Entenda as normas para o pagamento do IR atrasado Salvador, Bahia

Compreenda as normas do Superior Tribunal de Justiça para o pagamento do imposto de renda em atraso. O especialista em direito tributário Everton Jardim explica como deve ser feito o cálculo. "O entendimento STJ é de que o cálculo do IR sobre os rendimentos pagos acumuladamente com atraso deve se basear nas tabelas e alíquotas das épocas próprias às dos rendimentos", ele diz.

Advocacia Prof César de Faria Júnior S/C
(71) 3451-5538
r Sen Theotônio Vilela, 110 Candeal
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia Machado
(71) 3321-0970
Tv Ajuda, 39, S 708 Centro
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia e Assessoria Jurídica
(71) 3326-5323
r Cabeça, 93, S 201 Dois De Julho
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia Maurício Vasconcelos S/C
(71) 3452-2480
r Itatuba, 201, S 1509 Brotas
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia Francisco Hupsel Associados
(71) 3247-1983
av Anita Garibaldi, 1815 Bl A Cj 411
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia Associada
(71) 3341-8181
r Frederico Simões, 85, S 413 / 1004 Caminho Das Árvores
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia Orlando Kalil Filho S/C
(71) 3354-4121
av Antônio Carlos Magalhães, 2573, S 801 Candeal
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia Diogenis Fonseca
(71) 3322-6905
Boul América, 11 Nazare
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia Luiz Barros
(71) 3377-0658
r Otávio Mangabeira, 8, An 1 São Cristovao
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Advocacia e Consultoria
(71) 3242-0810
r Bélgica, 10, S 307 Comercio
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entenda as normas para o pagamento do IR atrasado

Em decisão recente do Superior Tribunal de Justiça, datada de 22/07/2009, houve uma mudança no que diz respeito ao recolhimento do Imposto de Renda.

Antes, existia jurisprudência, afirmando que o Imposto de Renda deveria ser recolhido pelo valor total da condenação, conforme se verifica abaixo:

DESCONTOS - IMPOSTO DE RENDA - VALOR TOTAL DA CONDENAÇÃO.

Dispõe o artigo 46 da Lei nº8.541/92 que " O imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos pagos em cumprimento de decisão judicial será retido na fonte pela pessoa física ou jurídica obrigada ao pagamento, no momento em que, por qualquer forma, o rendimento se torne disponível para o beneficiário ". Verifica-se, pois, que o referido desconto tem por fato gerador a existência de sentença condenatória e a disponibilidade dos valores dela decorrentes ao empregado. A lei, por sua vez, ao determinar que o tributo seja retido na fonte, deixa incontroverso que a sua incidência se dará sobre a totalidade dos valores recebidos, cuja contribuição, a cargo do reclamante, deve ser retida e recolhida pela reclamada. Esta e. Corte pacificou o entendimento de que "O recolhimento dos descontos legais, resultante dos créditos do trabalhador oriundos de condenação judicial, deve incidir sobre o valor total da condenação e calculado ao final ." (Orientação Jurisprudencial nº 228 do TST). Nesse contexto, inequívoco que o Regional, ao entender que os descontos de imposto de renda devem ser calculados mês a mês, violou o art. 46 da Lei 8.541/92. Recurso de revista parcialmente conhecido e provido.

TST - RECURSO DE REVISTA: RR 655034 655034/2000.1. Relator(a): Milton de Moura França. Julgamento: 05/11/2003
Órgão Julgador: 4ª Turma.

Porém, o entendimento recente do Superior Tribunal de Justiça é de que o cálculo do imposto de renda (IR) sobre os rendimentos pagos acumuladamente com atraso devido a decisão judicial deve se basear nas tabelas e alíquotas das épocas próprias às dos rendimentos. O entendimento da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça é que a retenção na fonte deve observar a renda que teria sido obtida mês a mês pelo contribuinte se tivesse ocorrido o erro da administração, e não o rendimento total acumulado recebido em razão de decisão judicial.

A questão foi definida no recurso especial de um contribuinte contra decisão da Justiça Federal da 4ª Região que, dando razão ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), entendeu ser possível reter o imposto de renda referente a valores decorrentes de decisões judiciais.

O ministro Arnaldo Esteves Lima, relator do caso no STJ, destacou que o STJ já tem jurisprudência firmada reconhecendo a impossibilidade de a autarquia reter imposto de renda na fonte quando o reconhecimento do benefício ou de eventuais diferenças não resulta de ato voluntário do devedor, mas apenas de imposição judicial.

Para o relator, a cumulação de valores em um patamar sobre o qual legitimamente incidiria o imposto só ocorreu porque o INSS deixou de reconhecer, no tempo e modos devidos, o direito dos segurados. Assim, entende, seria “censurável transferir aos segurados os efeitos da mora exclusiva da autarquia”.

Acompanhado à unanimidade pelos demais integrantes da Quinta Turma, o ministro afastou a retenção do imposto de renda na fonte e determinou a devolução dos valores aos segurados que apresentaram o recurso especial no mesmo processo.

Fonte: STJ

Everton Gandolfi Jardim

AdvogadoEspecialista em Direito Tributario e Ambiental

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com