Brasil lidera revolução da cirurgia plástica, diz "The Guardain" Manaus, Amazonas

Uma reportagem publicada pelo The Guardian afirma que o Brasil lidera a "plástica revolution". Cirurgia plástica há muito deixou de ser tabu na sociedade brasileira. Celebridades falam abertamente na imprensa sobre as suas respectivas cirurgias faciais, redução de rugas e levantadas no bumbum. Veja mais no artigo abaixo.

Luiz Carlos Cembrani
(92) 3659-3891
Av. Djalma Batista 1661 - Sl 1506/07 Medical Tower
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia Geral

Dados Divulgados por
Joacy da Silva Azevedo
(92) 3233-0022
Rua 24 - de Maio 220 9º Andarsala 902
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Dados Divulgados por
Felicidad Santos Gimenez
(92) 3233-9730
Rua Afonso Pena 589
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia Geral

Dados Divulgados por
Marcus Vinicius Bergo Coelho
(92) 3234-5214
Rua Acre 12 - 6º Andarsala 609
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia Geral

Dados Divulgados por
Joao Bosco Lopes Botelho
(92) 3234-5609
Av Eduardo Ribeiro 520 - Sl 705
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Dados Divulgados por
Neivaldo Jose Nazare dos Santos
(92) 3635-2862
Rua Acre 12 - 7º Andar sala 719
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia Geral

Dados Divulgados por
Mauro Giovanni Lippi Filho
(92) 3584-7805
Rua Acre Salas 414/416 12 - Ed. Cemon
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia Geral

Dados Divulgados por
Isaac Tayah
(92) 3248-1342
Rua Silva Ramos 1068
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia do Aparelho Digestivo

Dados Divulgados por
Suzete Gomes de Almeida
(92) 3622-9392
Av Eduardo Ribeiro 639 - Sala 401
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia Pediátrica

Dados Divulgados por
Ivan Tramujas da Costa e Silva
(92) 3233-9730
Rua Afonso Pena 589
Manaus, Amazonas
Especialidade
Cirurgia do Aparelho Digestivo

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Brasil lidera revolução da cirurgia plástica, diz "The Guardain"

Uma reportagem publicada nesta segunda-feira pelo diário britânico The Guardian sobre um congresso internacional de cirurgia plástica cosmética no Rio de Janeiro afirma que o Brasil lidera a "plástica revolution".

"Cirurgia plástica há muito deixou de ser tabu na sociedade brasileira. Celebridades falam abertamente na imprensa sobre as suas respectivas cirurgias faciais, redução de rugas e levantadas no bumbum", afirma a reportagem do jornal londrino.

O texto, assinado pelo correspondente Tom Phillips, do Rio de Janeiro, admite ser difícil encontrar números exatos para comprovar a extensão do fenômeno da "revolução" no Brasil, mas compara o número de cirurgiões plásticos registrados brasileiros (cerca de 4 mil) e americanos (5 mil).

A reportagem também compara as despesas de brasileiros e americanos com plásticas.

Em 2005, os americanos gastaram cerca de US$ 12,4 bilhões, de acordo com a Sociedade para Cirurgia Plástica Estética. De acordo com os médicos entrevistados para o Guardian, o Brasil não estaria longe disso.

A reportagem apresenta a explicação para a popularidade das plásticas no Brasil nas explicações do cirurgião João Carlos Sampaio Góes.

"O caso de amor com a plástica está fincado em três fatores: mentalidade, clima e legislação", diz o jornal.

"Guerra civil"
No noticiário internacional, um editorial do Financial Times destaca a complicada situação no Iraque, afirmando que o país está "mais próximo do que nunca de uma guerra civil aberta".

Nas palavras do editorialista, desde o dia em que o presidente americano, George W. Bush, declarou, em maio de 2003, que "a missão foi cumprida" no Iraque, "dificilmente houve um dia em que a realidade no Iraque não tenha sido pior do que o que foi anunciado e propagandeado por Washington e Londres".

O editorial afirma que o país está quebrado, "envolvido em uma guerra sectária que cobra em média cem vidas por dia", a produção de petróleo caiu para a metade dos níveis pré-guerra e há uma enorme fuga das classes média e alta do país, "sangrando o futuro do Iraque", segundo o FT.

O jornal conclui que "a melhor das más opções" disponíveis para os iraquianos é tentar aprovar uma série de anistias seletivas.

"É tentar separar os jihadistas dos insurgentes nacionalistas e atrair as milícias para o lado do governo. Pode não funcionar, mas a divisão do país tampouco funcionará", conclui o Financial Times.

Imigração
O britânico The Independent dedica um alto de página às declarações do ministro do Interior da Grã-Bretanha, John Reid, apoiando a idéia de uma quota anual máxima de imigrantes no país.

De acordo com a notícia do Independent, uma comissão consultiva de migração recomendaria um nível "ideal" de migração, que seria "benéfico para incrementar a economia deste país passo a passo com a estabilidade social".

Segundo o ministro do Interior, a criação de um órgão independente evitaria que as quotas de imigração sejam usadas como "futebol político".

Nas palavras de Reid, a migração em massa "é o maior desafiio diante dos governos europeus".

Na prática uma política mais rígida de controle de imigrantes afetaria principalmente cidadãos dos países recém-aceitos na União Européia, como a Romênia e a Bulgária.

Nos últimos anos, a Grã-Bretanha recebeu uma massa de poloneses e outros cidadãos do Leste Europeu, o que detonou a polêmica sobre a necessidade de impor limites também à imigração de europeus.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica