agentes fibrinolíticos, porém não foi estabelecida para permitir sua recomendação (BERGASTROM e colaboradores, 1992). Tratamento Fisioterápico Movimentação Passiva: A movimentação melhora a circulação do sangue aumentando a oferta de oxigênio para os tecidos, ajudando a evitar contraturas e também prevenindo a formação de úlceras de decúbito. Deambulação Precoce: Antes do paciente começar a andar, colocá-lo sentado na beira da cama, com as pernas para baixo, observar se ele possui equilíbrio de tronco e se não sente tontura. Se o paciente apresentar condições adequadas para deambular, calçá-lo com sapatos, pois dão mais firmeza aos pés (CAMPEDELLI; GAIDZINSKI, 1992). Terapias Coadjuvantes Eletroterapia, Infravermelho, Irradiação com Laser de energia baixa, Ultra-Som, ajudam a melhorar o processo de cicatrização (BERGASTROM e colaboradores, 1992). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CAMPEDELLI, M.C & GAIDZINSKI, R.R. Escaras-problemas na hospitalização(1987). BERGASTROM, N; ALLMAM, RM; CARLSON, CE, et al. Pressure Ulcers in Adults: Predicition an Prevention (May, 1992).

Clique aqui para ler este artigo na WebArtigos.com