Aprenda a estimular sua Criatividade Brasília, DF

Para estimularmos a criatividade necessitamos aprender a questionar o porquê das coisas.Exemplo?Saiba porque os táxis na Inglaterra são obrigatoriamente altos e porque as moedas são redondas!

Mendes Júnior Trading e Engenharia S/A
(61) 3321-2244
SAS, s/n, Qd 5 Bl N Ed OAB An 11 Sl 1101, Asa Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Adecco Top Services RH S/A
(61) 3272-2454
SCRN 706/707 Bloco E, s/n, Lj 18, Asa Norte
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
KPMG Auditores Independentes
(61) 2104-2400
qd SBS Quadra 2, s/n, Sn Bl Q Lt 3 An 7 Sl 708, St Bancário Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Sebrae Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
(61) 3348-7100
SEPN-515, s/n, Bl C An 3 Lj 32, Asa Norte
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
TCBR - Tecnologia e Consultoria Brasileira S/A
(61) 3347-0088
SCRN-704/705, s/n, Sn Bl H Lj 33, Asa Norte
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Accenture do Brasil Ltda
(61) 3039-8620
SHS Quadra 6, s/n, Bl E Sl 817, Asa Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Aeronet Informática e Representação Ltda
(61) 3223-7475
SRTVS, 701, Bl O An 4 Sl 413, St Rádio Tv Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Dinamize
(61) 3274-1172
CLN 113 Bl C, s/n, Sn Sl 203, Asa Norte
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Birô de Comunicação Marketing e Eventos Ltda
(61) 3964-3363
SCS Quadra 7, s/n, Sn Bl O An 20 Sl 230, Asa Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Birô de Comunicação Marketing e Eventos Ltda
(61) 3964-3363
SCS Quadra 7, s/n, Sn Bl O An 20 Sl 230, Asa Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aprenda a estimular sua Criatividade

Você sabe porque os automóveis para táxis na Inglaterra são obrigatoriamente altos? Para dar espaço para as cartolas dos passageiros. Sabe porque as moedas são circulares? Porque em algum momento da história da humanidade fabricava-se moedas com materiais quebradiços. A forma de círculo ajudava, portanto a evitar que os cantos quebrassem.
Acontece que os carros não precisam mais ser altos, nem as moedas circulares, mas eles simplesmente continuaram a ser como eram.

Não estamos habituados a questionar porque as coisas são como são. Segundo Edward de Bono, especialista em Criatividade, padecemos de uma espécie de continuísmo mental, o que dificulta nossa percepção de oportunidades para melhorias.

Uma boa forma de percebermos possibilidades de mudanças é justamente enfrentarmos as fontes de continuísmos e nos desafiarmos a pensar em alternativas.

Veja os tipos mais freqüentes de continuísmos:

Negligência

Nossa mente aprendeu a resolver problemas, e deixa de perceber o que não incomoda. Desta forma, tudo que ainda não virou problema tende a ser negligenciado. Pior ainda, a negligência é prima irmã da arrogância: sempre que estamos satisfeitos com nosso trabalho ou produto, deixamos de aprimorá-los.

Seqüência

Como as moedas e os automóveis ingleses, há inúmeros procedimentos, acessórios, cores e formatos que nunca foram modificados. Mas eles precisam mesmo ser assim?

Dependência

Acontece quando a evolução de certos produtos ou procedimentos depende de fatores ou instituições que são vistos como atravancadores. Podemos entretanto usar nossa criatividade também para contornar os fatores. Digamos que você teve uma idéia cuja implementação é cara. Mas...Precisa parar por aí? Que tal gerar idéias para reduzir os custos de implementação?

Complacência

É o famoso "deixa quieto". Acontece quando nos submetemos a crenças para deixar de criar, ou de lutar para que inovações sejam feitas. Você já ouviu frases como "o mercado não está preparado", "é inviável". Questione-as também.

Quer gerar idéias? Olhe ao seu redor e pergunte-se: Onde está a negligência? (e a seqüência, a dependência, a complacência?) Pergunte-se também "E se...?", "Por que isso é como é?", "Dá para fazer diferente?" Pergunte-se principalmente "Por que não?"
Você vai amar as respostas.

Sobre o Autor
Gisela Kassoy é especialista em Criatividade e Inovação e atua com consultoria, palestras, seminários e como facilitadora de grupos de geração de idéias.

Artigos.com