A alimentação e geração de energia nos animais Macapá, Amapá

Alimentação e geração de energia nos animais, é um estudo sobre a importância dos alimentos, como grandiosos reservatórios de energia. Este estudo foi elaborado a partir de leituras e análises de diversos livros didático-pedagógicos, que abordaram sobre o tema e, que possibilitou a elaboração de uma síntese de cunho qualitativo ao objetivo maior. Entenda mais lendo o artigo abaixo.

Clínica Veterinária O Criar Cães Gatos
(96) 241-5353
av Dq de Caxias, 126, b
Macapá, Amapá
 
Ricardo Nascimento Gomes
(96) 217-2700
psg Jovino Dinoa, 1905, c b, Laguinho
Macapá, Amapá
 
Raimundo Magalhães Santos
(96) 222-2247
av Coriolano Juca, 147, Central
Macapá, Amapá
 
Clínica Veterinria Lazaro
(96) 971-2563
av Fab, 1969, Central
Macapá, Amapá
 
Clínica Veterinária Lazaro
(96) 223-4103
av Fab, 1969, Central
Macapá, Amapá
 
Dabel Dist Amapaens Bebidas Ltda
(96) 241-5633
pr Araxá, 94, Santa Ines
Macapá, Amapá
 
Casa Milena
(96) 222-1215
r Tiradentes, 316, Laguinho
Macapá, Amapá
 
Policlínica Veterinária Mundo Animal
(96) 222-5713
r Leopoldo Mchado, 2435
Macapá, Amapá
 
Dog S House
(96) 223-0367
av Padre Julio Maria Lombard, 3036, a, Central
Macapá, Amapá
 

A alimentação e geração de energia nos animais

Alimentação e geração de energia nos animais, é um estudo sobre a importância dos alimentos, como grandiosos reservatórios de energia. Este estudo foi elaborado a partir de leituras e análises de diversos livros didático-pedagógicos, que abordaram sobre o tema e, que possibilitou a elaboração de uma síntese de cunho qualitativo ao objetivo maior, que é ser o ponto de partida para estudos mais aprofundados em prol de um conhecimento mais abrangente da fisiologia. Chegando-se a conclusão de que na natureza, nada se cria, tudo se transforma, assim como a energia é transformada em benefício e sustentação da vida no planeta.

1 INTRODUÇÃO

Neste contexto, entende-se por alimento, todas as substâncias que os animais ingerem, para extraírem a matéria e a energia de que necessitam para realizarem as funções vitais.

Os seres vivos em geral necessitam adquirir energia para manter seu organismo em pleno funcionamento, para o seu crescimento, movimento, reprodução e demais funções vitais. E, essa energia de que necessitam é retirada dos alimentos.

Com a finalidade de um entendimento mais preciso em prol do processo alimentar e aquisição dessa energia para a vitalidade animal, torna-se como base do processo o Princípio de Conservação de Energia. Este é um princípio básico das leis da física e diz da transformação da energia na natureza, nunca da sua perda. Evidencia-se aqui a necessidade de uma síntese analítica geral dos processos de um ecossistema, em prol do objetivo maior, que é uma visão minuciosa dos preceitos já elaborados no estudo da fisiologia.
2 O PROCESSAMENTO DE ENERGIA A PARTIR DO ALIMENTO INGERIDO PELO ANIMAL

Segundo o Código Nacional de Saúde, alimento é toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer outra forma adequada destinada a fornecer ao organismo, os elementos normais à sua formação, manutenção e desenvolvimento (DIAS, 1996, p. 403).

Conforme Barros. (1999, p.249), "a energia nunca se perde na natureza, ou seja, uma forma de energia está sempre se transformando em outra." Na natureza, existe seres que são capazes de elaborar o seu próprio alimento a partir dos produtos químicos e da utilização da energia solar, para tais seres, denominamos seres autotróficos. E, a este processo, denomina-se fotossíntese.

A partir de então, temos as plantas, também chamadas de produtoras por fabricarem os produtos alimentícios. Tal alimento produzido é utilizado pelas células vivas, para a fabricação de mais células e então formar a matéria orgânica, como a gordura , por exemplo.

Segundo Dias (1996, p.403), a gordura faz parte dos alimentos energéticos e;

Os alimentos energéticos são ricos em substâncias consideradas "combustíveis" do organismo. De modo geral, eles possuem grande quantidade de carboidratos ou de gorduras. Os carboidratos são considerados os "combustíveis" perfeitos pelos seres vivos. Alimentos ricos em carboidratos: (...) abacate, coco, amendoim, soja (...)

