Entenda como funciona uma investigação criminal Belém, Pará

O presente artigo trata de uma revisão teórica referente á utilização da Espectrofotometria Raman nas Pericias forense. A investigação criminal e as técnicas utilizadas pelos peritos, nunca estiveram tão em evidência. Conheça várias técnicas e aparelhos que são utilizados.

Escritório Oliveira
(91) 3229-1280
pas Nove de Janeiro, 2110, Condor
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Albuquerque e Nascimento - Advogados Associados
(91) 3225-2335
r João Balbi, 337, B, Nazaré
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Bastos & Dias S/c - Corporacao de Advogados
(91) 3212-0042
r Manoel Barata,Sen, 718, Sl 1101, Campina
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Barra Britto Sc Advogados Associados
(91) 3249-9118
av Furtado,Cons, 2476, Tr Sl 101, Cremação
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Andrade da Silva - Advogados Associados S/s
(91) 3228-1020
r Antônio Barreto, 1661, Als, Umarizal
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Malcher & Oliveira Advogados Associados S/C Ltda
(91) 3344-7373
tr Pernambuco,Pres, 269, Batista Campos
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Roboredo Advogados Associados
(91) 3629-5816
av Furtado,Cons, 2391, An 14 Cj 1403, Cremação
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Xerfan Advocacia S/S
(91) 3224-7717
tr Rui Barbosa, 534, Reduto
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Escritório de Advocacia Santos & Storino
(91) 3239-0000
av José Bonifácio, 876, São Brás
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Carlos Kayath - Advogados Associados
(91) 3222-5292
r Ó de Almeida, 490, Cj 602, Campina
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entenda como funciona uma investigação criminal

Toda ainvestigação criminal diz respeito a pessoas e a objetos. Mas sóas pessoas cometem crimes, embora se sirvam invariavelmente deobjetos na prática dos mesmos.

F.Henrique Santos

Denomina-seespectrofotometria, o método utilizado para análises de elementossimples da estrutura química de compostos inorgânicos ou gruposfuncionais de uma substância, utilizando radiação eletromagnética,podendo o exame ser destrutivo ou não.

AEspectrofotometria Raman e uma técnica fotônica de alta resolução,que proporciona em pouco segundos, informação química e estruturalde um número muito grande de material composto, orgânico e/ouinorgânico, permitindo sua identificação com certa facilidade.

Aespectroscopia Raman foi desenvolvida a partir da descoberta doefeito de espalhamento inelástico da luz, feita pelo cientistaindiano Chandrasekhara Venkata Raman em 1928, denominado efeito Ramanem sua homenagem. 

Apenasdois anos depois já se contavam  duas centenas de trabalhos publicadosenvolvendo o seu uso no estudo de propriedades moleculares No mesmoperíodo de dois anos (1999-2000) esse número subiu para quase 10.000.Sua análise histórica pode ser dividida em 3 períodos.

O assimdenominado “primeiro período” compreende os primeiros 30 anos,quando os instrumentos eram "home-made" e a comunidade depraticantes em todo o mundo não passava de algumas dezenas depesquisadores. Porém, é desse período um significativo número detrabalhos que se tornaram clássicos e que representam verdadeirosparadigmas no uso da espectroscopia Raman na nossa compreensão deaspectos centrais da Química e da Física.

Em meadosdos anos 60 percebe-se uma saturação e mesmo diminuição detrabalhos envolvendo a espectroscopia Raman. Embora equipamentoscomerciais já existissem, os mesmos não podiam competir com afacilidade de operação dos espectrômetros no infravermelho.

O segundoperíodo ou “Renascimento da espectrofotometria Raman” iniciou-seno começo da década de 70 devido as inovações tecnológicasdecisivas.

Nessaépoca os primeiros lasers comerciais estavam aparecendo e um físicobrasileiro radicado nos Estados Unidos, Sergio Porto, publica oprimeiro espectro Raman excitado por laser.

Ainda nadécada de 70, durante a famosa "polêmica sobre a existênciada poliágua" o uso da espectroscopia Raman foi fundamental aomostrar que as propaladas anomalias nas propriedades físicas daágua, na verdade eram induzidas por impurezas provenientes docapilar de vidro

Oterceiro período, que se inicia por volta de meados dos anos 80 aténossos dias, poderia ser chamado de "período de universalizaçãoda espectroscopia Raman". Esse período se caracteriza pelaaplicação quase universal da técnica - sistemas biológicos,aplicações biomédicas, aplicações arqueológicas, validação deobras de arte, aplicações forenses e criminalísticas,

Isso setornou possível principalmente pelo uso da excitação com lasers noinfravermelho próximo e técnicas de transformada de Fourier(espectroscopia Raman FT), que virtualmente eliminou a limitaçãoencontrada com amostras fluorescentes, e ainda pelo uso dosdetectores multicanal de alto desempenho, que conduziu a umespetacular aumento da sensibilidade da técnica

Oacoplamento de um microscópio ao espectrômetro Raman nos levou amicroscopia Raman, que adicionou o elemento de resolução espacial,permitindo a obtenção de espectros de alta qualidade de regiõesmicroscópicas da amostra sem perder sensibilidade e flexibilidade.

