Cuide da sua saude bucal Macapá, Amapá

A maior parte das pessoas so procuram um dentistas quando estao com dor de dente. Muitas que procuram um odontologista não sabe, mas o primeiro exame clínico pode revelar aspectos da saúde global. Saiba mais no artigo abaixo.

Anderson Tatsunori Kajishima
(21) 2416-7870
Rua Augusto Vasconcelos 177 sl 301
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Marcelo Marigo
(31) 3222-0261
Av Brasil 1438 sl 1408
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Hercília Márcia F da Silva
(27) 3225-7395
Av NS Penha 1255 Sl 103
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
César Luís Tomazi
(54) 3283-1579
Av Rio Branco 1672
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Reinaldo M Leite
(77) 3421-4257
Av Itabuna 2703
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Anderson Yoshito Obana
(91) 3721-9994
Tv Floriano Peixoto 1720
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Ranulfo M Cunha
(33) 3321-3746
Av Benedito Valadares 62 s 101
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Ciro Bof Neto
(27) 3256-3116
Rua Ananias Netto 170
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
César M Ramos
(31) 3661-3937
Rua Comend Antônio Alves 985 lj 8
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Mateus Balbinoti
(54) 3261-3934
Rua Júlio de Castilhos 651 sl 306
Macapa, Amapá
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Cuide da sua saude bucal

A maior parte das pessoas que procuram um odontologista não sabe, mas o primeiro exame clínico pode revelar aspectos da saúde global. “A boca apresenta o estilo de vida do paciente, bem como alterações que acometem outras partes do organismo”, comenta o periodontista Gustavo Caldas, da Clínica Cir, em Brasília.

Em primeiro lugar, a higienização deficiente é um forte indicativo de que o indivíduo não dispensa a atenção necessária ao seu próprio bem-estar. Ainda no campo dos hábitos – ou maus hábitos, o tabagismo é evidenciado por manchas nos dentes, hálito alterado e predisposição para diversos problemas. “Os fumantes estão na linha de risco para o desenvolvimento de lesões pré–cancerígenas, além da redução da vascularização periférica”, enfatiza Dr. Aurélio Belas, mestre em implantodontia e diretor do Cir. Usuários de merla, droga derivada da cocaína, podem apresentar lesões que se assemelham a queimaduras em mucosas, além da erosão dental - perda de estrutura do dente pelo efeito ácido da droga.

É muito comum que problemas bucais resultem em disfunções orgânicas. A mastigação deficiente, por exemplo, pode ocasionar problemas nutricionais, que, por sua vez, são responsáveis por provocar baixa resistência a infecções e até aumento de peso. “A digestão começa na boca: se ela é ineficiente, o organismo não aproveita os nutrientes presentes nos alimentos de forma adequada”, explica Dr Gustavo.

A respiração bucal é também nociva, pois está relacionada à apnéia - interrupção do fluxo de ar para os pulmões, que geralmente ocorre durante o sono – à sinusite, à rinite alérgica, além do baixo rendimento de atletas na execução de seus exercícios. No caminho inverso, doenças como a depressão podem ocasionar problemas bucais: a falta de cuidados com a higiene é um dos primeiros sinais de perda da vaidade. 

Para aqueles que se submetem a um dos exames mais comuns na odontologia, a radiografia panorâmica, recente pesquisa mostrou que através da chapa é possível verificar se o paciente tem maior probabilidade de desenvolver osteoporose. A utilização do exame na detecção precoce da perda de massa óssea já vem sendo adotada na Clínica Odontológica do Hospital Universitário de Brasília.

E como saúde é uma questão sistêmica, cuidados gerais têm impacto positivo no sorriso. “A saúde bucal depende de um bom estilo de vida. Para quem quer ter dentes fortes e saudáveis, é imprescindível a adoção de uma alimentação rica em frutas e alimentos fibrosos e a ingestão de pelo menos dois litros de água por dia”, orienta Dr. Gustavo.

GINÁSTICA TRATA A FADIGA OCULAR,
QUE ATINGE 60% DA POPULAÇÃO
ENTRE 18 E 45 ANOS

Os olhos atestam que algo não está bem com sintomas que vão de uma simples tensão na região à perda do campo visual. Esse é o resultado da fadiga ocular, que decorre do esforço repetitivo dos músculos que são sobrecarregados quando a cabeça está mal posicionada. Um bom exemplo disso é o músculo ciliar, associado à focalização de objetos próximos - como o monitor do computador. De acordo com um levantamento internacional, o incômodo afeta 60% das pessoas adultas com menos de 45 anos.

Quando a alteração se manifesta, é sinal de que os olhos precisam de descanso - o que não é tão simples quanto parece. É aí que deve entrar o relaxamento ativo, que possibilitam que os olhos passem a trabalhar com o mínimo de tensão possível, através do equilíbrio dos músculos e do bom funcionamento de todas as estruturas envolvidas na visão.  “A questão é que se no passado nossa visão repousava à noite, hoje os estímulos são contínuos por conta da leitura, da TV e mesmo da iluminação ambiente”, explica a fisioterapeuta Marcela Guerreiro, que atua no Instituto Patrícia Lacombe, em São Paulo. O serviço é referência nacional em correção postural, técnica que apresenta resultados efetivos no tratamento da fadiga ocular.

Nas sessões ministradas nas Unidades do Instituto, fisioterapeutas devidamente habilitados ensinam os praticantes a se reconectar com seu próprio corpo, percebendo-o para poder promover mudanças definitivas. A técnica utilizada, a chamada Ginástica Holística (GH), atua no relaxamento e no equilíbrio da musculatura dos olhos, na melhoria da irrigação sanguínea da região. “Promovemos também, através de exercícios, a otimização da lubrificação da retina”, afirma Dra. Marcela. Além da eliminação dos sintomas da fadiga, há um ganho extra: a suavização das olheiras.

Para os que já fazem uso de óculos, o método é mais que eficaz. “Normalmente, essas pessoas projetam a cabeça para frente como se fossem em busca do objeto observado. Isso gera dor de cabeça e contratura em toda a região dos ombros e do  pescoço. Com a GH, resgatamos o arranjo original do corpo”, conclui a fisioterapeuta.

CONFIRA AS DICAS DE EXERCÍCOS DA DRA. PATRÍCIA LACOMBE:

O Piscar

Sempre que possível, pisque os olhos. O piscar é um movimento natural que age no relaxamento da musculatura ocular e lubrifica a região.

Palming

O movimento traz relaxamento ativo para os olhos e é indicado principalmente para quem trabalha o dia todo frente ao computador. Pode ser feito a cada duas horas, pelo período de 5 minutos. Cubra os dois olhos com as duas mãos em concha, sem apoiar sobre os globos oculares. Com os olhos abertos exclua totalmente a luz - deve-se chegar à escuridão completa. No início, as pessoas vêem cores e movimentos que, aos poucos, desaparecem até atingir o escuro total - momento no qual começa o trabalho reparador.

Massagem da Órbita

Com a polpa do dedo indicador, massageie a órbita ocular ponto a ponto, de dentro para fora. A presença de pontos mais doloridos demonstra tensão muscular. Faça em um olho e, em seguida, compare ao outro.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica