Analise a democratização da criatividade e da produção de filmes Porto Seguro, Bahia

Confira a opinião do cineasta Spike Lee sobre a democratização dos filmes. Inês Figueiró destaca a facilidade tecnológica na produção cinematográfica. Analise a disponibilidade de geração de conteúdo por parte de usuários não graduados em cinema.

Telefort
(71) 3321-1315
r Carlos Gomes, 265 sl 402 Dois de Julho
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Softh Call Center
(71) 3461-4051
r Clemente Mariani, 64 lj 5 Boca do Rio
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Américo Fascio Lopes
(71) 3242-2777
r Portugal, 3 s 208 Comércio
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Compuvox
(71) 2102-7600
av Alm Marques Leão, 8 Sl 204 BARRA
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Silles Comércio Rep e Serv Ltda
(71) 3255-1031
r Thomaz Gonzaga, 94 ss Lj Pernambués
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
IT Integration Solucoes em Tecnologia
(71) 3341-0494
av Tancredo Neves, 1283 Ed. Empresarial Omega, Sala 802 Caminho das Árvores
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Psiu Servicos de Telemarketing Ltda
(71) 3276-6666
av João VI,Dom, 108, An 1, Brotas
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Call Service Sistemas de Comunicação
(71) 3330-9000
r Lucaia, 295 s 404 Rio Vermelho
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Ativa Call Center Consultoria
(71) 3254-1000
r Portugal, 7 an 1 Comércio
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Ativa Call Center Consultoria Ltda
(71) 3242-4230
r Portugal, 7, Ed Status An 1, Comércio
Salvador, Bahia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analise a democratização da criatividade e da produção de filmes

O cineasta Spike Lee, presente no Festival Internacional de Publicidade, em Cannes, destacou que as facilidades tecnológicas de hoje permitem a qualquer um fazer um filme, o que rompe com a ditadura da dependência de grandes estruturas para filmar. Reconhecidamente um questionador do stablishment, Lee vê na tecnologia o caminho para que grandes idéias e histórias possam ser contadas, seja em filmes propriamente ditos ou em publicidade.

“Eu tenho 52 anos, e minha geração precisava ir para as escolas de cinema para ter acesso aos equipamentos. E eu não acho que uma escola seja fundamental para a carreira de um cineasta”, disse. Muito bem humorado, Lee brincou que, com o dinheiro pago nas escolas, é possível comprar um equipamento com luz e sair filmando.

Embora não tenha nenhum projeto com filmes feitos em celular, Lee acredita nessa plataforma como caminho para que os talentos que existem em abundância pelo mundo possam ser conhecidos. O diretor lembrou que o ser humano é um contador de histórias em sua essência e que ter a possibilidade de contá-la com o uso dos celulares é muito democrático. Ele brincou ainda ao verbalizar a previsão de que, no futuro - “guardem essa data, 25 de junho de 2009, e as palavras de Spike Lee” - pagaremos para ver no cinema filmes feito a partir de telefones digitais.

Famoso por filmes como “Faça a Coisa Certa” e “Malcom X”, o diretor está em Cannes para participar de seminário que debaterá a geração de conteúdo por parte do usuário. Lee também veio anunciar os ganhadores da competição U12 User Generated Content, promovido pela Mofilm - provedora de conteúdo para plataformas digitais, e da qual ele foi o presidente do júri.

A competição, que prevê a criação de comerciais feitos com celulares a partir de um briefing fornecido por marcas que são parceiras na promoção, teve como vencedor Hiroki Ono, como filme criado para a Nokia. Em segundo lugar ficou Mahesh Pailor, para Best Buy, e, em terceiro, Jeff Gill para AT&T.
Durante a conversa com jornalistas, Lee brincou com um correspondente espanhol sobre a derrota da seleção da Espanha, disse gostar do futebol do Brasil - torceu para o país na Copa da Alemanha e vai repetir a dose na África do Sul - e fez piada com o resultado do jogo Brasil e Estados Unidos no final de semana. “Agora com o Obama vamos ganhar, a gente perdia por causa do Bush”.

Inês Figueiró, especial para o Terra
Direto de Cannes

Clique aqui para ler este artigo na Revista Ecoturismo