Analisando o ciúme Manaus, Amazonas

Todo ciumento, em seu estado de sã consciência, sabe muito bem que de nada adianta esbravejar, brigar, discutir e se corroer por dentro por causa de suas fantasias alucinantes, de seus pensamentos devoradores e de suas loucas ‘certezas’, quase sempre infundadas. Mas de nada lhe adianta saber, porque quando o ciúme chega, toda a razão se esvai. Veja mais abaixo.

Lacouth
(92) 3681-8523
rua rio itapitanga
Manaus, Amazonas
 
Inst Mira Y Lopez Ltda
(92) 633-2979
bc Ipixuna, 700, Centro
Manaus, Amazonas
 
Inst Amazonense de Psiquiatria
(92) 234-0483
r Monsenhor Coutinho, 845, Centro
Manaus, Amazonas
 
Eugenia Turenko Beça
(92) 236-2450
r B, 2, cs 2 prq 10, São José Operário
Manaus, Amazonas
 
Maria Odeth A de Mendonça
(92) 234-8740
bc Eduardo Ribeiro, 520, Chapada
Manaus, Amazonas
 
SOS RAZOES
(92) 8106-7001
RUA 27 qdr 173 cidade nova II
MANAUS, Amazonas
 
Dra Fátima Hayek
(92) 233-5224
bc Ipixuna, 1886, Centro
Manaus, Amazonas
 
Drs Amandio Jorge Venancio e Etelma Brito
(92) 625-3300
r Senador Cunha Melo, 672, São Jorge
Manaus, Amazonas
 
DR Manoel Dias Galvão
(92) 656-0693
r Jacareubas, 54, cj kyssia i, Dom Pedro
Manaus, Amazonas
 
Rosimar Van Dyke de Lima Canto
(92) 622-9460
bc Eduardo Ribeiro, 639, sl 903, Chapada
Manaus, Amazonas
 

Analisando o ciúme

Todo ciumento, em seu estado de sã consciência, sabe muito bem que de nada adianta esbravejar, brigar, discutir e se corroer por dentro por causa de suas fantasias alucinantes, de seus pensamentos devoradores e de suas loucas ‘certezas’, quase sempre infundadas.

Mas de nada lhe adianta saber, porque quando o ciúme chega, toda a razão se esvai. O que impera é uma espécie de lente de aumento, tornando qualquer situação uma grande probabilidade de perda daquilo que se ama.

Quando dá por si, lá está ele... esbravejando, brigando, discutindo e se corroendo por dentro por causa de suas fantasias alucinantes, de seus pensamentos devoradores e de suas loucas certezas, muitas vezes infundadas.

Difícil explicar o ciúme, porque ele não se baseia em fatos reais, mas no modo como o ciumento interpreta tais fatos. O ciumento parece estar constantemente em alerta, pronto para obter, enfim, a prova de que suas suspeitas estavam certas. É um bom exemplo para o ditado que diz que “quem procura, acaba encontrando”. Ele está sempre procurando algo que o valide, que dê a ele a sensação – ainda que seja a mais temida e a mais dolorosa – de que realmente estava certo.

Se o ciúme te incomoda e te faz mal, certamente está na hora de parar de lutar contra ele, tal qual um Don Quixote lutando contra os moinhos de ventos, e descobrir a ponta do fio da meada; somente assim você conseguirá desatar os nós, entende?

Não se trata, portanto, de lutar contra si e seus sentimentos, mas de acolher-se, compreender-se e transformar-se. Afinal, o ciúme nada mais é do que a percepção (ainda que inconsciente) de que não temos garantias e nem controlamos o que o outro sente e pensa. É a certeza de que, por mais que tentemos, nem sempre conseguimos ser o centro dos desejos dele.

Mais do que amar o outro, o ciumento quer possuí-lo, considerando que o desejo da posse pode ser exercido de muitas maneiras diferentes. De acordo com as crenças de cada um, a prática e a expressão do ciúme ocorrerão de formas distintas.

Vamos descrever alguns tipos de ciumentos, até para elucidar algum desavisado de que o seu sentimento é ciúme, embora ele tente - o tempo todo - garantir que não, dando outros nomes ao que está sentindo, tais como cuidado, respeito, educação, atenção, amor, etc.

Ciumento-bicudo: é aquele que, ao ver ou imaginar uma situação em que lhe parece evidente a possibilidade de perder a pessoa amada ou simplesmente deixar de ser o foco de sua total atenção, fecha-se...

Ciumento-vingativo: é aquele que, diante dos sentimentos citados acima, comuns a todos os ciumentos, apressa-se em dar...

Ciumento-barraqueiro: este tipo é o que não pensa duas vezes antes de sair dando...

Ciumento-coitadinho: é o tipo que sempre acredita estar sendo enganado, traído, desconsiderado. Julga o outro e as demais...

Clique aqui para ler este artigo na Portal CMC