Analisando o plantio de plantas convencionais e orgânicas Viamão, Rio Grande do Sul

Veja uma análise sobre as plantações convencionais e as plantações orgânicas. O declínio da densidade de nutrientes em muitos alimentos associados aos métodos convencionais de plantio, irrigação e uso intensivo de agrotóxicos e fertilizantes está comprovado em pesquisas realizadas nos EUA e na Inglaterra. Leia mais abaixo.

Plaza Restaurante Porto Alegre
(51) 3220-8000
r Sr Passos, 154,Centro
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Fátima
(51) 3334-4002
av Protásio Alves, 5308,Petropolis
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Chiwawa
(51) 3231-4979
Tv Getúlio Vargas, 1644,Arquipelago
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Polônia
(51) 3343-2547
av S Pedro, 778, Humaitá
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Cannes
(51) 3233-9642
r José Alencar, 578, Azenha
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Caçarola
(51) 3339-4617
r Valparaíso, 502,Jardim Botanico
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Copão
(51) 3224-2681
av Lima Silva, 312,Centro
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Casa Rosada
(51) 3212-6319
av Independência, 438,Independencia
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Chaleirao
(51) 3371-1749
av José Lutzemberger, 275,Anchieta
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Restaurante Chiwawa
(51) 3231-4979
Tv Getúlio Vargas, 1644,Arquipelago
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analisando o plantio de plantas convencionais e orgânicas

Publicidade O declínio da densidade de nutrientes em muitos alimentos associados aos métodos convencionais de plantio, irrigação e uso intensivo de agrotóxicos e fertilizantes está comprovado em pesquisas realizadas nos EUA e na Inglaterra.

Um grupo da University of Texas, Austin, examinou as mudanças entre 1950 e 1999 na composição dos alimentos monitorados pelo USDA. Eles encontraram declínio na concentração de seis nutrientes: proteína, cálcio, fósforo, ferro, riboflavina e vitamina C.

Também em dois tipos de grãos largamente consumidos - soja e milho - estudos demonstram que a quantidade de proteína diminuiu. No caso da soja essa diminuição tem relação com as modificações genéticas de espécies tolerantes a herbicidas, como a Roundup Ready (RR). Essa mudança no teor protéico da soja RR foi documentada por pesquisadores em 2004 que compararam o conteúdo de proteína na safra de soja de 2000-2001 em diferentes países.

A soja argentina, que continha 95% de soja RR, tinha o menor nível de proteína (32,6%), seguida da soja norte-americana que tinha cerca de 50% de transgênicos e 37,1% de proteína total. O teor de proteína da soja chinesa, não transgênica, chegou a 44,9% do total de matéria seca.

No caso do milho, o nível médio de proteína caiu também e a University of Illinois (Longterm Corn Experiment), vem testando variedades há 100 anos e os pesquisadores confirmam que nas variedades hibridas a quantidade de proteína total reduziu significativamente.

Plantas convencionais que recebem quantidade excessiva de água e nutrientes, especialmente o nitrogênio, recebem um choque fisiológico.
Esse excesso na oferta de nutrientes leva a uma superprodução de cloroplastos dentro das células da planta, que aumenta a produção fotossintética de açúcares, os precursores dos beta-carotenóides (vitamina A). Em compensação, esse processo faz com que a produção de vitamina C seja comprometida. Portanto, altos níveis de vitamina A (betacaroteno) e nitratos e baixos níveis de vitamina C são encontrados em plantas de origem convencional. O que não se constitui necessariamente em uma vantagem, devido ao desequilíbrio da planta como um todo.
Os estudos estão disponíveis, porém poucos especialistas estão conscientes do que essas perdas relacionadas a agricultura de base química sintética significam para a qualidade nutricional dos alimentos e para a saúde humana.

A necessidade e a indicação cada vez mais freqüente de cápsulas e suplementos sintéticos entre os especialistas comprovam essas perdas, bem como o aumento de doenças relacionadas a carências minerais e vitamínicas.

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: Equipe Portal Orgânico - Dra. Elaine de Azevedo

Clique aqui para ler este artigo na Portal Nutrição