Entenda pra onde vai as taxas dos concursos públicos Manaus, Amazonas

O presente artigo tem por objeto a análise da legalidade do pagamento de taxas de inscrição feito por candidatos. Quando em benefício direto de Instituição contratada pela Administração Pública para a realização de concurso público, frente ao Princípio da Unidade de Caixa. Saiba mais abaixo.

Targo Consultoria e Marketing
(92) 3584-4659
r Rio Jutaí, 488, N S das Graças
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Procasa Empresa Imobiliária Ltda
(92) 3236-2548
av Tancredo Neves, 295, Prq 10 de Novembro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Ft Imoveis Ltda
(92) 3234-7545
av Constantino Nery, 940, Ap 101, Centro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
WHG Engenharia e Consultoria Ltda
(92) 3633-5818
r Porto Alegre,Visc, 149, Centro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Condominio do Centro Comercial Eldorado
(92) 3642-1988
r Recife, 1044, Adrianópolis
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Lourenco dos Santos Pereira Braga
(92) 3633-1464
r Acre, 26, Ed Mao First Tower, N S das Graças
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
R A Hodietech Informática Ltda ME
(92) 3088-0042
av Álvaro Maia,Sen, 440, An 1 Sl 103, Centro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Cinara de A Nery
(92) 3656-5170
r Jorge Teixeira,Cel, 7581, Lj 33, Lírio do Vale
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Jalc Servicos Empresariais Ltda
(92) 3234-8677
av Floriano Peixoto, 215, Sl 616, Centro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
E B Damasceno
(92) 3633-9456
r Vale do Sol, 51, Lírio do Vale
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entenda pra onde vai as taxas dos concursos públicos

SUMÁRIO: I - DO OBJETO, II - ORIENTAÇÕES JURISPRUDENCIAIS E NORMATIVAS, III - SISTEMÁTICAS PRESENTES EM CONCURSOS PÚBLICOS - ESTUDO DE CASOS, IV - DECISÃO PARADIGMÁTICA, V - CONCLUSÃO.

I - DO OBJETO

O presente artigo tem por objeto a análise da legalidade do pagamento de taxas de inscrição feito por candidatos, quando em benefício direto de Instituição contratada pela Administração Pública para a realização de concurso público, frente ao Princípio da Unidade de Caixa.

II - ORIENTAÇÕES JURISPRUDENCIAIS E NORMATIVAS

Preliminarmente, lembramos que sobre o assunto em questão existe entendimento sumulado do Tribunal de Contas da União - TCU, no sentido da necessidade do recolhimento das taxas de inscrição na conta do Tesouro Nacional, in verbis:

SÚMULA No 214

Os valores correspondentes às taxas de inscrição em concursos públicos devem ser recolhidos ao Banco do Brasil S.A., à conta do Tesouro Nacional, por meio de documento próprio, de acordo com a sistemática de arrecadação das receitas federais prevista no Decreto-lei no 1.755, de 31/12/79, e integrar as tomadas ou prestações de contas dos responsáveis ou dirigentes de órgãos da Administração Federal Direta, para exame e julgamento pelo Tribunal de Contas da União.”

Recentes decisões do TCU apontam para o pleno vigor da Súmula 214, é o que se pode constatar da leitura das ementas que seguem abaixo ( ref.: Ementário de Gestão Pública - por Paulo Grazziotin):

“Assunto: CONCURSO PÚBLICO. DOU de 06.07.2005, S. 1, p. 221. Ementa: o Tribunal de Contas da União fez referência à Sumula/TCU n° 214, no sentido de que os valores correspondentes às taxas de inscrição em concursos públicos fossem recolhidos no Banco do Brasil S.A., por meio de documento próprio (item 1.1.4, TC-008.531/2005-1, Acórdão n° 1.239/2005-TCU-1a Câmara).

Assunto: OUTROS. DOU de 22.01.2007, S. 1, p. 67. Ementa: o TCU determinou à Fundação Universidade do Rio de Janeiro que: a) organizasse um sistema de controle de custos, de modo a permitir que fosse estimada (com maior precisão) o valor da taxa a ser cobrada dos candidatos quando da realização de vestibulares; b) considerasse como públicos os recursos financeiros oriundos de taxas de inscrição nos processos seletivos, consoante entendimento consubstanciado no Enunciado no 214 da Súmula de Jurisprudência do Tribunal de Contas da União (itens 9.3.1 e 9.3.6, TC-004.139/2002-5, Acórdão no 6/2007-TCU-Plenário).” (g.n)

O professor Jorge Ulisses Jacoby Fernandes, em artigo (ref.: Concurso Público: O Valor da Taxa de Inscrição) que trata do valor da taxa de inscrição dos concursos, também nos lembra que “o recolhimento das taxas de concurso é um desses atos, sujeitos à fiscalização do Tribunal de Contas da União, que já definiu, de acordo com a Súmula no 214, o recolhimento das taxas de inscrição à conta do Tesouro Nacional.” (g.n)

Assim, constatamos que os recursos provenientes das taxas de inscrição devem ser inexoravelmente recolhidos à Conta Única, isto é, à Conta Tesouro.

