Compreendendo as estratégias do jogo supreme commander Porto Seguro, Bahia

Conheça as estratégias desse emocionante jogo. Supreme Commander é um jogo de estratégia em tempo real produzido pela Gas Powered Games, onde se irá passar imensas batalhas, numa guerra avassaladora. Aprenda mais no artigo abaixo.

Insix Soluções Inteligentes Ltda
(71) 3414-9868
r Altino Serbeto de Barros, 173, Sl 1604, Pituba
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Brasil Software e Soluções Empresariais Ltda
(75) 3221-6114
av Getúlio Vargas, 229, An 1 Sl 110, Centro
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
M.s. - Comercio e Assistencia Tecnica, Celulares, Computadores Ltda
(75) 3225-2747
r Rui,Int, 95, Kalilândia
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
Chipnet Computadores Ltda
(71) 3341-0668
av Manoel Ribeiro,Prof, 1292, Armação
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Alge Tecnologia Insdustrial e Comércio Ltda
(71) 3272-3504
r Edistio Pondé, 353, An 7 Sl 710, Stiep
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Wicasame Consultoria em Tecnologia da Informação Ltda ME
(71) 3351-6972
al Algarobas, 85, Sl 6, Caminho das Árvores
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Engecomp Tecnologia em Software Comércio e Serviços Ltda
(71) 3359-4660
al Genova, 239, Pituba
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Sic Informatica Ltda Me
(75) 3221-0994
av Sampaio, 671, Centro
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
Purarts Internet
(75) 8198-2957
São Lázaro 63º
Santo Antonio de Jesus, Bahia
 
Toner Laser Comércio e Serviços de Informática Ltda EPP
(71) 3172-7790
r Ceará, 944, Pituba
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Compreendendo as estratégias do jogo supreme commander

Supreme Commander é um jogo de estratégia em tempo real produzido pela Gas Powered Games, onde se irá passar imensas batalhas, numa guerra avassaladora. Estamos cerca de 2000 anos no futuro e a galáxia não conhece paz há um milénio. A antiga hegemonia da United Earth Federation é contestada pelos Aeon Illuminate e pela Cybran Nation, duas facções descendentes da raça humana mas que se viram descriminadas e rejeitadas pelo governo central, levando-as ao exílio e posterior contra-ataque. A sensação de que estamos perante um simulador futurista de wargames sobressai com a magnitude dos cenários e das unidades, que se digladiam em inúmeras frentes de batalha. Isto sempre sob o nosso olhar atento, nos mais diversos níveis de zoom. Começamos com um ACU, uma unidade poderosíssima, com capacidades bélicas e construtoras, um verdadeiro palco de guerra ambulante. A partir dele construímos as nossas primeiras unidades e estruturas, definindo à partida os próximos passos. A "economia" de Supreme Commander é composta por duas matérias, uma prima e uma gerada. Recolhemos Mass e produzimos energia, não havendo limites de recolha. A partir daqui é preciso equilibrar a oferta e a procura de forma a que não estagnem, destruindo esse frágil equilíbrio. As características das unidades variam de facção para facção, em que a unidade semelhante entre duas facções possuem características distintas, como por exemplo numa facção a unidade ter mais poderio de ataque e na outra facção a unidade ter mais mobilidade. A interface de Supreme Commander é competente ao máximo, permitindo uma panóplia de comandos, nunca nos deixando indefesos contra qualquer situação. Onde a rapidez de se encontrar o desejado e a simplicidade das acções estão dispostos de uma forma organizada. Outro ponto bem criado no jogo é o transporte das nossas unidades de batalha para reforçar o batalhão. O transporte é feito de uma forma rápida e assim não será necessário esperar uma eternidade até que os elementos cheguem ao campo de batalha. No modo de jogo a solo existem alguns aspectos menos favoráveis ao jogo. Que é o facto de as missões já virem desenhadas com demasiadas frentes de batalha. Outro aspecto menos aliciante é a inteligência artificial, pois por vezes as unidades não fazem aquilo que pretendemos o que torna um pouco difícil de as domar. È no modo Multi-player que o jogo compensa todas as outras pequenas falhas. Aqui, além das diversas condições de vitória que podem ser configuradas antes de cada jogo, o homem substitui a máquina e a previsibilidade dá lugar a intensas maquinações de massa cinzenta, que podem ser comunicadas por mensagens ou voz nas batalhas por equipas. Tecnicamente, Supreme Commander é um jogo arrebatador, mesmo não sendo gráfica ou sonoramente soberbo. O sistema de partículas e física em tempo-real, onde cada projéctil pode ver a sua rota interrompida, é capaz de nos deliciar com os eventos mais aleatórios e consequentes que possam imaginar.

