Conheça o sistema de rastreamento de carne São José dos Pinhais, Paraná

A pressão internacional acerda da procedência da carne provocou intensificação na fiscalização do setor pecuário. Compreenda os motivos que impulsionam o rastreamento da carne. "É crucial, para a credibilidade do produtor e para a confiança do consumidor", destaca o autor.

Jatoindo Transportes de Mudanças
(41) 3398-5880
r Alexandrino,Alm, 2550, Afonso Pena
São José dos Pinhais, Paraná

Dados Divulgados por
AWr Mudanças
(41) 3383-6643
r João M Martins Cordeiro, 790 Boneca Do Iguaçu
São José dos Pinhais, Paraná

Dados Divulgados por
ABC Mudanças Oliveira
(41) 3329-6106
r Antônio Lima Castro, 320 Portão
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Nowacki Mudanças
(41) 3378-4000
r Francisco Derosso, 4391 Alto Boqueirão
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
A Regional Mudanças
(41) 3344-4756
r Danilo Gomes, 1946 Boqueirã
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Jatoindo Mudanças & Transportes
(41) 3398-5880
r Carmem Miranda, 291 Afonso Pena -
São José dos Pinhais, Paraná

Dados Divulgados por
A Centro Sul Mudanças
(41) 3586-2081
r Marialva, 181, Ouro Fino
São José dos Pinhais, Paraná

Dados Divulgados por
Sul Brasil Mudanças e Transportes
(41) 3564-5126
r Ten Júlio Jacoboski, 720 Sítio Cercado
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Primícia Mudanças
(41) 3014-5968
r Waldemiro David Geronasso, 84 Boa Vista
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
K Caracol Mudanças
(41) 3248-4693
r Dep Neo Martins, 910 Novo Mundo
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Conheça o sistema de rastreamento de carne

A PECUÁRIA brasileira parece curvar-se, finalmente, à evidência manifestada pelo mercado doméstico e internacional há anos: não há mais lugar para a carne bovina de procedência duvidosa. Incapaz de livrar-se da acusação de ser o principal motor do desmatamento na Amazônia, o setor -liderado por seu segmento mais dinâmico, o exportador- promete um esquema para rastrear 30% do rebanho do país.

É crucial, para a credibilidade do produtor e para a confiança do consumidor, a capacidade de identificar, em qualquer ponto, todas as fazendas e instalações de processamento por trás de cada quilo de carne, por exemplo com chips implantados contendo os dados do animal. A chamada rastreabilidade é precondição para a fiscalização sanitária e ambiental.

Não é de hoje que produtores, frigoríficos e o governo devem aos compradores um sistema de rastreamento decente. A promessa descumprida vem pelo menos desde a crise da febre aftosa, que fechou vários mercados à carne brasileira -como o embargo russo, de 2005 a 2007.

Agora é o cerco ambiental que se aperta em torno da pecuária. Mobilizam-se o Ministério Público Federal, ONGs como Greenpeace e frigoríficos e redes de varejo, que anunciam boicote a produtos de fazendas onde supostamente houve desmate ilegal. Até o BNDES comunicou tratativas para exigir “providências no sentido de aumentar o controle da cadeia”.

A associação entre pecuária e desmate tem fundamento. De 1996 a 2006, pereceram 209 mil km2 de floresta amazônica, um território maior que o do Estado do Paraná. No mesmo período, o rebanho da Amazônia Legal cresceu 97%, muito acima do desempenho médio do país (10%).

Parte do setor agropecuário se recusa a enxergar o vínculo, refugiando-se na cômoda e pouco crível acusação de que se trata de um complô contra a pujança do produtor nacional. Se é óbvio que as suspeitas funcionam como barreira não tarifária à carne brasileira, ou que ONGs carregam nas tintas de suas denúncias, o melhor antídoto contra elas está em propiciar informação precisa e confiável, mostrando em quais casos as acusações são infundadas.

Preocupa, na promessa dos exportadores de rastrear 30% do rebanho, o prazo anunciado: três a quatro anos. O setor já consegue ver a onda montante no mercado consumidor, mas precisa andar mais depressa que ela.

Folha de São Paulo

Clique aqui para ler este artigo na Revista Ecoturismo