Como apresentar melhor suas idéias Aracaju, Sergipe

A apresentação de uma idéia, para ser bem aceita, necessita de observação de alguns fatores, como a preparação de quem a transmite e as possíveis resistências do receptor. Neste artigo citaremos a importância de criar, apresentar, avaliar e modificar uma boa idéia. Veja mais no artigo abaixo.

Crafit Comunicacao e Publicidade Ltda
(79) 3215-1725
r Ananias Azevedo, 1181, Treze de Julho
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Edilson Pereira Santos Publicidades
(79) 3214-5054
r Porto da Folha, 850, Sl 3, Getúlio Vargas
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Maciel Comunicacao Ltda
(79) 3211-2006
r Diretora Maria Marques, 367, Stos Dumont
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Conceito Comunicacao Integrada Ltda
(79) 3211-1254
r Celso Oliva,Dr, 141, Treze de Julho
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Link Bagg Comunicação e Propaganda Ltda
(79) 3301-7693
r Francisco Duarte Ramos, 34, Jardins
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Inter Marketing e Propaganda Ltda
(79) 3041-8013
av Augusto Maynard, 144, São José
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Dpa Divisao de Propaganda e Acessorias Ltda
(79) 3211-6316
r Ananias Azevedo, 1181, Treze de Julho
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Henrique Jorge Costa
(79) 3211-8050
av Rio Branco, 86, Tr, Centro
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Agosto Comunicacao Integral Ltda
(79) 3214-4665
r Laura Fontes, 147, Sl A, Treze de Julho
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Bg Audio e Video Ltda
(79) 3217-6902
r Urquiza Leal, 1080, Centro Empresarial Alvorada Sl 116, Grageru
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Como apresentar melhor suas idéias

Não há idéia completamente descartável, assim como não há uma proposta 100% perfeita. Tanto as pessoas que querem apresentar suas idéias quanto aquelas que vão julgá-las precisam se livrar do mito de que uma boa idéia nasce perfeita.

Portanto, apresentar, avaliar ou modificar idéias é uma tarefa que requer tanta ou mais habilidade do que criá-las. Imagine a seguinte cena: um funcionário encaminha ao chefe uma idéia para o lançamento de um produto que, na opinião dele, irá revolucionar o mercado. Dedicou horas e mais horas de seu tempo livre para o estudo de viabilidade de seu projeto. Atente para o detalhe de que ele tomou a iniciativa, e em nenhum momento foi convocado para isso. Mas este profissional achou que de alguma forma poderia contribuir para a empresa. Pois bem, ao entregar a proposta, o seu chefe direto não dá a mínima importância e apenas responde: estamos em época de redução de custos e não de investimentos. Resultado: decepcionado, o funcionário sai da sala prometendo a si mesmo nunca mais contribuir em nada para a empresa. E, na maioria das vezes, acaba rotulando o chefe de pessimista, sem visão de futuro, autoritário e até invejoso.

Esta história poderia ter tido um final feliz? Vejamos… Em primeiro lugar, não houve alinhamento entre o foco da empresa naquele momento e a percepção do funcionário. Caso ele estivesse mais focado na redução de custos, provavelmente teria tido idéias para esse fim. Eventualmente, a idéia dele poderia ser uma oportunidade imperdível. Seu chefe poderia sugerir que ele aguardasse o momento adequado, o que, aliás, o próprio funcionário também poderá fazer. Isto se a resistências do chefe forem objetivas: ao expor ou avaliar uma idéia, as pessoas podem praticar um exercício muito simples: a prática do diálogo interno. Antes de vetar alguma iniciativa, basta checar a origem de suas resistências contra ela. E, para quem apresentou a idéia, procurar entender o tipo de resistência que a pessoa está oferecendo.

Quem apresentou a idéia pode refazer sua tática de apresentação: apresentei a idéia no momento e local certo? Havia condições para o chefe me ouvir? A idéia foi bem apresentada? Quem ouviu a idéia pela primeira vez pode se perguntar se estava aberto para o novo, se não deveria dedicar algum momento para a análise da idéia.

Mas ainda há esperança: se nada se perde, tudo se transforma, porque não adequar a idéia ao momento da empresa? Se os custos de implementação são altos, usemos a criatividade para diminuí-los ou achar financiamentos. Se a idéia é ambiciosa, podemos reduzi-la.

Estes foram exemplos corriqueiros da administração de uma idéia inicial, mas basta lembrar que toda idéia tem em si algum potencial a ser aproveitado, que uma nova e boa idéia sempre poderá surgir. Afinal, esta não é a história do post-it (a cola que não colava)? e da Coca-Cola (que também era remédio)? Consumidores e clientes estão sempre atrás de novidades. Portanto, é preciso criá-las. Consumidores e clientes também estão atrás de um bom custo-benefício, serviços interessantes, um algo mais. Assim, as empresas são forçadas a viver em constante mutação. É preciso ser pioneiro, arriscar e ser movido a sonhos. Mas também é preciso saber apresentar, avaliar e adaptar idéias.

30/01/09 | Artigos, Criatividade | Site do Autor