Analisando o mercado dos biocombustíveis Macapá, Amapá

O Brasil tem um aliado de peso em sua campanha na Alemanha para atrair novos consumidores e mercados para o uso de biocombustíveis. A Ford anunciou, em seminário sobre o agronegócio brasileiro na Alemanha, que o carro "verde" está no centro da estratégia da empresa. Leia mais no artigo abaixo.

Flex GYM Academia
(96) 972-2819
av Antônio Coelho de Carvalho, 551, Central
Macapá, Amapá
 
Dinâmica Academia
(96) 222-3144
tv São José, 819, Laguinho
Macapá, Amapá
 
INFRAERO Emp Bras Infra Estr Aeroportuária
(96) 223-2323
r Hildemar Maia, Santa Rita
Macapá, Amapá
 
Emp Bras Infra Estr Aer INFRAERO
(96) 222-1722
r Hildemar Maia, Santa Rita
Macapá, Amapá
 
Calife Centro Educacacao Física
(96) 222-4680
av Nações Unidas, 1262, Perpétuo Socorro
Macapá, Amapá
 

Analisando o mercado dos biocombustíveis

Publicidade O Brasil tem um aliado de peso em sua campanha na Alemanha para atrair novos consumidores e mercados para o uso de biocombustíveis. A Ford anunciou, em seminário sobre o agronegócio brasileiro na Alemanha, que o carro "verde" está no centro da estratégia da empresa.

Norbert Krueger, gestor de sustentabilidade e cidadania corporativa da Ford na Alemanha, lembrou que o pioneiro Henry Ford popularizou os primeiros automóveis no mundo com um modelo simples e que coubesse no orçamento da maioria. Agora, a Ford decidiu que o modelo é o "verde", ou seja, o carro que não polui, usa energia sustentável do ponto de vista social e do meio ambiente.

Por isso, a montadora está investindo na popularização dos veículos movidos a biocombustíveis, especialmente os carros movidos a etanol. Na questão da bioenergia e sua importância para o mundo, a Ford tem uma visão parecida com a do Brasil, segundo Krueger. "Os interesses realmente são coincidentes", disse ele.

A Suécia é o país da Europa que está dando maior espaço ao etanol. O governo sueco lançou, em 2001, um programa em conjunto com empresários e consumidores para deixar o país "livre de petróleo até 2030", segundo o executivo da Ford. Atualmente, a Suécia já tem 22 mil veículos com motores flex-fuel e 360 postos que vendem etanol. Já estão em andamento projetos importantes com apoio dos governos na Noruega, Grã-Bretanha, Espanha e França.

De acordo com o representante da Ford, o sucesso da estratégia para popularizar o uso do etanol na Europa ainda depende de algumas questões importantes, como o preço. "Esse combustível tem que ter preços acessíveis", disse Krueger.

Outra questão decisiva para o sucesso dos biocombustíveis, segundo o executivo da Ford, é que esse produtos precisam ser produzidos de forma responsável do ponto de vista do meio ambiente e do social.

"O etanol tem que ser limpo ecologicamente e socialmente. Isso é chave no mercado da Alemanha", disse, observando que a mídia alemã tem criado uma imagem às vezes negativa das plantações de cana de açúcar do Brasil.

De acordo com a mídia alemã, muitas vezes as plantações de cana de açúcar provocaram derrubada da floresta ou são feitas com a utilização de trabalhos forçados.

O ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, que representou o governo brasileiro no Seminário do Agronegócio brasileiro em Frankfurt, explicou que é tecnicamente impossivel produzir cana de açúcar na região da floresta amazônica. "Chove muito na região. A chuva em excesso impede que a cana produza sacarose, tornando-se apenas um bambu", explicou Rodrigues.

"Quanto à questão de trabalhos em más condições, temos que ter o cuidado de não generalizar. São casos isolados e o governo atua com firmeza para combatê-los. Mais ainda, se observarmos a classificação da ONU de acordo com o Indice de Desenvolvimento Humano (IDH), vamos ver que esse índice subiu justamente nos municípios em que a cana de açucar se instalou", acrecentou o ex-ministro.

Rodrigues também reconheceu a necessidade de informar a sociedade alemã sobre como é efetivamente a realidade brasileira. "É preciso criar um canal de comunicação com a comunidade alemã para que a questão da sustentabilidade ambiental e social da produção de etanol no Brasil seja conhecida e fique mais evidente.

Fonte: Ministério da Agricultura

Clique aqui para ler este artigo na Portal Agricultura