OLaboratório de Espectroscopia Molecular do Instituto de Química daUSP (LEM) utiliza espectroscopia Raman para realizar pesquisas deponta em diferentes áreas do conhecimento.

Quando umfeixe de luz monocromática atinge um meio material, uma fraçãomuito pequena dessa luz sofre uma mudança na sua freqüência(espalhamento inelástico) e o conjunto dessas freqüênciasmodificadas constitui o que se chama de espectro Raman (absorbânciax comprimento de onda), que contém informações a respeito daestrutura das moléculas que constituem esse meio material."

Apenasuma fração mínima de luz sofre o efeito Raman, logo é necessárioo uso de fontes de luz de muito intensidade e detectores de altíssimasensibilidade. Atualmente,isso é feito por meio do uso de lasers como fontes de luzmonocromática e detectores multicanal.

ANÁLISEDE DROGAS E SUBSTÂNCIAS ILÍCITAS

Quandofalamos de Drogas não nos referimos apenas a maconha, cocaína entretantas outras que diariamente são citadas na televisão. Osmedicamentos, até mesmo os de uso diário também estão inclusosnessa lista, sendo que a falsificação de remédios é um problemamundial.

Pesquisadoresbritânicos desenvolveram uma nova forma de espectroscopia Raman, umaferramenta baseada na radiação eletromagnética capaz deidentificar as moléculas dos produtos químicos. O método jáexistente, a espectroscopia Raman, permitia também autenticar osremédios, mas era preciso retirar os comprimidos das caixas, o queimpedia que as drogas autênticas pudessem ser comercializadasnovamente, uma vez que tinham sido abertas.

A novatécnica, chamada espectroscopia espacial compensada Raman, permiteobter dados sobre a composição química dos remédios através dofrasco de vidro, de vasilhas plásticas, do invólucro da cápsula edas caixas.

A E.Rdispõe de um sistema de filtragem exclusivo, permitindo avisualização bidirecional direta para a rápida localização domaterial suspeito.

Enquanto a imagem obtida por microscópio convencional para uma amostra de cocaína mostra uma massa de materialindiferenciado, a imagem captada através da ER revelapartículas de cocaína (regiões de maior luminosidade).

ANÁLISEDE EXPLOSIVOS

Atravésda ER pode-se analisar todos os explosivos normalmente utilizados,sendo esses vestígios detectados e identificados, por métodos nãodestrutivos, numa ampla variedade de materiais: tecidos têxteis,metais e superfícies pintadas, sem qualquer necessidade depreparação da amostra.

Entre oscompostos puros de maior importância comercial e militar figuram oRDX (ciclotrimetilentrinitramina); PETN (tetranitrato depentaeritritol)‏. Com o analisador Raman, nota-se uma partícula deexplosivo RDX, com o diâmetro de alguns micrometros claramenterevelada na imagem. 

ANÁLISEDE TINTAS E PAPEL MOEDA

Muitastintas parecem idênticas quando observadas a olho nu ou mesmo sob aóptica de um microscópio convencional. Entretanto, as respectivascomposições moleculares das tintas variam consideravelmente.

A ERpermite, distinguir e identificar as tintas aplicadas em papel eoutros substratos ou materiais questionados. Sendo possívelestabelecer a fonte de fabricação das tintas usadas nasfalsificações e, também, estabelecer conexões entre criminosos equadrilhas de falsificadores.

Atravésda E.R. pode-se detectar, distinguir e identificar tintas, pigmentose papeis de "aspecto legal" e os realmente autênticos.

ANÁLISEDE OBRAS DE ARTES

A análisede pigmentos em obras de arte é de grande importância para a suaautenticação e datação, assim como para possíveis intervençõesde conservação ou restauro, uma vez que permite uma caracterizaçãodetalhada dos materiais constituintes e das camadas policromadas

Amicro-espectroscopia Raman permite a análise não destrutível ereprodutível de partículas muito pequenas em laboratório, semnecessidade de preparação das amostras Como cada composto dáorigem a um espectro Raman característico, é possível identificarpigmentos orgânicos e inorgânicos, assim como aglutinadores evernizes, por comparação com espectros obtidos de bases de dados

Hápoucos anos, pesquisadores do LEM tiveram a oportunidade de colaborarcom o Museu da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais, noprocesso de autenticação de um retrato do poeta Murilo Mendes,supostamente pintado por Portinari na década de 30.

