Analisando a formação de professores doutorados Macapá, Amapá

Analise no artigo abaixo, como anda a taxa de formação de professores doutorados. Dados mostram que a carência do setor acadêmico no Brasil continua enorme. De todas as instituições de ensino superior do país, entre particulares e públicas, só 24% dos professores são doutores.

Seap Sistema Educacional do Amapá
(96) 222-3585
av Mãe Luzia, 1186, Laguinho
Macapá, Amapá
 
Bartolomeu Capitania
(96) 223-0333
av Dq Caxias, 908
Macapá, Amapá
 
Meta Escola Tec do Amapá
(96) 223-6008
psg Jovino Dinoa, 2934, Laguinho
Macapá, Amapá
 
Cepap Centro Educacional Presbiteriano do Amapá
(96) 222-0983
av Conego Domingos Maltez, 265, Trem
Macapá, Amapá
 
Ceap
(96) 223-5565
av Nações Unidas, 1201, Perpétuo Socorro
Macapá, Amapá
 
Colégio Santa Bartolomea Capitanio
(96) 223-0333
av Dq de Caxias, 908
Macapá, Amapá
 
Asm Silva
(96) 227-3370
rod Juscelino Kubitschek, 8050, km 8, Jardim Marco Zero
Macapá, Amapá
 
Centro Ensino Atual
(96) 223-7714
av Mendonça Furtado, 1220, Central
Macapá, Amapá
 
Aaaec
(96) 223-5403
av Nações Unidas, 1201, Perpétuo Socorro
Macapá, Amapá
 
Centro de Ensino Aprova 1e 2 Grau
(96) 223-8199
r General Rondon, 748, Laguinho
Macapá, Amapá
 

Analisando a formação de professores doutorados

Raiza Tavares com informações da Folha de São Paulo em 09.06.2009 - 11h26

publicidade

Crescimento no número de titulados era de 15% ao ano em média no início da década e baixou para 6% de 2004 em diante. Só 24% dos professores das instituições de ensino superior possuem título; no ano passado, foram formados 10.711 doutores

A letra do zoólogo Paulo Vanzolini ilustra bem a situação do sistema de pós-graduação nacional: "De um lado tem maré alta, do outro praia de fora."

O país rompeu a barreira simbólica da formação de 10 mil doutores em 2008. Segundo número ainda não divulgado pelo governo, 10.711 receberam o título. Porém, a taxa de aumento de titulados, que era de 15% em média ao ano no início da década, caiu para 6% de 2004 em diante - com uma tendência de alta no último ano.

Dados mostram que a carência do setor acadêmico no Brasil continua enorme. De todas as instituições de ensino superior do país, entre particulares e públicas, só 24% dos professores são doutores.

E há três anos, pelo menos, a taxa relativa mostra que o Brasil ainda está longe de alcançar o número de formação dos americanos. O resultado da divisão do número de titulados nos EUA pela quantidade anual de doutores brasileiros - um dos indicadores mais usados pelos estudiosos - está estagnado em 21%.

"É bastante preocupante", afirma Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor-científico da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de SP). O fato de o intervalo entre os dois países não diminuir, para o pesquisador e dirigente científico, impede que o Brasil se aproxime das estatísticas de países mais desenvolvidos.

Apesar de considerar que as taxas de formação de doutores, mesmo em queda, estão altas, Eduardo Viotti, economista especialista em política científica, concorda que o número de professores universitários que possuem título de doutorado ainda é muito reduzido e precisa ser elevado. Ele é um dos autores de um estudo sobre ensino superior publicado pelo CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos) em 2008.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, vê o quadro com mais naturalidade e com menos preocupação. "Não é possível que um sistema de pós-graduação cresça tanto por um tempo muito longo", disse ele à Folha.

O Plano Nacional de Pós-Graduação do Brasil prevê para o fim do próximo ano a cifra de 16 mil doutores em um ano - número que dificilmente será atingido. Mas o titular do MCT sabe onde está um dos gargalos: a inovação brasileira, no setor privado, ainda não ocorre na velocidade desejada.

Federais

Mesmo com as particulares fora da conta, o número de doutores entre os professores do terceiro grau é baixo. Quando são analisadas apenas as universidades federais, por exemplo, a cifra é de 50%.

Das 55 universidades federais que o Brasil tem hoje, 9 (16,3%) não poderiam ter mais esse nome se a discussão da reforma universitária, estagnada no Congresso há anos, já tivesse sido encerrada. Pelo Projeto de Lei, cada instituição deve ter pelo menos 25% de doutores no quadro de docentes para ser denominada "universidade".

Em São Paulo, onde existem ilhas de excelência, a taxa média nas três universidades estaduais é de 93%. Nos EUA, que possui universidades mais voltadas para a pesquisa e outras focadas quase exclusivamente no ensino, as mesmas taxas ficam ao redor dos 73%.

Jarbas Bonetti, professor e pesquisador na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), diz que a menor busca dos alunos por doutorado pode ter a ver com a maior dificuldade para a obtenção de bolsas e falta de perspectiva de emprego após conseguir o título.

Já Adalberto Vieyra, coordenador de área da Capes e professor da UFRJ, diz que os programas de pós-graduação cresceram em número e tamanho, especialmente a partir de 2003. "Mas o corpo de orientadores qualificados, de formação demorada e cuidadosa, cresceu de forma muito lenta, passando de 32 mil para 35 mil."

Segundo ele, o desafio não é só superar o fosso dos 0,6 doutores por 1.000 habitantes contra os 30 da Alemanha, por exemplo. "É preciso formar pessoas capazes de liderar a abordagem de complexos problemas nas fronteiras do conhecimento, no mesmo nível que nos países desenvolvidos."

Para o consultor e ex-reitor da USP, Roberto Leal Lobo e Silva Filho, é importante aumentar a incorporação de doutores tanto na iniciativa privada, para a inovação, quanto no setor acadêmico.

Clique aqui para ler este artigo na Universiti