Conheça nova técnica para prótese mamária Manaus, Amazonas

Uma nova tecnica de implante mamario chega o brasil. Tebbetts desenvolveu uma técnica “ultra-rápida” de implante de prótese de silicone, que consiste em planejar, minuciosamente, todos os detalhes da cirurgia, para executá-la entre meia-hora e uma hora. Leia mais no artigo abaixo.

João BL Botelho
(92) 234-5609
bc Ribeiro, 520, sl 705, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
Wellington Sampaio
(92) 236-1672
r Acre, 31, bl 31 b ap 3, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
João LP Machado
(92) 232-4559
bc Ribeiro, 620, sl 203, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
Paulo MG Lobo
(92) 633-1764
r Ramos, 89, São José Operário
Manaus, Amazonas
 
Antônio Lg Matos
(92) 236-7505
av C Nery, 2240
Manaus, Amazonas
 
Roberto O Mello
(92) 232-3915
r C Azevedo, 9, sl 206
Manaus, Amazonas
 
Luciana SM Vieira
(92) 233-1878
r Ferreira, 1297
Manaus, Amazonas
 

Conheça nova técnica para prótese mamária

Partindo da idéia de que quanto mais rápida for a cirurgia e sua recuperação, mais cômodo e benéfico é para o paciente, o médico norte-americano Dr. John B. Tebbetts desenvolveu uma técnica “ultra-rápida” de implante de prótese de silicone, que consiste em planejar, minuciosamente, todos os detalhes da cirurgia, para executá-la entre meia-hora e uma hora. Dr. Tebbetts também foi o criador dos implantes anatômicos modelo 410 da Allergan, uma das principais fabricantes de próteses do mundo.

Com uma gama de tamanhos (diâmetro, altura e projeção) tão variados que pode-se adaptar à quase todos os tipos de mamas e assimetrias.

A técnica, denominada Dual Plane ou Duplo Plano foi desenvolvida visando prevalecer a regra número um em cirurgia de implante mamário, ou seja, a melhor e maior cobertura de tecidos ( pele, gordura, glândula mamária e músculo ) e consiste em colocar a prótese em um espaço em que ela seja quase impalpável externamente, que suas características (superfície, bordas, ondulações) não sejam aparentes com o passar dos anos (ou que estas sejam de menor ocorrência do que na técnica subglandular).

Desta forma, a prótese é colocada parcialmente abaixo do músculo peitoral maior e parcialmente abaixo da glândula mamária. Consegue-se assim benefícios de uma técnica (subglandular e submuscular) reduzindo alguns problemas das duas quando realizadas isoladamente. Uma grande variedade de pacientes pôde então se beneficiar com a técnica submuscular, restrita às pessoas que não apresentavam flacidez das mamas.

Mas não é somente na rapidez da cirurgia que consiste a técnica. Nela são utilizados procedimentos minuciosamente estudados para que a recuperação, que geralmente é de uma a duas semanas em repouso absoluto, possa ser de apenas um dia, com retorno rápido às atividades do dia-a-dia.

Mais de 96% dos pacientes retornam à sua vida normal entre o primeiro e o terceiro dia pós-operatório, sem modeladores, soutien ou enfaixamentos. Isso ocorre porque o espaço submuscular quase não possui vasos sangüíneos e, assim, o sangramento pós-operatório é extremamente difícil de ocorrer, além de a prótese ficar relativamente fixa, não importando a movimentação dos braços. A formação de líquido ao redor da prótese, em quantidade, (seroma) inexiste até o momento. Não são colocados drenos e não há pontos a serem retirados.

No Brasil, o cirurgião plástico Dr. Roberto Nunes, de Santa Catarina , vem utilizando a técnica com sucesso há quatro anos. “As minúcias e a técnica delicada na cirurgia diminuem o sangramento; com a prótese adequada, muito bem estudada antes da operação, faz com que a mama não receba uma prótese grande ou pequena demais e a cicatrização seja mais rápida, já que o trauma é bem menor”, afirma Nunes.

Segundo ele, a única proibição, por duas semanas, em média, é não molhar os curativos (também dependendo qual tipo é utilizado, esta proibição não existe). Ir à praia, dançar, elevar os braços está liberado desde o primeiro dia. São mais de 3,5 mil casos operados pelo autor da técnica desde 1992 e mais de 120 operados por este profissional cirurgião plástico.

Outra preocupação do cirurgião é em relação ao bem estar futuro da paciente. “Muitas vezes, elas vêm com uma preocupação imediata, sem muito pensar no amanhã. É importante nesta fase sermos bastante detalhistas e criteriosos, fazer um estudo completo para cada paciente e explicar a ela que, no futuro, daqui a 15, 20 anos, espera-se que a forma e a estética não se alterem em demasia.

É por isso que existem diversos tipos de próteses. Há as redondas, as anatômicas, de perfis baixos aos ultra-altos, por exemplo. Para cada paciente, deve-se ver qual é a melhor”, revela. De acordo com o médico, este estudo detalhado e bem explicado à paciente é que possibilitará a execução da técnica de forma adequada a ela, com a conseqüente satisfação no resultado imediato e também no futuro. A rápida recuperação e volta às atividades é uma conseqüência.

Nunes afirma também que o segredo da técnica não é o somente o tempo, já que a cirurgia e a recuperação mais rápida é o resultado de uma série de fatores. “É muito importante, como citei, estudarmos bem o caso.

Avaliar a paciente na sua realidade ímpar e, o tipo de prótese mais indicada. Respeitar os limites da mama, da anatomia de seu corpo. Realizar a cirurgia com destreza, localizando da forma mais perfeita a incisão, a colocação da prótese no lugar mais adequado diminuindo ao máximo o trauma pelo descolamento delicado com pinças apropriadas para obter o resultado ao qual o Dual Plane ou Duplo Plano se propõe: um pós-operatório com mínimas intercorrências, reoperações ínfimas e, maior satisfação longo prazo”, finaliza Dr. Roberto Nunes.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica