Analisando as imagens de Satélite e as Fotografias Aéreas Belford Roxo, Rio de Janeiro

Análise simplista sobre o melhor custo benefício na utilização de imagens orbitais e imagens aéreas. As fotografias aéreas e imagens de satélite representam juntas uma importante ferramenta para a realização de estudos de análise e caracterização ambiental. Leia no artigo abaixo.

Jorge Antunes Fotografias & Filmagens
(21) 2761-1465
r das Nações, 153, Belford roxo
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Adauto Gonçalves
(21) 2694-2490
v Heliópolis, 701, An 2 Sl 102, Heliopolis
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Jorge Fotografia E Filmagem
(21) 2761-1465
r Nações, 153, Vl Entre rios
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Leonardo Ferreira De Oliveira
(21) 3662-7035
r Ieda, 311, Vl Pauline
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Mac Fotos Comércio E Serviços Ltda
(21) 2661-0230
r João Fernandes Neto, 1336, Belford roxo
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Foto Estudio Leomar Ltda Me
(21) 3663-3871
v Nova Aurora, 199, São Jorge
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Depla
(21) 2661-0344
r João Fernandes Neto, 1418, Belford roxo
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Ronaldo Pereira De Almeida
(21) 2886-3758
etr Iguaçu, 411, Miguel Couto
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Stúdio Patrimagem E Filhos Produções
(21) 2663-8284
v Joaquim da Costa Lima, 1439, Lj B, Belford roxo
Belford roxo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Jorge Levi de Castro
(21) 2768-2147
rDoutorOtávio Tarquino, 14, s 4, Centro
Nova Iguaçu, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analisando as imagens de Satélite e as Fotografias Aéreas

(Autoria: Vinícius Adriano F. de Medeiros & João Pedroda Silva Souza - Universidade Católica de Brasília, 2008)

{Este trabalho e outros podem ser encontrados completos, comfiguras e tabelas no site: engenhariaambiental.webnode.com}

INTRODUÇÃO

As fotografias aéreas e imagens de satélite representamjuntas uma importante ferramenta para a realização de estudos de análise ecaracterização ambiental, uso e ocupação do solo e planejamento urbano, uma vezque estas são tecnologias indispensáveis para a construção de mapas, cartastemáticas e sistemas de informação geográfica.

Segundo Cordovez (2004), no Brasil, especialmente na últimadécada, as geotecnologias têm sido implementadas e usadas como ferramentas deauxílio para as tomadas de decisão relacionadas à administração urbana.

As fotografias aéreas são, até então, o meio mais utilizadoe acessível para a realização de trabalhos cartográficos, pois disponibilizamimagens de boa resolução a custos relativamente acessíveis.

Com relação às imagens de satélite, estas tiveram um intensodesenvolvimento, principalmente no final da década de 90, com o surgimento dasimagens de alta resolução, ampliando assim as possibilidades para o seu uso.

Este trabalho tem por objetivo estabelecer uma comparaçãobreve entre as duas tecnologias, levando em consideração dois quesitosfundamentais analisados quando da elaboração de um trabalho cartográfico, aqualidade e o custo.

IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO

A cartografia moderna teve seu desenvolvimento em meados doséculo XX, com o objetivo principal de realizar estudos de topografia militar,entretanto, atualmente a cartografia está aliada a novas tecnologias desensoriamento remoto, tornando-se uma ferramenta fundamental para oconhecimento do espaço geográfico, que é constantemente modificado pela açãoantrópica (Rosa et. al., 2007).

O conhecimento da forma em que determinada área é utilizada,seja pela agricultura, vegetação natural, áreas urbanas e edificadas, áreas demineração, áreas de degradação, bem como as informações a respeito dasalterações que tais áreas sofrem se tornam cada vez mais fundamentais naatividade desempenhada por legisladores, governadores e administradores.

Nesse contexto, a utilização de informações sobre o uso daterra tornou-se um item fundamental na compreensão da dinâmica de organizaçãodo meio ambiente e uma das principais formas de obtenção de tais informações écom a aplicação das técnicas de aerofotogrametria e utilização de imagens desatélite.

Segundo Seabra et. al. (2003) a qualidade das informaçõesutilizada na análise sobre as alterações no uso e ocupação do espaço é defundamental importância para a representação correta da realidade, para issotorna-se necessário o uso de cartas e mapas atuais e para isso torna-senecessário o emprego das geotecnologias.