Como podemos observar, a Súmula 214 do TCU, quando toca na sistemática de arrecadação das receitas federais, faz remissão ao Decreto-Lei no 1.755/1979, que prevê em seu artigo 1o, litteris:

“Art 1o - A arrecadação de todas as receitas da União far-se-á na forma estabelecida pelo Ministério da Fazenda, devendo o seu produto ser obrigatoriamente recolhido à conta do Tesouro Nacional.” (g.n)

De forma idêntica, o Decreto no 93.872/86, que dispõe sobre a unificação dos recursos de caixa do Tesouro Nacional, prevê, nos artigos 1o e 2o do Capítulo I, a seguinte disposição:

“CAPÍTULO I

Da Unificação dos Recursos de Caixa do Tesouro Nacional

Art . 1o A realização da receita e da despesa da União far-se-á por via bancária, em estrita observância ao princípio de unidade de caixa (Lei no 4.320/64, art. 56 e Decreto-lei no 200/67, art. 74).

Art . 2o A arrecadação de todas as receitas da União far-se-á na forma disciplinada pelo Ministério da Fazenda, devendo o seu produto ser obrigatoriamente recolhido à conta do Tesouro Nacional no Banco do Brasil S.A. (Decreto-lei no 1.755/79, art. 1o).

§ 1o Para os fins deste decreto, entende-se por receita da União todo e qualquer ingresso de caráter originário ou derivado, ordinário ou extraordinário e de natureza orçamentária ou extra-orçamentária, seja geral ou vinculado, que tenha sido decorrente, produzido ou realizado direta ou indiretamente pelos órgãos competentes.

§ 2o Caberá ao Ministério da Fazenda a apuração e a classificação da receita arrecadada, com vistas à sua destinação constitucional.

§ 3o A posição líquida dos recursos do Tesouro Nacional no Banco do Brasil S.A. será depositada no Banco Central do Brasil, à ordem do Tesouro Nacional.”(g.n)

O inciso II do art. 98 da Lei no 10.707/2003 - Lei de Diretrizes Orçamentárias - atualizando as normas até então referidas, estabeleceu que a arrecadação de receitas far-se-á por intermédio do documento de recolhimento a ser instituído pelo Ministério da Fazenda. O art. 3o do Decreto no 4.950/2004 autorizou então a Secretaria do Tesouro Nacional - STN - órgão vinculado ao Ministério da Fazenda - a instituir e regulamentar a Guia de Recolhimento da União- GRU, e a Instrução Normativa no 3 de 2004 da STN instituiu e regulamentou o modelo de GRU.

Pois bem, é justamente esta Guia, GRU, o documento padronizado para ingresso de valores na Conta Única, a ser utilizado pelas Unidades Gestoras (órgãos, fundos, autarquias, fundações e demais entidades da administração pública federal) para a arrecadação de receitas e demais valores ao Tesouro Nacional. Essa Guia visa a substituir o Depósito Direto na Conta Única, objetivando reduzir custos com despesas bancárias e oferecer maior controle e transparência na classificação das receitas.

O tipo de Guia mais adequado ao recolhimento de valores relativos a concurso público é a GRU Cobrança, porquanto pode ser paga pelo candidato em qualquer instituição financeira até a data de vencimento, e não só no Banco do Brasil S.A..

Assim, o depósito feito pelo candidato, segundo o código de recolhimento da futura contratada (v.g.: fundação pública federal), obtido exclusivamente junto à STN (COFIN), entende-se como ingresso feito na Conta Única.

Aliás, há expressa previsão dessa faculdade no art. 2o do citado Decreto no 4.950/2004, como consta do extrato da norma a seguir apresentado.

“Art. 2o Nos casos de receitas que têm origem no esforço próprio de órgãos e entidades da administração pública nas atividades de fornecimento de bens ou serviços facultativos e na exploração econômica do patrimônio próprio, remunerados por preço, bem como o produto da aplicação financeira, o Ministro de Estado da Fazenda poderá autorizar que a apropriação contábil da receita e o recolhimento do produto da arrecadação sejam realizados no SIAFI nos respectivos órgãos e entidades.” (g.n)

