Cirurgias plásticas na adolescência Macapá, Amapá

O aumento da procura de jovens por cirurgias plásticas decorre da valorização excessiva da aparência e da padronização da beleza. Há um estímulo muito grande para que as pessoas se encaixem num padrão. Veja mais abaixo.

Zeneide Alves
(96) 3224-2425
av Pres Getúlio Vargas, 1062
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Clinica dos Olhos
(96) 3222-2131
r Cândido Mendes, 1299 ca A Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Clinica de Estetica Antonyelle
(96) 3222-5759
av Raimundo Álvares Costa, 998
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
News Estetica
(96) 3223-7799
av Mendonça Furtado, 1007
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Jose M Lobato
(96) 3223-3315
av Antônio Coelho Carvalho, 424 Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Med Center
(96) 3222-1231
r S José, 1704 Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Consultorio Dr Romerval
(96) 3222-5223
av 1de Maio, 192
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Clinica Dr Alexandre
(96) 3224-1776
av Dq de Caxias, 730
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Centro de Estetica Selma
(96) 225-2500
r Tiradentes, 308 Altos Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Mesoclin
(96) 3223-4248
av Procópio Rola, 2431 Santa Rita
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Cirurgias plásticas na adolescência

A globalização, a Internet, o padrão de beleza de Hollywood, as facilidades de pagamento e a massificação da indústria de cosméticos são apontados como os fatores para intervenções cada vez mais precoces...

Você provavelmente não vai estranhar se ouvir a história de que a filha de um casal de amigos pediu aos pais, como presente de aniversário de 15 anos, uma  lipoescultura, uma alteração no nariz e o aumento das mamas... Pois como este pedido está se popularizando entre as adolescentes, as festas de debutantes poderão estar com os dias contados.

Segundo no ranking mundial de cirurgias plásticas e referência quando o assunto é profissional especializado, o Brasil realizou, em 2006, 700 mil intervenções, 15% em adolescentes entre 14 e 16 anos, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). Esse índice ficava em torno de 5%, há 10 anos. As estatísticas apontam ainda que, do total, 70% mulheres e 60% eram operações estéticas.

A globalização, a Internet, o padrão de beleza de Hollywood, as facilidades de pagamento e a massificação da indústria de cosméticos são apontados como os fatores para intervenções cada vez mais precoces... “Mas para não deixar que um desejo juvenil se torne uma obsessão para muitas jovens que querem mudar tudo a qualquer custo, precisamos constatar se o corpo desta adolescente ainda pode sofrer alguma mudança e se há riscos para o seu desenvolvimento”, explica o cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada, em São Paulo.

“Lipoaspiração com menos de 16 anos é puro modismo ou ilusão que haverá uma mudança do contorno corporal muito grande. No caso das próteses mamárias, muitas vezes, não se leva em conta o risco do procedimento e o desenvolvimento da adolescente, que só deverá estar completo após 16 ou 18 anos. A intervenção nas mamas só deve ser feita precocemente em situações extremas, como malformações e assimetrias muito grandes”, explica o cirurgião plástico, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Segundo Ruben Penteado, “a rinoplastia também não deve ser feita antes dos 18 anos, a não ser por uma dificuldade respiratória causada, por exemplo, por um desvio de septo nasal. Esta é uma das  cirurgias que envolve um grande componente emocional, é a que tem maior impacto na auto-imagem”, diz.

O que eles querem mudar

De acordo com Ruben Penteado, embora alguns procedimentos cirúrgicos tenham indicação médica - como correção das chamadas orelhas em abano, retirada de cicatrizes -, a vaidade é a principal motivação dos jovens que optam pelas plásticas no país. Colocação de próteses mamárias, redução de seios e lipoaspiração estão entre os procedimentos mais procurados pelas meninas. Embora a demanda seja um pouco menor, a rinoplastia (cirurgia do nariz) é bastante procurada também.

No caso dos meninos, um dos problemas mais comuns é a ginecomastia, o aumento das glândulas mamárias decorrente dos hormônios da puberdade. “Nesse caso, apesar do incômodo, é melhor esperar passar dos 16 anos porque na maior parte das vezes a regressão ocorre sozinha. Uma cirurgia antes pode ser precipitada”, diz Ruben Penteado.

Expectativa x  resultados reais

O aumento da procura de jovens por cirurgias plásticas decorre da valorização excessiva da aparência e da padronização da beleza, um fenômeno mundial e global. É algo que afeta diretamente a adolescência, mas não é exclusiva dela. Há um estímulo muito grande para que as pessoas se encaixem num padrão. As diferenças, ao invés de serem valorizadas, são atacadas como um defeito.

“E o adolescente está muito mais vulnerável a esta pressão social, porque está em formação ainda, sob a influência da ditadura de comportamentos padronizados. A ansiedade de corresponder a esses padrões faz da cirurgia plástica uma forma mais rápida de conseguir o corpo sonhado. A adolescência é uma fase de urgência, em que tudo precisa ser muito rápido, por isto a orientação da família é tão importante”, destaca o diretor do Centro de Medicina Integrada.

As cirurgias plásticas em adolescentes têm de ser autorizadas pelos pais. A decisão precisa ser bem pensada, ainda mais quando o motivo é só estético. Se o resultado não for o que o adolescente espera, pode haver danos psicológicos. “O adolescente não tem preparo para suportar esse tipo de frustração. Cabe aos pais não deixar que o filho tome uma decisão tão importante por impulso", alerta o médico.

Mesmo se o jovem ficar empolgado com a idéia que tem sobre o  resultado da cirurgia, Ruben Penteado acredita que o jovem precisa ter maturidade para compreender as mudanças reais que acontecem no pós-operatório, somente assim ele saberá respeitar as orientações médicas antes de optar pela plástica.

Outra questão que precisa ser considerada é a baixa capacidade de frustração do jovem em relação a adultos, que já têm essa capacidade mais desenvolvida. “Se a cirurgia plástica não vier acompanhada de mudanças nos hábitos de vida, a cirurgia pode ser perdida rapidamente”, explica o médico.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica