Adubação verde melhora o seu cultivo Macapá, Amapá

Uma grande parte dos agricultores sabe a grande importância da adubação verde para a agricultura brasileira. Um grande fato, ainda pouco explorado, é sua importância como substituto aos estercos em grandes lavouras. Muitos produtores dizem que é impossível produção orgânica em larga escala porque não têm esterco em grandes proporções. Leia mais no artigo abaixo.

Comercial Lima Ltda
(193) 225-7174
r João Guidotti, 21, VL Aeroporto
Campinas, São Paulo
 
Clarice L Haddad
(71) 326-7416
av Ajuda, 40, sl 1305 ala norte 13
Salvador, Bahia
 
Cleria M Silva
(313) 661-3414
r João Machado, 219
Pedro Leopoldo, Minas Gerais
 
A Natu Center Prod Naturais
(67) 383-2783
r Maracaju, 265, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Rosilda P Souza
(67) 247-1728
av José Ferreira da Costa, 522
Costa Rica, Mato Grosso do Sul
 
Arco Verde Prod Naturais
(62) 321-4715
av Presidente Kennedy, 95, qd 11 lt 3, Maracanã
Anápolis, Goiás
 
Kain Fulvio
(15) 232-0100
r Cap B M Jequit, 821
Sorocaba, São Paulo
 
Sarandy GB Nunes
(212) 776-2946
av Fabor SN
Campos Elyseos, Rio de Janeiro
 
Aroma Prod Naturais Ltda
(333) 221-6442
r Caio Martins, 124, Centro
Governador Valadares, Minas Gerais
 
Bsn Belavida Ltda
(51) 715-6157
r Marechal Floriano Peixoto, 938
Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul
 

Adubação verde melhora o seu cultivo

Uma grande parte dos agricultores sabe a grande importância da adubação verde para a agricultura brasileira. Um grande fato, ainda pouco explorado, é sua importância como substituto aos estercos em grandes lavouras. Muitos produtores dizem que é impossível produção orgânica em larga escala porque não têm esterco em grandes proporções. Com a adubação verde, as lavouras orgânicas em grandes áreas tornam-se viáveis!

A adubação verde consiste em cultivar plantas, principalmente leguminosas, que têm a capacidade de fazer simbiose com microorganismos fixadores de nitrogênio. Calma lá! O que significam tais termos? Simbiose é uma relação "amigável" entre a planta (adubo verde) e os microorganismos. É uma parceria, em que os microorganismos ficam alojados nas raízes das plantas, formando bolinhas, denominadas nódulos. Lá eles recebem das plantas substâncias como açúcares e sais minerais para sua nutrição, bem como um local protegido (interior das raízes). Nessa negociação, as plantas recebem o nitrogênio captado por esses microorganismos, vindo do ar encontrado no solo. Essa captação é chamada de fixação de nitrogênio. Ótimo negócio para as plantas, não? Para termos uma idéia de que isso significa, algumas leguminosas plantadas em solos com teores baixíssimos de nitrogênio (na forma de nitratos ou amônia), conseguem sobreviver, e, até mesmo, produzir frutos e grãos em quantidades satisfatórias.

Existem diversas culturas utilizadas como adubos verdes. Já existem experimentos que demonstram, que certos adubos verdes conseguem fixar (através de seus microorganismos parceiros) quantidades de nitrogênio, na ordem dos 450 Kg por hectare! Mas como aproveitar essa relação mútua em prol de nossas culturas comerciais que não conseguem fazer tal simbiose?

Bem, sempre recomendamos que deve ser feita a incorporação dessa biomassa (massa verde) no período de maior acúmulo de nitrogênio da planta. Isso acorre no período de florescimento e início de frutificação. Nessa época deve cortar a planta e deixar que essa massa se decomponha, liberando o nitrogênio para que nossas culturas aproveitem. Um alerta: se o adubo verde frutificar, o nitrogênio adquirido será sintetizado e encaminhado para os frutos/grãos/sementes. Aí o teor de nitrogênio da planta, que será disponibilizado, será muito baixo.

Dessa forma, o esterco utilizado nas pequenas lavouras, pode ser substituído nas grandes lavouras pela adubação verde, que viabiliza esse tipo de adubação orgânica e tem efeito semelhante aos estercos.

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: Equipe Portal Orgânico - Eng. Agrônomo Ricardo Cerveira

Clique aqui para ler este artigo na Portal Agricultura