Supreme Commander é um jogo de estratégia em tempo real produzido pela Gas Powered Games, onde se irá passar imensas batalhas, numa guerra avassaladora.

Estamos cerca de 2000 anos no futuro e a galáxia não conhece paz há um milénio. A antiga hegemonia da United Earth Federation é contestada pelos Aeon Illuminate e pela Cybran Nation, duas facções descendentes da raça humana mas que se viram descriminadas e rejeitadas pelo governo central, levando-as ao exílio e posterior contra-ataque.

A sensação de que estamos perante um simulador futurista de wargames sobressai com a magnitude dos cenários e das unidades, que se digladiam em inúmeras frentes de batalha. Isto sempre sob o nosso olhar atento, nos mais diversos níveis de zoom.

Começamos com um ACU, uma unidade poderosíssima, com capacidades bélicas e construtoras, um verdadeiro palco de guerra ambulante. A partir dele construímos as nossas primeiras unidades e estruturas, definindo à partida os próximos passos.

A "economia" de Supreme Commander é composta por duas matérias, uma prima e uma gerada. Recolhemos Mass e produzimos energia, não havendo limites de recolha. A partir daqui é preciso equilibrar a oferta e a procura de forma a que não estagnem, destruindo esse frágil equilíbrio.

As características das unidades variam de facção para facção, em que a unidade semelhante entre duas facções possuem características distintas, como por exemplo numa facção a unidade ter mais poderio de ataque e na outra facção a unidade ter mais mobilidade.

A interface de Supreme Commander é competente ao máximo, permitindo uma panóplia de comandos, nunca nos deixando indefesos contra qualquer situação. Onde a rapidez de se encontrar o desejado e a simplicidade das acções estão dispostos de uma forma organizada.

Outro ponto bem criado no jogo é o transporte das nossas unidades de batalha para reforçar o batalhão. O transporte é feito de uma forma rápida e assim não será necessário esperar uma eternidade até que os elementos cheguem ao campo de batalha.

No modo de jogo a solo existem alguns aspectos menos favoráveis ao jogo. Que é o facto de as missões já virem desenhadas com demasiadas frentes de batalha. Outro aspecto menos aliciante é a inteligência artificial, pois por vezes as unidades não fazem aquilo que pretendemos o que torna um pouco difícil de as domar.

È no modo Multi-player que o jogo compensa todas as outras pequenas falhas. Aqui, além das diversas condições de vitória que podem ser configuradas antes de cada jogo, o homem substitui a máquina e a previsibilidade dá lugar a intensas maquinações de massa cinzenta, que podem ser comunicadas por mensagens ou voz nas batalhas por equipas.

Tecnicamente, Supreme Commander é um jogo arrebatador, mesmo não sendo gráfica ou sonoramente soberbo. O sistema de partículas e física em tempo-real, onde cada projéctil pode ver a sua rota interrompida, é capaz de nos deliciar com os eventos mais aleatórios e consequentes que possam imaginar.

Luiz Soares

Luiz Soares, formando em Engenharia pela UNICAMP, editor do Jogos Online Gratis , Jogos de Carros e Jogos de Vestir

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com