Aprenda a combater as estrias na adolescência Macapá, Amapá

Resultado da ruptura das fibras de colágeno e elastina nas camadas profundas da pele, a estria é hoje uma das principais queixas dos adolescentes. Em pessoas com predisposição familiar, a pele pode não suportar o intenso estiramento da pele causando assim as estrias. Veja mais no artigo abaixo.

Academia de Tênis de Itabirito Ltda
(313) 561-2884
r 7 Lagoas, 310
Itabirito, Minas Gerais
 
Celma C A Barbosa
(99) 524-7605
r Ceará, 576, Timbira Shopping Lj 45, Centro
Imperatriz, Maranhão
 
Embreex Ind Com Ltda
(47) 351-4660
r Cerâmica Reis, 850
Brusque, Santa Catarina
 
Crystal Sport Center
(41) 369-3613
rdv BR, 3944, Cta Pngua
Curitiba, Paraná
 
Alô Inter
(71) 334-1140
r Osvaldo Cruz, 36, ap 101
Salvador, Bahia
 
São Paulo Center
(115) 073-3343
Av Miguel Stéfano, 2800, Saúde
São Paulo, São Paulo
 
Clercio Coelho
(313) 225-6848
av C Colombo, 525, d
Belo Horizonte, Minas Gerais
 
Grêmio Recreativo Escola de Samba São Clemente
(212) 580-2121
av Brasil, 993, S Cristóvão
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
 
Clube do Laço de Jussara
(62) 373-2373
av Marechal Rondon
Jussara, Goiás
 
Planet Ball
(113) 681-3388
r José Azevedo Minhoto,Prof, 91, Vila Quitaúna
Osasco, São Paulo
 

Aprenda a combater as estrias na adolescência

Resultado da ruptura das fibras de colágeno e elastina nas camadas profundas da pele, a estria é hoje uma das principais queixas dos adolescentes que procuram as clínicas de estética.

A adolescência é marcada por muitas transformações físicas, principalmente o rápido crescimento corporal. Em pessoas com predisposição familiar, a pele pode não suportar esse intenso estiramento, originando uma espécie de rasgo: é a estria. Isso explica a predileção dessa vilã da beleza nas áreas do corpo mais sujeitas a tração: bumbum, quadril, coxas, seios, barriga, região lombar e atrás dos joelhos.

Assim que surgem, as estrias são avermelhadas, situadas um pouco acima ou no mesmo nível do restante da pele; lembram pequenos arranhões e são frequentemente acompanhadas de coceira. Nesse período, o organismo manda bastante sangue para a região afetada na tentativa de reverter o quadro. Se o tratamento não for instituído nessa fase, o processo se perpetua até a formação de uma cicatriz esbranquiçada e funda, quando a cura já não é mais possível.

Mas nem tudo está perdido! Com os avanços na área da dermatologia estética, é possível amenizar estrias brancas (antigas) e até mesmo reverter completamente as vermelhas. No Centro Avançado em Medicina e Estética, as médicas Hosana Reis e Flavia Maia utilizam técnicas de peeling químico com ácidos (glicólico, retinóico), intradermoterapia e carboxiterapia, obtendo excelentes resultados no tratamento dessa alteração cutânea.

Dúvidas freqüentes

1. Minha mãe tem estrias. Eu também vou ter?
É bastante provável que você venha a tê-las, pois o componente genético é muito importante no desenvolvimento das estrias.

2. Malhar causa estrias?
Não necessariamente. Mas é bem verdade que o estiramento que a pele sofre durante a prática pode levar ao aparecimento das marquinhas.

3. Por que os homens têm menos estrias?
A transformação corporal na adolescência é menos intensa que nas mulheres. Além disso, os hormônios femininos enfraquecem as fibras de colágeno, facilitando sua ruptura.

4. Minha mãe disse que quando eu menstruar a 1ª vez, não devo coçar o bumbum para não ter estrias. É verdade?
Não. A coceira tem a ver com o surgimento das estrias e o ato de coçar não interfere na sua evolução.

5. Qual o melhor momento de tratar?
Sem dúvida alguma, na fase que se encontram avermelhadas, isto é, recentes. As chances de cura são bem maiores.

6. O sol ajuda a disfarçar estrias?
Definitivamente não. Como se tratam de cicatrizes, não possuem melanina (o famoso pigmento que dá cor à pele) e, portanto, não se bronzeiam como a pele normal, ficando mais evidentes.

7. Existe prevenção?
Felizmente, sim! Tomar bastante água, usar um bom hidratante, além de evitar grandes variações de peso ( efeito sanfona) ajudam a manter sua pele lisinha e livre de estrias.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica