Entendendo o impacto do estresse no organismo Manaus, Amazonas

Veja quais são os problemas que o estresse causa no organismo humano. Estudo descobrem uma possível ligação entre os efeitos do estresse e a atividade da bactéria Escherichia coli, que pode causar problemas gastrointestinais. Entenda mais no artigo abaixo.

João BL Botelho
(92) 234-5609
bc Ribeiro, 520, sl 705, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
Wellington Sampaio
(92) 236-1672
r Acre, 31, bl 31 b ap 3, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
João LP Machado
(92) 232-4559
bc Ribeiro, 620, sl 203, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
Paulo MG Lobo
(92) 633-1764
r Ramos, 89, São José Operário
Manaus, Amazonas
 
Antônio Lg Matos
(92) 236-7505
av C Nery, 2240
Manaus, Amazonas
 
Roberto O Mello
(92) 232-3915
r C Azevedo, 9, sl 206
Manaus, Amazonas
 
Luciana SM Vieira
(92) 233-1878
r Ferreira, 1297
Manaus, Amazonas
 

Entendendo o impacto do estresse no organismo



Pesquisadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, descobriram uma possível ligação entre os efeitos do estresse e a atividade da bactéria Escherichia coli, que pode causar problemas gastrointestinais.

A bactéria E. coli é naturalmente encontrada no intestino humano, mas o tipo comum raramente causa problemas.

Porém, segundo os especialistas, um tipo da bactéria E. coli chamado enterohemorrágico – que pode causar cólicas e diarréias – tem um receptor, chamado QseE, que capta sinais de quando hormônios do estresse, como o cortisol, são liberados. E, uma vez ativada, essa bactéria inicia uma série de reações que liberam toxinas para o corpo.

Esse receptor descoberto pela equipe de cientistas é encontrado somente na bactéria intestinal e trabalha junto ao QseC, que regula ações da bactéria, incluindo o controle dos genes necessários para que ela cause diarréia.

Além disso, a relação de ambos com os hormônios do estresse parece ter um papel no desenvolvimento de outras doenças já que está associado à liberação de toxinas no sangue, o que pode causar sepse (infecção generalizada).

“Pacientes com altos níveis de fosfatos no intestino tem uma probabilidade muito maior de desenvolver sepse devido à infecção sistêmica pela bactéria intestinal”, explicou a pesquisadora Vanessa Sperandio, líder do estudo. “Se pudermos descobrir como a bactéria sente essas pistas (do estresse), poderemos tentar interferir no processo e prevenir a infecção”, completou.

Em testes anteriores, os cientistas descobriram que o alfa-bloqueador fentolamina, usado no tratamento de pressão alta, poderia evitar que o receptor da E.coli QseC faça o “trabalho sujo”. Agora, eles pretendem testar se esse composto pode ajudar a neutralizar o receptor recém descoberto, evitando os problemas gastrointestinais.

Fonte: COREN-SP

Clique aqui para ler este artigo na Portal Fonoaudiologia