Conhecendo o Recursos Humanos educador Araraquara, São Paulo

Se o gerencial humanizou as corporações, o estratégico voltou a distanciá-las das pessoas, diante da preocupação com o negócio. O RH não é mais ou menos importante do que qualquer outra divisão dentro de uma companhia, mas igualmente relevante, dentro de uma visão sistêmica. São missões deste RH Educador promover a qualidade de vida, mediante refeições nutricionalmente balanceadas e campanhas permanentes de combate ao alcoolismo, tabagismo e outras drogas.

BANCO UNICO S.A
(11) 2852-5978
EUSEBIO MATOSO 891
SÃO PAULO, São Paulo
 
Crescer Crédito Solidário
(16) 3610-3627
r Garibaldi, 421, Centro
Ribeirão Preto, São Paulo

Dados Divulgados por
SEGURO E VIDA CORRETORA DE SEGUROS
(19) 9212-6967
RUA PINHAL Nº 199 NIELSEN VILLE
AMERICANA, São Paulo
 
Citifinancial Promotora de Negócios & Cobrança Ltda
(11) 3685-1258
r Nathanael Tito Salmon, 75, Centro
Osasco, São Paulo

Dados Divulgados por
Consultoria Financeira - São Bernardo do Campo, Diadema, São Caetano, Jundiaí, Campinas, Amer
(11) 3266-2841
Rua do Retiro, 177, Cj. 32
Jundiaí, São Paulo
 
MAG Gestão Empresarial & Tecnologia Ltda
(19) 3579-6246
rua professor nicolau marchini, 165 parque São Quirino
Campinas, São Paulo
 
FAEJ - Fundo de Apoio ao Empreendedor Joseense
(12) 3923-4363
r Vilaça, 476, Centro
São José dos Campos, São Paulo

Dados Divulgados por
Fininvest Negócios de Varejo Ltda
(11) 3434-2000
r Antônio Bernardo Coutinho, 165, Centro
Osasco, São Paulo

Dados Divulgados por
VOGEL FINANCE ADM. E PROMOTORA DE VENDAS LTDA
(11) 3941-7871
RUA ANGELO ROJAS, 146
SAO PAULO, São Paulo
 
Omni Sa Crédito Financiamento em Investimentos
(15) 3331-8090
r Cesário Mota, 90
Sorocaba, São Paulo

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Conhecendo o Recursos Humanos educador

"Necessário é que se reformem as instituições humanas. Isso depende da educação.
Não da educação que faz homens instruídos, mas daquela que forma homens de bem."
(Allan Kardec)
Primeiro foi o "RH Operacional", um velho conhecido dos profissionais da área. Trata-se do lendário DP, ou Departamento de Pessoal, berço dos recursos humanos, vinculado a questões meramente burocráticas. Um legado getulista, das conquistas perpetradas pela CLT e das garantias constitucionais.

Depois surgiu o "RH Gerencial", com foco nas pessoas, recebendo inclusive denominações como "talentos humanos" ou "gestão de pessoas". O intuito era valorizar o "capital humano" como grande diferencial competitivo.

Mais recentemente entrou em cena o "RH Estratégico", uma versão com título pomposo e finalidade de aproximar o departamento das decisões corporativas, deixando de ser mero coadjuvante.

Estas três visões de RH coexistem, embora o operacional, eminentemente técnico, viceje na maioria das empresas. Se o gerencial humanizou as corporações, o estratégico voltou a distanciá-las das pessoas, diante da preocupação com o negócio e o resultado traduzido pelo azul na última linha do balanço.

Ainda que harmonizar estes três papéis seja um caminho digno de ser perseguido, um quarto propósito necessita ser considerado. Eu o chamo de "RH Educador" e seu preceito básico é instruir os colaboradores não apenas para a empresa, mas para a vida.

A razão é simples. Educar para a empresa contempla o justo objetivo de buscar a lucratividade. E educar para a vida respeita os imperativos individuais e sociais, suprindo um vácuo há muito deixado pelas instituições públicas e continuamente absorvidas pelas organizações privadas.

São missões deste RH Educador promover a qualidade de vida, mediante refeições nutricionalmente balanceadas e campanhas permanentes de combate ao alcoolismo, tabagismo e outras drogas. Desenvolver competências técnicas, comportamentais, relacionais e valorativas através de programas de treinamento em todos os níveis hierárquicos. Estimular atividades culturais e práticas de responsabilidade socioambiental. Ensinar planejamento financeiro para o bom equilíbrio do orçamento familiar. E estes são apenas alguns exemplos.

O RH não é mais ou menos importante do que qualquer outra divisão dentro de uma companhia, mas igualmente relevante, dentro de uma visão sistêmica. Porém, é o único que pode ser o esteio de transformações edificantes, porque não usa cimento e areia, números e dados como matéria-prima, mas corações e mentes.

Sobre o Autor

Tom Coelho é consultor, professor universitário, escritor e palestrante. Diretor da Lyrix Desenvolvimento Humano, Diretor Estadual do NJE/Ciesp e VP de Negócios da AAPSA.


Artigos.com