Os produtos orgânicos advindos destes organismos vivos, por vezes, são denominados biomassa que é o peso da matéria viva.

Os animais, por sua vez, consomem os produtos que foram elaborados pelos produtores, neste caso, seres autotróficos. A seres animais, denominamos seres consumidores, por não produzirem o seu próprio alimento, buscando extrair energia a partir da ingestão de alimentos pré-existentes, no caso as plantas.

Os seres heterotróficos ou consumidores podem se alimentar de plantas, carnes e matéria orgânica, neste caso, ficam assim classificados respectivamente como: herbívoros, carnívoros e decompositores (fungos e bactérias). Estes, são animais multicelulares, e apresentam a maioria das células separadas do contato com o ambiente externo.

Os animais desenvolveram estrutura especializada em obter e processar seu alimento. Desta forma, ocorre a dependência de dois processos considerados vitais para o mundo animal: são a alimentação e a digestão.

Existe uma diferença marcante entre os seres multicelulares aos quais já me referi acima, e os unicelulares. Estes, possuem a capacidade de obter os nutrientes necessários para a sua existência, de forma mais direta a partir do ambiente externo.

Os animais possuem o sistema digestivo que utiliza métodos mecânicos e químicos com a finalidade de processar os alimentos em moléculas nutrientes que possam ser absorvidas pelo sangue. Ocorre o que chamamos de digestão extracelular, como o processo se fazendo no tubo digestivo, onde as moléculas nutrientes são transferidas para o organismo através da corrente sangüínea ou fluídos corporais.

Para se ter uma visão minuciosa de como se processa esse alimento, tranformando-o em energia, basta refletirmos sobre o caminho percorrido pelo alimento no organismo animal.

Num primeiro momento, o alimento é mastigado e insalivado, ou seja, misturado à saliva no orifício bucal. Após, estes alimentos serão engolidos e conduzidos através da faringe e do esôfago até o estômago do animal. Estando no estômago, o então bolo alimentar sofre a ação das enzimas digestivas . Após, este bolo alimentar segue para o intestino delgado, onde novamente sofrerá transformações por meio das enzimas digestivas que foram produzidas pelo pâncreas e pelo próprio intestino delgado.

Assim, o animal digeriu e utilizou o alimento. Restam agora poucos produtos químicos que serão enviados para o sangue, por meio das paredes do intestino delgado e conduzido pela corrente sangüínea para toda extensão do organismo do animal.

Finalizado este processo de absorção de energia, restará ainda no interior do intestino uma parte da massa dos alimentos ingeridos ainda com certa quantidade de energia que serão descartados. Estes excretos poderão ser reutilizados como fertilizantes orgânicos para as plantas, que por sua vez também absorverão esta energia, somando ainda a energia solar e produzirão seu alimento novamente.

E, assim se inicia mais uma vez o processo que denominamos cadeia alimentar, na qual o homem está incluso.
3 CONCLUSÃO

A partir deste contexto, têm-se a uma visão mais clara sobre o processo metabólico que ocorre no mundo animal, ao qual inclui-se o ser humano.

Em suma, constatou-se que todo ser vivo, gasta certa quantidade de energia em suas atividades orgânicas e celulares. Quando ocorre a incorporação da chamada matéria nutritiva no organismo animal, dá-se o fenômeno ao qual denominamos anabolismo. Logo, as células processam tal matéria, destruindo-a e assimilando-a para a liberação do produto final, a energia. A este fenômeno, denominamos catabolismo. Enfim, a globalidade entre o anabolismo e o catabolismo resulta em um fenômeno que somente ocorre com os seres vivos, é o chamado metabolismo. E, Pode-se dizer que alimentação nada mais é, que uma ação de consumo alimentício do ambiente, para a transformação da energia necessária à manutenção da vida no planeta.
4 REFERÊNCIAS

BARROS, C. Os seres vivos: livro do professor. - - São Paulo: Ática, 1999.

DIAS, D. P. Biologia viva, volume único, 1.ed.- - São Paulo: Moderna, 1996.

Sobre o Autor

Acadêmica do último semestre do curso de Ciências Biológicas pela UNIASSELVI-SC. Pós-graduanda em Educação Ambiental - Portal Faculdades. Atendente de Biblioteca por 11 anos na Biblioteca Municipal Pe. Manoel Gomes Gonzales do município de Gramado dos Loureiros - RS. Atualmente, funcionária pública estadual do RS.  Atuando como Agente Educacional II - Administração Escolar junto à Escola Estadual de Ensino Médio Adolfo Giordani deste município. Gosto muito  de escrever e, confesso ser  amante dos livros, revistas e internet.


Artigos.com