Conheça a história de Auschwitz Formosa, Goiás

Confira o significado histórico de Auschwitz. Rubens Valente descreve com era a antiga sala dos prisioneiros. Ele comenta sobre os aspectos desse prédio que hoje abriga exposições.

62-3661-4938 - Escritorio de advocacia criminal civil
(62) 3661-4938
Rua 10 - 250 - sl 104 - St Oeste - Ed trade Center
Goiania, Goiás
 
José Carlos dos Reis, Dr
(62) 3584-2166
r José Cândido Queiroz Q 24, s/n lt 7 sl 12 e 13, S Central
Aparecida de Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Advogados Associados Ramos & Santhomé
(62) 3215-8961
av Republica Libano, 2417 Ed Paladium S 505, Setor Oeste
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Márcio Roberto da Costa Barbosa
(62) 3277-6483
av Alvorada Q 11a, s/n lt 26 s 2, Cj Cruzeiro do Sul
Aparecida de Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Edson Veras Advocacia Trabalhista
(62) 3942-5356
av Goiás 178 - 06 sl 602, Ed São Judas Tadeu, Centro
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Tonindadel e Costa Advogados S/S
(62) 3285-1212
av T 1, 998, St Bueno
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Maria José da Silva
(62) 3289-0714
r Jassyendy Q 46, s/n lt 1E2 c 3, Jd Helvecia
Aparecida de Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
62-3661-4938 - Advocacia Associados Correspondentes Goiânia - Goias GO
(62) 3661-4938
Rua 06 - 211 - Centro
Goiania , Goiás
 
Ordem Jurídica Advogado
(62) 3584-2191
av NS Auxiliadora Q 19, s/n lt 3 s 8, S Central
Aparecida de Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Carneiro Advocacia e Associados
(62) 3224-7481
av Goiás, 606 An 3 S 308/309 Ed Minas Bank, Setor Central
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Conheça a história de Auschwitz

Quando o químico italiano Primo Levi -que muito mais tarde receberia o prêmio Nobel de Literatura- foi entregue ao campo de concentração de Auschwitz, no final de 1944, após uma jornada desumana de quatro dias de sede, fome e frio, ele e seu grupo foram deixados numa sala com uma torneira.

Um aviso em alemão, pintado na parede, proibia os prisioneiros de beber a água imprestável, cheirando a pântano.

Levi narrou em “É Isto Um Homem?”: “Isto é o inferno. Hoje, em nossos dias, o inferno deve ser assim: uma sala grande e vazia, e nós, cansados, de pé, diante de uma torneira gotejante mas que não tem água potável, esperando algo certamente terrível, e nada acontece, e continua não acontecendo nada. Como é possível pensar? Não é mais possível; é como se estivéssemos mortos”.

Para quem acabara de ler o livro no trem da Deutsche Bahn que leva a essa cidadezinha no sul da Polônia, foi notável ver na parede de um dos antigos dormitórios dos prisioneiros, desenhadas há quase sete décadas, palavras idênticas.

Em Auschwitz, o tamanho impressiona. Visto de longe, o campo de concentração principal lembra um quartel. A percepção muda na entrada, que mantém as letras de ferro que dizem: “O trabalho liberta”.

Como o visitante vê nas provas exibidas pelo museu -como centenas de latas usadas nas câmaras de gás-, nunca se tratou de trabalho, mas de uma política de extermínio colocada em prática primeiro pela fome e pelas execuções, depois pelas doenças e, por último, pelas câmaras de gás.

Permanecem intactos a câmara do forno crematório da construção principal. No chão, sempre há flores levadas pelos visitantes. Alguns dos antigos blocos de prisioneiros agora abrigam exposições de arte permanentes e temporárias.

O museu descreve que 1,1 milhão de prisioneiros foram executados em Auschwitz entre 1940 e 1945 - e, 90% deles, eram de origem judaica.

Rubens Valente
da Folha de S.Paulo, em Berlim

Clique aqui para ler este artigo na Revista Ecoturismo