Aprenda a sair da inadiplência Apucarana, Paraná

Boa notícia! Segundo recente estudo realizado pelo Serasa, o volume de cheques devolvidos por falta de fundos, a cada mil compensados, caiu 1,9%, em todo o país. No entanto, temos que levar em conta que também ocorreu uma migração da inadimplência do cheque para outras formas de pagamento, como cartão de crédito e financiamentos. Leia mais no artigo abaixo.

Advocacia e Assessoria Nogueira & Triana Sc
(43) 3324-1128
av Higienópolis, 32, An 12 Sl 1201, Centro
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Impacto Segurança
(41) 3079-5979
r Alberto M Glasser, 1083
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Stormoski & Martins Advogados
(45) 3028-4939
Av. Juscelino Kubitschek, 469 - Sala 303
Foz do Iguaçu, Paraná
 
vcred
(43) 3266-1883
AV CICERO B RODRIGUES 512
NOVA SANTA BARBARA, Paraná
 
SOS
(41) 3342-3850
av 7 de Setembro, 5956 Batel
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Advocacia
(41) 3244-6413
av República Argentina, 919 cj 4 sl 4 Água Verde
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Advocacia Jefferson C. Assis & Advogados Associados.
(43) 3026-3250
av Paraná, 343, An 6 Sl 606, Centro
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Alexandre Hauly Camargo e Advogados Associados
(43) 3324-7380
av Caxias,Dq, 1980, An 9, Igapó
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Mussi e Advogados
(41) 3078-8888
r Vol da Pátria, 233 An 9º S 91
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Alfa Lider Segurança
(41) 3345-4557
r Prof Orlando Alves Chaves, 511 Portão
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aprenda a sair da inadiplência

Boa notícia! Segundo recente estudo realizado pelo Serasa, o volume de cheques devolvidos por falta de fundos, a cada mil compensados, caiu 1,9% no acumulado de janeiro a maio de 2008 em comparação ao mesmo período de 2007, em todo o país. No entanto, temos que levar em conta que também ocorreu uma migração da inadimplência do cheque para outras formas de pagamento, como cartão de crédito e financiamentos.

Neste contexto, percebemos a importância no preparo dos profissionais que atuam em telecobrança para tentar reverter o quadro. Afinal, quem gosta de vender e não receber?

Para saber como driblar está situação, entrevistei a coordenadora de cobrança Paula Rocha, da Santa Cruz Fomento Mercantil. As respostas de Paula nos ajudarão a administrar melhor o uso do telefone como importante ferramenta nos processos de cobrança. Obviamente, será preciso treinar pessoal e personalizar o processo de acordo com a necessidade de cada empresa.

Vamos às questões:

Paula, muita gente se sente constrangida em comparecer pessoalmente à empresa onde mantém débitos; por telefone elimina-se este fator?
Paula Rocha - O fator é eliminado parcialmente. Tanto ao telefone quanto pessoalmente, o profissional de cobrança deve ser muito maleável. Sem deixar que a emoção tome conta.

Algumas empresas estimulam os telecobradores a fazer ameaças ou assumir uma postura muito rígida. Isto é válido?
Paula Rocha - Os profissionais devem agir de forma ética, e a educação é o que deve prevalecer. Todas as empresas devem observar as normas contidas no código de Defesa do Consumidor Brasileiro.
Sendo assim, não podem expor o consumidor ao ridículo, sob pena de serem responsabilizadas pela prática de tais atos.
Se por acaso se sentir lesado, o consumidor tem todo o direito de procurar um Juizado Especial Civil (não é necessário ter advogado).

Para obter sucesso no processo de negociação, quais devem ser os objetivos?
Paula Rocha - Que favoreça os dois lados. É claro que se tem como objetivo o crédito sem perdas para a empresa de cobrança, porém deve-se levar em conta a boa vontade do consumidor em querer liquidar sua dívida, ou seja, temos que saber negociar de todas as maneiras.

Quais habilidades você julga necessárias para quem pretende trabalhar em telecobrança?
Paula Rocha - Além de todas as habilidades necessárias para lidar com o público, destacam-se duas, que são as principais: Bom senso e educação.

Qual deve ser a postura do telecobrador frente aos conflitos que eventualmente surgem num contato telefônico?
Paula Rocha - Ser ponderado, não deixar transparecer que também ficou "estressado" com a situação. Ter equilíbrio emocional para conseguir negociar e manter a calma.
Jamais intimidar o inadimplente, isso não é permitido em hipótese alguma. Afinal, você pode estar devendo mas não ser caloteiro. Aliás, caloteiras são pessoas que contraem dívidas sem a intenção de pagar, ou seja, um devedor profissional.

As pessoas gostam de receitas mágicas. Existe alguma?
Paula Rocha - Não, de forma alguma. Devemos usar nossas melhores "armas": o equilíbrio, o bom senso e, acima de tudo, a educação.
Os cobradores devem sempre agir com profissionalismo. Devem ser metódicos mas amigáveis, e nunca arrogantes ou duros em demasia, nem mesmo com aqueles que desafiam abertamente suas habilidades e posição.

Enfim, receber é tão importante quanto vender. Portanto, invista no treinamento de seus colaboradores para não transformarem clientes inadimplentes em inimigos, e você ainda continuar com um buraco no caixa.

Sobre o Autor

Sou jornalista, consultora e palestrante. Especialista no gerenciamento das relações entre empresas e clientes. Escrevo artigos e ministro cursos e palestras sobre atendimento, vendas, motivação e liderança.


Artigos.com