AEROFOTOGAMETRIA

Segundo Piovesan et. al (2004) a aerofotogrametria é uma dastécnicas mais difundidas e utilizadas em mapeamentos, sendo possuidora de umaótima qualidade, atribuição conquistada através da tecnologia empregada emcâmaras e recursos computacionais. Tais equipamentos possuem um filme negativode 23cm × 23cm, o que permite um melhor aproveitamento entre a área coberta e aárea de vôo.

A câmara é instalada em um avião ou em um helicóptero, e acaptação das imagens depende de um plano de vôo e das condições atmosféricas dolocal, fatores que devem ser analisados antes do vôo.

As imagens aéreas podem ter diferentes níveis de qualidade,característica tal, que depende do tipo de trabalho a ser feito. Abaixo segueuma tabela publicada na Revista InfoGeo (novembro/dezembro de 2000), adaptadapor Assis (2001) que indica a escala apropriada para alguns trabalhos emespecífico.

O custo das aerofotografias varia de acordo com uma série defatores e em alguns casos o trabalho torna-se inviável devido aos altos custoscom os processos de aerofotogrametria, digitalização, restituição, vetorização,dentre outros.

Piovesan et. al. (2004) afirma que os altos custosenvolvidos na aerofotogrametria, limitam esta técnica a estudos em extensasáreas e propõe a utilização de fotos de vôos anteriores quando o trabalho forefetuado em uma pequena área, uma vez que o processo de obtenção de imagenspara tal área geraria grandes custos, inviabilizando o trabalho.

Já Cunha (2006) defende o uso de "aerofotosnão-convencionais" (pequeno formato), tendo em vista que tais imagens nãoseriam obtidas por câmaras médias, já seriam ampliadas e não possuiriam marcasfiduciais e, por isso, teriam baixo custo sendo, portanto, mais acessíveis aosinteressados em estudos em pequenas áreas. Tais imagens são coloridas, permitema visualização em 3D, podendo ser utilizadas em planejamento territorial urbanoe rural.

UTILIZAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE

A utilização de imagens de satélite é utilizada em largaescala em estudos de monitoramento de diversos aspectos, tais como uso eocupação do solo (agricultura, ocupação urbana), florestas, geologia,geomorfologia e hidrografia.

Segundo Assis (2001) a questão principal na utilização deimagens de satélite diz respeito à sua resolução espacial, isto é, a menorporção de terra identificável na imagem. Como a resolução espacial depende dosensor instalado no satélite, a utilização de tais imagens ficou restrita, atéa alguns anos, a estudos relacionados ao clima, controle de queimadas,agricultura, ou seja, a aplicação desta tecnologia dava-se principalmente emregiões de grande extensão, devido à baixa resolução espacial.

No início da década de 70, as imagens de satélite começarama ser usadas na cartografia, e na época a resolução espacial era de 80 metros,o que permitia uma escala máxima de 1: 250.000. Entretanto, com o passar dosanos a tecnologia empregada nos sensores desenvolveu-se de tal forma que, nofinal dos anos 90, foi lançado o satélite Ikonos II, com imagens multispectraisde 4 metros e em preto-e-branco com resolução de 1 metro, permitindo escalasmáximas de até 1:5000, possibilitando a realização de trabalhos muitodetalhados (Assis, 2001).

Rosa et. al. (2007) afirma a total possibilidade de seutilizar imagens de satélite de baixa resolução (Landsat 5 [1986] e CBERS[2006]) em diversos trabalhos, inclusive levantamentos de expansão urbana,revelando detalhes fundamentais para análise a um baixo custo, enquanto queimagens de alta resolução (IRS [2005]), apesar de fornecerem uma maior riquezade detalhes, poderiam inviabilizar o estudo em áreas extensas, uma vez queimagens de alta resolução possuem altos custos.

Para d`Alge (1997) a inserção de satélites de sensoriamentoremoto e a disponibilidade de imagens a baixos custos no mercado motivou autilização dessas imagens, passando a representar uma alternativa viável afotointerpretação sobre imagens em papel, além de possibilitar a utilização devárias ferramentas para produção de mapas (considerando a existência de umSIG).

Segundo Bias (2003) a entrada, no mercado, de sensores dealta resolução representam grandes possibilidades para a atualizaçãocartográfica e planejamento urbano, sendo que imagens nas escalas entre1:100.000 e 1:25.000 tais imagens já estão acessíveis, enquanto que paraescalas maiores, entre 1:10.000 e 1:2.000, ainda são verificadas as reaispossibilidades de uso, tendo em vista o alto custo.

