Alternativas ao Botox Macapá, Amapá

Estrela do rejuvenescimento facial, a toxina botulínica não está sozinha na hora de ganhar uns aninhos diante do espelho. O artigo da varias dicas para quem nao quer recorrer ao botox. Saiba no artigo abaixo.

Joana Silva Carvalho/Hemodiagnostico
700-0705
Av. Coaracyunes 890
Macapa, Amapá
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Paulo Roberto Balbino
(96) 3223-0737
Avenida 13 - de Setembro 543
Macapa, Amapá
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Instituto de Oncologia e Mastologia S/c Ltda
(96) 3261-1560
tr Joaquim Gouveia, 160, Alvorada
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Sigma
(96) 3223-4188
av Ernestino Borges, 795
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
R. S. Amorim - Me
(96) 3217-0333
av Mendonça Júnior, 543, Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
S C da Silva Lab Diagnose
(96) 223-4554
Av Raimundo a da Costa 336
Macapa, Amapá
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
José Carlos Esteves Gondim
(96) 3217-2200
Av. Raimundo Alvares da Costa 0000 - Posto da UNIMED
Macapa, Amapá
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Paranhos & Vancan Fisioterapia e Odontologia Ltda
(96) 3223-8754
av Coriolano Juca, 265, Als, Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Clínica Santa Rita Ltda
(96) 3222-5699
av José Antônio Siqueira, 751, Laguinho
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
M J Bahia Ltda - Me
(96) 3224-1569
av Coaracy Nunes, 1236, Central
Macapá, Amapá

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Alternativas ao Botox

SÃO PAULO - Estrela do rejuvenescimento facial, a toxina botulínica não está sozinha na hora de ganhar uns aninhos diante do espelho. Lifting, miectomia (cirurgia que retira parte da musculatura da região dos olhos e da testa), preechimentos com ácido hialurônico e pellings são algumas opções que complementam ou substituem as aplicações de toxina botulínica tipo A para quem busca um tratamento definitivo, ou para os casos em que a substância não tem ou perde a eficácia.

As aplicações de toxina botulínica tipo A têm pouca durabilidade (entre três e seis meses) e podem perder a eficácia, em casos raros, quando repetidas vezes.

Além disso, não são recomendadas no tratamento de rugas estáticas ou da flacidez facial. A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo (SBCP-SP) - indica algumas alternativas que substituem ou complementam a toxina botulínica tipo A nos casos de rejuvenescimento facial. “O envelhecimento facial não é provocado somente pelas rugas de expressão nas quais a toxina botulínica tipo A atua. Há também a mudança de local dos músculos da face, a atrofia dos tecidos, o excesso de pele e mudanças na qualidade da pele, como o aparecimento de manchas e a perda de elasticidade. Existem tratamentos adequados para cada um destes problemas”, avisa Antonio Graziosi, presidente da SBCP-SP.

A toxina botulínica tipo A é uma substância produzida pela bactéria Clostridium botulinum, causadora do botulismo, que paralisa os movimentos musculares da região na qual é aplicada. Ela tem a capacidade de impedir a liberação do neurotransmissor acetilcolina, responsável pela contração muscular. “Como age na paralisia muscular, a toxina botulínica tipo A evita a formação de rugas de expressão, mas não consegue eliminar as rugas estáticas. Os preenchimentos com ácido hialurônico, por exemplo, são indicados para estes casos e eliminam inclusive sulcos mais profundos. Já o lifting facial atua na flacidez facial, reposiciona os tecidos que mudaram de lugar e pode eliminar o excesso de pele do rosto. Com os peelings é possível obter um rejuvenescimento na qualidade e na coloração da pele, que se regenera após o procedimento”, explica Graziosi.

E não se esqueça: procure sempre um profissional qualificado caso queira realizar qualquer processo de rejuvenescimento facial. Imperícia, nesses casos, pode significar a ruína do seu rosto.

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica:
Av. Pacaembu 746, 6º and., 3825-9685/3666-1635
Site: www.cirurgiaplastica.org.br/SP

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica