Aprenda a relacionar bem com as pessoas Santarém, Pará

É vista como a maneira pela qual a pessoa dirige a própria vida, relacionando-se bem com as pessoas, sejam elas difíceis ou fáceis de se lidar. Também, a maneira como a pessoa resolve as situações de sua vida, de modo a conseguir os resultados que deseja. Veja mais...

JK Prestadora de Serviços
(91) 3248-5202
al 16, 89 c A
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Qualifica Serviços de Recursos Humanos
(91) 3227-5266
tv S Roque, 153 an 1
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Dinamika RH
(91) 3226-0623
r Antônio Barreto, 1127 to S
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Terceiriza Recursos Humanos
(91) 3242-6574
av Sen Lemos, 247 ap 102
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Talent
(91) 3224-5468
r Domingos Marreiros, 49 sl 309
Belém, Pará

Dados Divulgados por
KS RH Serviço de Terceirização
(91) 3224-0943
av Nazaré, 272 sl 107
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Safety do Brasil Assessoria e Treinamento
(91) 3245-4552
av 3 Corações, s/n
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Plenu RH
(91) 3236-3307
av José Bonifácio, 382, São Brás
Belém, Pará

Dados Divulgados por
BMW Assessoria e Planejamento Ltda
(91) 3222-8918
tv D Romualdo Seixas, 858
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Catho Consultoria em Recursos Humanos
(91) 3257-8792
r Sto Amaro, 66, Maracangalha
Belém, Pará

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aprenda a relacionar bem com as pessoas

Inteligência Emocional

Por Mirella G. B. de Castro

É vista como a maneira pela qual a pessoa dirige a própria vida, relacionando-se bem com as pessoas, sejam elas difíceis ou fáceis de se lidar. Também, a maneira como a pessoa resolve as situações de sua vida, de modo a conseguir os resultados que deseja.

A inteligência emocional depende da capacidade intelectual, da flexibilidade mental, da determinação, do bom estabelecimento de objetivos e, principalmente, do bom equilíbrio emocional.
Importante também, é o interesse que se tem pelas outras pessoas.

1. Saber que cada um é um e, tem seu próprio modo de ser, de interpretar os fatos e, de armazenar suas experiências de vida.

2. Aquilo que é bom para mim, pode não ser bom para o outro e, mesmo assim, podemos perfeitamente, manter um relacionamento produtivo e adequado.

3. Saber validar o ponto de vista do outro, mesmo que seja totalmente diferente do meu; quando falo em validar, não significa concordar e mudar minha opinião, mas simplesmente compreender que a outra pessoa pensa de outro modo.

4. Compreender que nosso poder está no momento presente, aquilo que fizermos agora, vai influenciar acontecimentos futuros, quer nos levando para onde queremos chegar ou, nos afastando de nossos objetivos.

5. Aproveitar experiências passadas tirando das mesmas, um aprendizado, quer tenham elas sido boas ou inadequadas. Com isso, podemos reformular nossas estratégias de ação, no sentido de atingir nossas metas de maneira eficiente e compensadora.

6. Treinar nossa percepção e nossa acuidade sensorial, para cada vez mais podermos detectar qual o estado interno da pessoa com quem estamos nos relacionando no momento.

7. Muito importante é assumirmos a responsabilidade sobre aquilo que não deu certo, ou mesmo com relação àquilo que me incomodou. Vou dar um exemplo: "se alguém com quem convivo, insiste em agir sempre de um modo desagradável para mim, devo pensar e descobrir o que eu estou fazendo ou deixando de fazer, que dá espaço para que o outro continue com esse mesmo comportamento que me aborrece". Fazendo isso, estou crescendo como pessoa e investindo em minha maturidade.

8. Colocar-se no lugar da outra pessoa no relacionamento, é uma chave que abre muitas portas.

9. É importante realizar, que tudo aquilo que na infância pode ter me traumatizado ou incomodado, nem sempre incomodaria alguém com outra personalidade, portanto com outro modo de absorver e armazenar tais fatos. Mesmo quando pais ou professores ou mesmo parentes, tiveram papel decisivo no trauma, na realidade eles não agiram com o intuito de traumatizar ou magoar estavam, com a certeza de estar educando ou corrigindo um comportamento nosso considerado por eles, como inadequado.

Os pais fazem o melhor que podem, com os recursos de que dispõem, com o aprendizado que receberam, sabendo que não existe um curso regular que nos ensina a como criar filhos, da maneira menos traumática possível.

Concluindo, importante que fique bem claro, que se guardamos mágoa e ressentimento, estamos abrindo um caminho e um campo fértil, para a doença física e o bloqueio do crescimento pessoal.

Clique aqui para ler este artigo na Portal CMC