Entendendo a confusão mental nos idosos Manaus, Amazonas

Os maiores agentes da confusão mental dos idosos não são os tumores na cabeça ou ainda Mal de Alzheimer. Ao contrário do que muita gente pensa, os maiores causadores desse problema são: a diabetes descontrolada, a infecção urinária e o “esquecimento” por parte da família. Leia mais abaixo.

João BL Botelho
(92) 234-5609
bc Ribeiro, 520, sl 705, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
Wellington Sampaio
(92) 236-1672
r Acre, 31, bl 31 b ap 3, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
João LP Machado
(92) 232-4559
bc Ribeiro, 620, sl 203, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
Paulo MG Lobo
(92) 633-1764
r Ramos, 89, São José Operário
Manaus, Amazonas
 
Antônio Lg Matos
(92) 236-7505
av C Nery, 2240
Manaus, Amazonas
 
Roberto O Mello
(92) 232-3915
r C Azevedo, 9, sl 206
Manaus, Amazonas
 
Luciana SM Vieira
(92) 233-1878
r Ferreira, 1297
Manaus, Amazonas
 

Entendendo a confusão mental nos idosos



Diabetes descontrolada e infecção urinária podem causar confusão mental nos idosos Os maiores agentes da confusão mental dos idosos não são os tumores na cabeça ou ainda Mal de Alzheimer. Ao contrário do que muita gente pensa, os maiores causadores desse problema são: a diabetes descontrolada, a infecção urinária e o “esquecimento” por parte da família. Somente exemplificando o último item, a família passa a tarde inteira fora de casa, e o idoso permanece sozinho.

Com certa frequência, os mais antigos deixam de tomar líquido simplesmente por não sentirem sede. Quando não tem ninguém em casa para lembrá-los, eles acabam se desidratando, isso porque o corpo dos mais velhos possui pouco mais de 50% de água, bem diferente dos adolescentes e jovens, que possuem 70%, e mais distante ainda da realidade dos bebês, que possuem 90% de água. Isso pode afetar todo o organismo, causando confusão mental abrupta, queda da pressão arterial, batedeira (aumento dos batimentos cardíacos), dor no peito, coma e nos casos mais graves, até a morte.

O ser humano possui sensores de água em várias partes do corpo. São eles que verificam a quantidade de líquido presente no organismo. Quando estes percebem que têm pouca água, imediatamente enviam uma informação para o cérebro que aciona o sentido de sede. A baixa quantidade de água no organismo significa menor quantidade de sangue, de oxigênio e de sais minerais em nossas artérias e veias. Por isso, o corpo "pede" água. Nos idosos, porém, esses mecanismos são menos eficientes. A detecção de falta de água corporal e a percepção da sede acabam sendo prejudicadas.

Por isso é preciso estar atento. É importante que o idoso beba bastante líquido (água, suco, chá, leite ou ainda frutas ricas em água como melancia, melão, e outros) no intervalo de duas horas. Além disso, também é valida a atenção da família. Oferecer constantemente líquidos aos mais velhos pode fazer a diferença.

Fonte: Assessoria de Imprensa - Portal Educação

Clique aqui para ler este artigo na Psicologia Virtual