Analisando a educação do consumidor orgânico Londrina, Paraná

Entenda como anda o conhecimento dos consumidores em relação a uma alimentação saudável. A falta de conhecimento e de disseminação de conceitos coerentes que definem o que é uma dieta saudável, ainda leva a muitos erros alimentares e ao fortalecimento da produção convencional de alimentos. O consumidor desconhece o processo que envolve o sistema de produção orgânico, as repercussões na saúde humana e os elementos que lhe permitem diferenciar sobre os inúmeros produtos "naturais".

Londrina Esporte Clube
(43) 3344-6706
r Maestro Egídio Camargo Do Amaral 130 - 2, Centro
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Porteira Clube
(43) 3326-0337
r Natal 135, JD Agari
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Aero Clube De Londrina
(43) 3325-8751
av Santos Dumont 1700, Boa Vista
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
restaurante Deguste
(43) 3324-3020
r Sergipe 1073, Centro
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
restaurante Ta Em Casa
(43) 3323-9411
Praça 7 De Setembro 80
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Iate Clube De Londrina
(43) 3324-6300
av Higienópolis, 2135 - Jd Higienópolis
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
restaurante Clube Das Seis
(43) 3324-5856
r Pio XII 702, Centro
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Clube Da Costela
(43) 3338-4004
r Milton Gavetti 266, Universitário
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
restaurante Serve-Se Bem
(43) 3321-7671
av Brasília S 02, Rodocentro
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
restaurante Carvalho
(43) 3321-1083
r Quintino Bocaiúva 622, Centro
Londrina, Paraná

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analisando a educação do consumidor orgânico

Publicidade A falta de conhecimento e de disseminação de conceitos coerentes que definem o que é uma dieta saudável, ainda leva a muitos erros alimentares e ao fortalecimento da produção convencional de alimentos.

Os consumidores, sejam eles leigos ou especialistas da área da saúde, carecem de informação.

Não existe um conhecimento disseminado na área da saúde dos problemas causados pelos agrotóxicos, fertilizantes sintéticos, produtos irradiados, drogas veterinárias, sementes transgênicas e aditivos sintéticos.

O profissional da saúde ainda desconhece o amplo conceito do alimento orgânico e sua relação com a saúde do consumidor e acaba focando em dietas restritivas e suplementos vitamínicos e minerais, em detrimento de uma dieta integral e equilibrada em todos os nutrientes, dentro de um contexto amplo de qualidade de vida que inclui exercício físico, cuidados com o nível de estresse e com os aspectos emocionais, restrição de fumo e álcool.

Por sua vez, em função do desconhecimento, o consumidor rechaça certos produtos em função do preço, da aparência ou de sabores padronizados. Não se pode exigir a padronização de sabores, cores ou formas de alimentos e nem mesmo a constância da produção dentro da Agricultura Orgânica.

Muitos produtos orgânicos não são disponibilizados o ano inteiro, pois obedecem aos ritmos das estações e ao período apropriado para o plantio. A variedade de alimentos na dieta ocorre ao longo do ano e a própria natureza tem a sapiência em oferecer os alimentos adequados a cada época, obedecendo a sazonalidade de cada colheita.

Em nome da praticidade e da falta de tempo, o consumidor compra prioritariamente alimentos que agradam somente o paladar e que não exigem tempo para sua preparação, demonstrando o lugar que a saúde tem entre suas prioridades.

O preço que pagamos por nossos seguros de saúde poderia ser mais bem investido na qualidade da nossa dieta.

Uma alimentação saudável ou "natural" ainda é associada a muito trabalho, grandes dificuldades de obtenção e preparo, a alimentos e complementos exóticos e também a modelos alimentares alternativos, como o vegetarianismo e a macrobiótica.

O consumo de complementos alimentares, fibras e toda sorte de cápsulas de minerais ou vitaminas, sintéticas ou naturais também se popularizou na "indústria do natural" que foge da proposta do consumo de alimentos integrais orgânicos. Na verdade essa necessidade intensiva de suplementação (e as carências vitamínicas e minerais) só ressalta a pobreza do solo e a ineficiência da alimentação industrializada e convencional de oferecer os nutrientes que necessitamos para ser saudáveis.

Alimentos hidropônicos, produzidos sem contato com a terra num caldo concentrado de adubos nitrogenados, sucos asiáticos e iogurtes milagrosos, proteína e extratos de soja industrializados e alimentos suplementados, desnatados, light e diet são também erroneamente associadas a uma dieta saudável.

A influência dos meios de comunicação social sobre os indivíduos, principalmente sobre crianças é outro grande problema. A mídia encontra-se, muitas vezes, a serviço de grandes industrias de alimentos que querem ter a garantia de que seus produtos sejam vendidos, independentes da sua qualidade.

É preciso disponibilizar informações precisas através da rotulagem informativa dos produtos alimentares orgânicos, de palestras de educação nutricional e campanhas institucionais e governamentais, veiculadas por um tipo de marketing educativo que sensibilize e conscientize o consumidor. Essas ações conjuntas têm um papel relevante na consolidação e profissionalização da Agricultura Orgânica.

Torna-se de fundamental importância capacitar e sensibilizar o consumidor de produtos orgânicos, pois ele constitui-se em um dos principais elos da cadeia produtiva agroecológica e tem papel central na definição e na disciplina do mercado de alimentos.

Segundo a antropóloga Karen Karam, o consumidor desconhece o processo que envolve o sistema de produção orgânico, as repercussões na saúde humana e os elementos que lhe permitem diferenciar sobre os inúmeros produtos "naturais", entre outras designações, oferecidos no mercado. Isso poderá resultar na ampliação de consumo de produtos mais saudáveis e na expansão das atividades econômicas da agricultura sustentável.

Nos postos de venda e rótulos de produtos orgânicos encontra-se freqüentemente a informação reducionista "livre de agrotóxico", julgada ineficiente para abarcar todos os aspectos de qualidade vinculados ao alimento orgânico.

A liberdade de escolha tem sua base no acesso ao conhecimento por isso informações consistentes referentes aos benefícios dos orgânicos para a saúde humana, social e ambiental devem ser veiculadas junto aos produtos, nos rótulos, nas feiras, nos supermercados, nos restaurantes, nos consultórios e nos diferentes meios de comunicação para que o consumidor, sensibilizado e informado, possa fazer suas opções com consciência.

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: Dra. Elaine de Azevedo

Clique aqui para ler este artigo na Portal Nutrição