Foramretirados minúsculos fragmentos do quadro e os espectros obtidosatravés da espectroscopia Raman permitiram identificar os pigmentosutilizados, que apontam na direção da originalidade da obra.

Pesquisadoreseuropeus e norte-americanos usando E.R. determinaram pela primeiravez os principais tipos de pigmento usados para desenhar as figurasque adornam sete das chamadas Bíblias de Gutenberg, publicadas noséculo 15.

A origemde sete cores foi determinada com precisão e de duas formaaproximada.

Overmelho-claro deriva do cinabre (minério do mercúrio).

O amarelovem de compostos com chumbo e estanho.

O pretose origina do carbono e o branco, do carbonato de cálcio.

O azuldecorre do emprego de azurita, um tipo de carbonato de cobre.

Overde-oliva, da malaquita, outro carbonato de cobre.

Overde-escuro, do etanoato de cobre (verdete).

De origemincerta, os tons dourados parecem vir do próprio ouro e os vermelhosde pigmentos extraídos de plantas ou insetos.

ANÁLISEDE PEDRAS PRECIOSAS

Atualmente,existem muitas discussões entre a comunidade de gemólogos sobre umnovo tratamento para diamantes de baixa qualidade que permitemodificar sua aparência e torná-la semelhante à de pedraspreciosas.

Osgemólogos utilizam os microscópios Raman para identificação daspedras preciosas e para determinação de sua origem, através daanálise das minúsculas inclusões contidas nelas.

Na E.R.sua base de dados de materiais inorgânicos permite a rápidadeterminação da composição de pedras sob suspeita. Sua elevadaresolução possibilita aos peritos forenses detectar os defeitosmicroscópicos em pedras preciosas, bem como identificar as resinas,e outros materiais de enchimento, utilizados na ocultação destesdefeitos.

Atravésda base de dados, os peritos forenses poderão identificar em poucossegundos se uma pedra é preciosa ou não. Na imagem a seguir,tem-se um suposto diamante lapidado. A partir do espectro, éidentificado em questão de segundos como sendo um simples zircônio.

ANÁLISEFUTURAS

Em paísesmais desenvolvidos, a E.R. tem sido amplamente utilizada noslaboratórios de desenvolvimento de novos produtos das indústrias dealta tecnologia, como a de semicondutores e a farmacêutica. Em ambosos casos, tem sido utilizada para planejar a estrutura molecular paraque o material tenha o melhor desempenho possível.

"Aespectroscopia Raman é uma das técnicas que, por excelência,permite o conhecimento detalhado da estrutura molecular esupramolecular dos materiais, o que explica a sua incorporaçãopelos laboratórios de desenvolvimento na tecnologia de ponta

Ascapacidades dos instrumentos foram ampliadas, incluindo uma amplagama de lasers, novos acessórios e sistemas de filtragem óptica,níveis de automação mais elevado e softwares mais potentes –facilitando cada vez mais a utilização dos instrumentos.

Estatecnologia permitiu desenvolver também diversas aplicaçõesmédicas, sendo uma das mais notáveis a detecção de célulascancerosas e pré-cancerosas. Num futuro não muito distante, existea expectativa que pequenas sondas de fibra óptica e sistemasmicroscópios automáticos possam ser utilizados para recolherespectros dos tecidos humanos, permitindo assim um rápidodiagnóstico de potenciais cânceres em ambulatórios médicos.

REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS

BRASIL24/09/2007 Cientistas projetam laser capaz de detectar remédiosfalsos sem abrir frasco. Disponível em: www.clicabrasilia_com br.htm acess. em 10/06/2008

BRASIL 26de julho de 2000 n.568/00 Laboratório do IQ é um dos mais avançadosdo mundo. Disponível em: http://www.usp.br/agen/agweb.html acess.09/06/2008

SANTOS,P.S. Espectroscopia Raman: Uma viagem através do tempo. 24ª ReuniãoAnual da Sociedade Brasileira de Química

SOUZA, C.M. O uso das radiações em ciências forenses. 2007. 100 f.Monografia para o ensino de física – Universidade Estadual deMaringá. Maringá, 2007.

SOUZA, C.M. C.S.I. Investigação Criminal: A Física a serviço da Lei.Disponível emhttp://www.webartigos.com/articles/6138/1/csi-investigacao-criminal/pagina1.html acess. 12/06/2008

Clique aqui para ler este artigo na WebArtigos.com