Entenda as alterações nas regras do divórcio Maringá, Paraná

Estude a pec 33 sobre o direito de família. Katia Cristina disserta sobre o divórcio. "Um casal que pretender se separar deverá aguardar o prazo de um ano para ingressar com a ação de separação judicial e após um ano ingressar com a conversão da separação em divórcio", ela destaca.

Alexandre Hauly Camargo e Advogados Associados
(43) 3324-7380
av Caxias,Dq, 1980, An 9, Igapó
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Advocacia Barbosa & Leal
(43) 3324-2372
av Paraná, 453, Sl 204, Centro
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Stormoski & Martins Advogados
(45) 3028-4939
Av. Juscelino Kubitschek, 469 - Sala 303
Foz do Iguaçu, Paraná
 
Gocil Serviços de Segurança
(41) 3363-4265
r Germano Mayer, 1348 Alto da Rua XV
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
SEDES
(41) 3308-1101
av NS Paz, 1118 Boqueirão
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Agencia de Segurança
(41) 3071-0945
r Pedro Américo, 467 ap 701
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
advogacia dr. waldir
44 30287499 e 44 99631450
rua nova esperança n. 33
maringa, Paraná
 
GGP Marcas e Patentes
(43) 3324-8571
Av. Higienópolis 799 - SL 03
Londrina, Paraná
 
Acacio Filho
(41) 3222-2964
r José Loureiro, 133 cj 105 Centro
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Advocacia Abacruz
(41) 3018-1715
Pc Rui Barbosa, 827 and 3 s 311
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entenda as alterações nas regras do divórcio

Alterações nas regras do DIVÓRCIO

 

Muito tem se discutido sobre as alterações nas regras do Divórcio, a Câmara dos Deputados aprovou em 02.06.2009, proposta de emenda à Constituição (PEC) que altera as regras do divórcio. Pelo novo texto, os casados, no momento da separação, já podem entrar imediatamente com o pedido de divórcio.

A PEC altera o parágrafo 6º do artigo 226 da Constituição Federal, mas ainda precisa ser aprovada em dois turnos no Senado. Caso a alteração seja aprovada, a redação deverá ficar da seguinte maneira: "casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio consensual ou litigioso".

Com a finalidade de suprimir o instituto da separação judicial e o prazo de dois anos de separação para que se concretize o divórcio, tende a por fim a submissão do casal a dois processos judiciais [separação judicial e divórcio por conversão] que resulta em acréscimos de despesas bem como prolonga os sofrimentos.

Enfim, tal medida corresponde a uma necessidade sentida por muitos casais e pela necessidade de atualização da lei do divórcio.

Importante ressaltar que o projeto obriga à realização de duas conferências de conciliação para que se efetue o divórcio, e um período de três meses entre as duas.

Hoje, um casal que pretender se separar deverá aguardar o prazo de um ano para ingressar com a ação de separação judicial e após um ano ingressar com a conversão da separação em divórcio, ou ainda, após dois anos da separação de fato ingressar com a ação de divórcio.

Agora resta aguardar a aprovação da PEC no Senado e a sanção do Presidente da República para que tais alterações possam surtir os efeitos desejados.

Para conhecimento segue a integra da PEC

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 33, DE 2007

(Do Dep. Sérgio Barradas Carneiro)

Altera o § 6º do art. 226 da Constituição Federal, para supressão do instituto da separação judicial.

As mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos da art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Art. 1º O § 6º do art. 226 da Constituição Federal passa a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 226 ...............................................................................

............................................................................................

§ 6º O casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio consensual ou litigioso, na forma da lei." (NR)

............................................................................................

Art. 2º Esta Emenda Constitucional entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICATIVA

A presente Proposta de Emenda Constitucional é uma antiga reivindicação não só da sociedade brasileira, assim como o Instituto Brasileiro de Direito de Família, entidade que congrega magistrados, advogados, promotores de justiça, psicólogos, psicanalistas, sociólogos e outros profissionais que atuam no âmbito das relações de família e na resolução de seus conflitos, e também defendida pelo Nobre Deputado Federal Antonio Carlos Biscaia ( Rio de Janeiro).

Não mais se justifica a sobrevivência da separação judicial, em que se converteu o antigo desquite. Criou-se, desde 1977, com o advento da legislação do divórcio, uma duplicidade artificial entre dissolução da sociedade conjugal e dissolução do casamento, como solução de compromisso entre divorcistas e antidivorcistas, o que não mais se sustenta.

Impõe-se a unificação no divórcio de todas as hipóteses de separação dos cônjuges, sejam litigiosos ou consensuais. A Submissão a dois processos judiciais (separação judicial e divórcio por conversão) resulta em acréscimos de despesas para o casal, além de prolongar sofrimentos evitáveis.

Por outro lado, essa providência salutar, de acordo com valores da sociedade brasileira atual, evitará que a intimidade e a vida privada dos cônjuges e de suas famílias sejam revelados e trazidos ao espaço público dos tribunais, como todo o caudal de constrangimentos que provocam, contribuindo para o agravamento de suas crises e dificultando o entendimento necessário para a melhor solução dos problemas decorrentes da separação.

Levantamentos feitos das separações judiciais demonstram que a grande maioria dos processos são iniciados ou concluídos amigavelmente, sendo insignificantes os que resultaram em julgamentos de causas culposas imputáveis ao cônjuge vencido. Por outro lado, a preferência dos casais é nitidamente para o divórcio que apenas prevê a causa objetiva da separação de fato, sem imiscuir-se nos dramas íntimos; Afinal, qual o interesse público relevante em se investigar a causa do desaparecimento do afeto ou do desamor?

O que importa é que a lei regule os efeitos jurídicos da separação, quando o casal não se entender amigavelmente, máxime em relação à guarda dos filhos, aos alimentos e ao patrimônio familiar. Para tal, não é necessário que haja dois processos judiciais, bastando o divórcio amigável ou judicial.

Sala das Sessões, 10 de abril de 2007.

Deputado SÉRGIO BARRADAS CARNEIRO
PT/BA

Katia Cristina Andrade

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com