Cuidadando do portador de Alzheimer Macapá, Amapá

E pouco usual disponibilizar estrutura para os familiares ou contratados para cuidarem de quem está nesta situação.A carga emocional é muito forte, por isso, a ajuda ao responsável por cuidar do paciente torna-se importante . Aprenda Tecnicas para cuidar do doente e de voce.

Paulo Roberto Balbino
(96) 3223-0737
Avenida 13 - de Setembro 543
Macapa, Amapá
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Joana Silva Carvalho/Hemodiagnostico
700-0705
Av. Coaracyunes 890
Macapa, Amapá
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Sigma
(96) 3223-4188
av Ernestino Borges, 795
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Corpus Diagnostico Medicos
(96) 3223-1177
av Procópio Rola, 104 Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
L R Fernandes Garcia
(96) 3222-1645
av Ernestino Borges, 172, Laguinho
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
S C da Silva Lab Diagnose
(96) 223-4554
Av Raimundo a da Costa 336
Macapa, Amapá
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
José Carlos Esteves Gondim
(96) 3217-2200
Av. Raimundo Alvares da Costa 0000 - Posto da UNIMED
Macapa, Amapá
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
R. S. Amorim - Me
(96) 3217-0333
av Mendonça Júnior, 543, Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Sociedade Beneficiente Mae Luzia S/c Ltda
(96) 3224-3293
r Rondon,Gal, 577, Laguinho
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
M. T. R. Goncalves - Me
(96) 3222-2360
av FAB, 1835, Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Cuidadando do portador de Alzheimer

É comum realizar tratamentos em pessoas que estejam com algum tipo de doença. Entretanto, é pouco usual disponibilizar estrutura para os familiares ou contratados para cuidarem de quem está nesta situação. Esse trabalho é feito pela psicóloga Ana Margarida de Castro Teixeira no projeto intitulado: "cuidando do cuidador de um paciente de Alzheimer", reunindo informações sobre a doença, suas repercussões, técnicas de relaxamento, suporte emocional para a família e aquele que cuida do paciente, visando fortalecê-los no acompanhamento de cada fase da doença.

A doença de Alzheimer ou DA, é degenerativa e progressiva e era erroneamente chamada de "caduquice" ou "esclerose". Ela é uma forma de demência devido à morte das células cerebrais que produz atrofiamento do cérebro. "Em geral o início da doença passa despercebido. O paciente começa a ter pequenos esquecimentos e os familiares fazem vistas grossas, ficando mais grave". Na maioria das vezes os primeiros sintomas são relacionados com envelhecimento e estresse. O sintoma mais notável é a perda de memória. "O processo se estabelece de forma lenta e gradual. A família se vê surpreendida porque a pessoa começa a ficar agressiva e com uma irritação acima do normal".

O tratamento ao paciente é fundamental, porém, o trabalho psicológico para as pessoas que estão ao seu redor é tão importante quanto. A carga emocional é muito forte, por isso, a ajuda ao responsável por cuidar do paciente torna-se importante . "Todo o seu processo de desenvolvimento envolve sofrimento emocional do doente e sua família. Sofrimento ao se deparar com as próprias falhas de memória que lhe causam constrangimento, por ver sua capacidade e sua independência nas tarefas cotidianas serem perdidas".

Esse trabalho de cuidar das pessoas ao redor do paciente é implantado pela Dra. Ana, que comenta como a situação é conduzida costumeiramente. "Os médicos apenas diagnosticam e encaminham o doente para um geriatra fazer o tratamento. Ninguém oferece um suporte para os familiares que necessitam deste cuidado".

Quando implantou o "grupo de cuidadores" percebeu que teve dificuldades para atrair aderentes. "Percebi que eles ficavam assustados quando criei o grupo. Até que introduzi uma técnica de relaxamento com palestras informativas e eles aceitaram melhor. Estavam ali não por eles, mas para conseguir um recurso a mais para cuidar dos pacientes". A psicóloga Ana Margarida identificou a necessidade de atenção à família que desde os primeiros sintomas da doença foi surpreendida por alterações de comportamento que não conseguiam entender, aceitar e tão pouco administrar na sua rotina do dia-a-dia. 

A técnica aplicada não se restringe apenas ao paciente. "O próprio familiar ou quem for cuidar faz em si próprio e no paciente. Às vezes a pessoa fica perdida em cuidar do doente. Fica assustada em procurar algo para si, o que é importante para melhorar o seu estado, que precisa estar bem emocionalmente para cuidar do paciente, já que o desgaste emocional é muito grande e o sofrimento de um familiar em ver alguém da família nesse estado também", finalizou a Dra Ana.

Ricardo Lopes

Sou um jornalista que gosta de escrever tudo que é de interesse público

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com