CONCLUSÃO

A determinação da melhor tecnologia a ser empregada numtrabalho cartográfico buscando o melhor custo-benefício e maior qualidade deveser analisada numa perspectiva de que cada trabalho em especial demanda denecessidades diferentes como, por exemplo, a demarcação de áreas rurais, quepode ser feita utilizando-se de imagens de baixa resolução (baixo custo) ou deaerofotografias, enquanto que para se realizar um diagnóstico urbano,considerando residências, casas, ruas, quadras, a tecnologia empregada deveráser outra, com uma escala maior, gerando um maior custo.

Cordovez (2004) propõe que a melhor alternativa a seradotada para a elaboração ou atualização de determinado trabalho deve antesconsiderar a precisão do trabalho requerido e a disponibilidade de recursosfinanceiros.

Assis (2001) relata a possibilidade da substituição daaerofotogrametria por imagens de satélite de alta resolução num futuro próximo,entretanto ressalta que a aerofotogrametria também está evoluindo,principalmente com a utilização de câmaras digitais, o que reduziria em muitoos custos com este processo, favorecendo a permanência dessa tecnologia nomercado.

Além disso, pode haver ainda uma associação das duastecnologias, conforme é proposto por Furquim (1998) na gestão de dutos daPetrobrás, onde foi montado um SIG, utilizando-se de ambas as tecnologias deacordo com a necessidade e a disponibilidade financeira.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

ASSIS, Rodrigo da Rocha. Utilização de imagens orbitais eaéreas no estudo da ocupação e planejamento urbano. 2001, 35 p. Monografia(Especialização em Geoprocessamento) – Departamento de Cartografia,Universidade Federal de Minas Gerais, 2001.

Disponível em:

Acesso em 15/11/2008.

BIAS, Edilson de Souza. Análise de precisão e do custodas imagens de alta resolução Ikonos orto kit para geração de mapascartográficos. XXI Congresso Brasileiro de Cartografia. Belo Horizonte,2003.

Disponível em: < http://www.cartografia.org.br/xxi_cbc/221-SR24.pdf >

Acesso em: 15/11/2008.

CORDOVEZ, Juan Carlos Gortaire. Mapeando Cidades.Anais I – I Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto.Aracajú/SE, 2004.

Disponível em: www.cpatc.embrapa.br/labgeo/srgsr2/pdfs/palestra9.pdf>

Acesso em 19/11/2008.

CUNHA, Alexson de M.; LANI, João L.; AMARAL, Eufran F.;REZENDE, Sérvulo B.; RIBEIRO, Luziane S. Mosaico digital de aerofotosnão-convencionais na avaliação de recursos naturais: estudo de caso.Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande – PB, v.10, n.1, p. 182-187, 2006.

Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbeaa/v10n1/v10n1a27.pdf>

Acesso em: 15/11/2008.

D´ALGE, Júlio C. L. Atualização Cartográfica por imagensde satélite – Considerações teóricas e possibilidades de implantação. INPE– Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, maio 1997.

Disponível em: < http://www.dpi.inpe.br/~julio/arquivos/consult1.pdf >

Acesso em: 15/11/2008.

FURQUIM, Maysa Portugal de Oliveira. Monitoramento dedutos usando SIG. Esteio Engenharia e Aerolevantamentos S.A. Curitiba,1998.

Disponível em:

Acesso em: 20/11/2008.

PIOVERSAN, Eduardo Casale; SILVEIRA, Gustavo da Cruz;JÚNIOR, José C. C. G. Perspectivas futuras para o projeto SOFIA (Sistema deobtenção de fotos e imagens com aeromodelo). Congresso Brasileiro de CadastroTécnico Multifinalitário – UFSC. Florianópolis, 2004.

Disponível em:

Acesso em: 16/11/2008.

ROSA, Luiz Carlos L.; VIEIRA, Aparecida Amorim; PRADO,Anderson Luiz M.; ALVES, Kelle Cristina A. Uso de imagens de alta e baixaresolução em áreas urbanas. Programa de Iniciação Científica em Geografia –UNIVAP. São José dos Campos – SP, 2007.

Disponível em:

Acesso em: 18/11/2008.

SEABRA, Vinícius da Silva; MEDEIROS, Danielle Rodrigues;CRUZ, Carla B. M. A importância da correção geométrica de imagens orbitaisna atualização cartográfica. XXI Congresso Brasileiro de Cartografia. BeloHorizonte, 2003.

Disponível em: www.cartografia.org.br/xxi_cbc/239-SR28.pdf>

Acesso em: 15/11/2008.

Clique aqui para ler este artigo na WebArtigos.com