III - SISTEMÁTICAS PRESENTES EM CONCURSOS PÚBLICOS - ESTUDO DE CASOS

Não é por outro motivo que, mui recentemente, o próprio Tribunal de Contas da União (ref.: Concurso Público para Técnico e Analista de Controle Externo - Contrato n. 01/2007 - ISC/TCU), através do Instituto Serzedello Corrêa - ISC, adotou a sistemática de depósito feito pelo candidato por meio de GRU Cobrança, tendo como favorecido o órgão contratado por dispensa de licitação (inc. XIII do art. 24 da Lei 8.666/93), no caso, a Fundação Universidade de Brasília – FUB - (CESPE/UnB), sem se descuidar, por óbvio, da necessidade de reversão ao Tesouro Nacional de eventual diferença a maior relativa ao preço do serviço previamente ajustado no respectivo contrato, tudo conforme previsão das cláusulas 8.2.1 e 8.5 do respectivo contrato, verbis:

“8.2.1 - Os valores das taxas de inscrição serão depositados em conta única do Tesouro Nacional, por meio de GRU (Guia de Recolhimento da União), na Unidade Gestora 154079 e Gestão 15257 - Centro de Seleção e de Promoção de Eventos - CESPE, Banco do Brasil S/A - 001, Agência: 1607-1, Conta-corrente: - 997380632.

...

8.5 - Caso o valor pertinente à arrecadação das taxas de inscrição seja superior ao preço do serviço acertado neste contrato, esta diferença a maior deverá ser revertida ao Tesouro Nacional.”

O que dito acima não impede a adoção de outra sistemática, qual seja que os depósitos dos candidatos sejam feitos também por GRU, mas em conta específica do Tesouro Nacional, e o órgão contratante, por seu turno, pague a prestação de serviços à contratada com recursos orçamentários próprios. Procedeu, recentemente, dessa forma o Tribunal Superior Eleitoral - TSE (ref.: Contrato n. 65/2006), ao contratar a mesma Fundação Universidade de Brasília (CESPE/UnB), conforme itens 2.2.4 e 4 do respectivo Termo de Referência, vejamos:

“2.2.4. O valor da taxa de inscrição fixado pelo TSE, deverá ser depositado pelo candidato, em conta específica do Tesouro Nacional, mediante recolhimento por meio da GRU (Guia de Recolhimento da União).

...

4. DO PAGAMENTO - O pagamento será efetuado, pelo TSE, de acordo com o cronograma abaixo:

20% após o encerramento das inscrições;

40% após aplicação das provas;

20% após resultado definitivo da prova objetiva e resultado provisório da prova discursiva;

20% após a homologação do resultado do concurso.”

Com efeito, é o planejamento do respectivo certame licitatório, mormente como contratação direta ou não, que vai balizar a opção por uma das duas sistemáticas de pagamento pelos serviços prestados pela contratada para a realização do concurso público. Ao se enquadrar a modalidade do certame como dispensa de licitação, viabiliza-se, a depender da escolha da Instituição contratada (se órgãos, fundos, autarquias, fundações e demais entidades da administração pública federal), a opção pelo pagamento da prestação de serviços diretamente pelos candidatos. De outro ponto, caso se opte por realizar a licitação, o caminho natural é o do pagamento à contratada com o orçamento do próprio órgão contratante, isso, por óbvio, por não se conhecer de plano a Instituição vencedora, que poderá não ser apta ao recolhimento em Conta Única (por exemplo: fundação pública estadual).

IV - DECISÃO PARADIGMÁTICA 

Por oportuno, ex vi do embasamento legal utilizado pelo TCU, via Instituto Serzedello Corrêa - ISC, para a contratação direta da Fundação Universidade de Brasília - FUB, fazemos alusão ao Acórdão no 569/2005 TCU- Plenário - que julgamos extremamente elucidativo pelo seu conteúdo didático-pedagógico.

 O referido Acórdão recomenda, por exemplo, no caso de contratação direta com espeque no inc. XIII do art. 24 da Lei 8.666/93, a observância de “todos os requisitos constantes do citado artigo e demonstre, com critérios objetivos, no seu plano estratégico ou em instrumento congênere, a essencialidade do preenchimento do cargo objeto do concurso público para o seu desenvolvimento institucional”. De igual sorte, há expressa determinação para a necessidade de elaboração de “projeto básico e orçamento detalhado anteriormente ao procedimento licitatório”.

V - CONCLUSÃO

Como afirmamos alhures, o depósito feito pelo candidato, segundo o código de recolhimento da futura contratada (se órgãos, fundos, autarquias, fundações e demais entidades da administração pública federal), obtido exclusivamente junto à STN (COFIN), tem plena legalidade, porquanto o mesmo é entendido como ingresso feito na Conta Única.

 

marcelo neves

Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Engenheiro de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-Graduado em Administração Pública pela FGV. Co-autor e Organizador do livro Direito Público do Trabalho: estudos em homenagem a Ivan D. Rodrigues Alves. Prefácio de Doris Castro Neves. Belo Horizonte: Fórum, 2008.

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com