A Influência do Esporte para Pessoas com Síndrome de Down Manaus, Amazonas

Realização de atividades motoras melhora a socialização e o equilíbrio emocional de portadores da Síndrome de Down. A afirmação é a consequência de uma pesquisa liderada pelo especialista Alexandre Vieira. A terapia com processos pedagógicos valoriza reações afetivas e comportamentais.

Cinthia Regina de Freitas Carvalho
R Trinta e Um de Julho 832
Manaus, Amazonas
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Clínica de Fisioterapia Intensiva Ltda
(92) 233-5941
r Doná Libania, 300, Centro
Manaus, Amazonas
 
Francisco B Rodrigues
(92) 238-8196
r Vinte e um de Agosto, 2, Alvorada
Manaus, Amazonas
 
Centro Integrado de Reabilitação
(92) 236-7043
r B, 6, São José Operário
Manaus, Amazonas
 
Cinthia Regina de Freitas Carvalho
R Trinta e Um de Julho 832
Manaus, Amazonas
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Coopati Coop Amazonense Terapia Intensiva
(92) 657-0350
av C Nery, 2789, an 11 sl 1107
Manaus, Amazonas
 
Nazaria Maria Davi Sales
(92) 646-0116
r Três, 19, qd j, Lirio Do Vale
Manaus, Amazonas
 
Dados Divulgados por

A Influência do Esporte para Pessoas com Síndrome de Down

A atividade física para portadores de necessidades especiais, neste artigo relacionado a pessoas com síndrome de Down, é muito importante no processo de inclusão social, pois auxilia na socialização, na melhora o equilíbrio emocional e também ajuda prevenir doenças congênitas que por acaso venham a atingir estes indivíduos.

A promoção da prática pedagógica adaptada as diferenças individuais dentro das escolas do ensino regular deve ser constante, mas para que isso ocorra, são necessários métodos, procedimentos pedagógicos, materiais e equipamentos adaptados. O professor especializado deve valorizar as reações afetivas de seus alunos e estar atento o seu comportamento global, para solicitar recursos mais sofisticados como a revisão medica ou psicológica.

E outro fato de extrema importância na educação especial é o fato de que o professor deve considerar o aluno como uma pessoa inteligente, que tem vontades e afetividades e estas devem ser respeitadas, pois o aluno não é apenas um ser que aprende.

Um dos desafios para o momento é justamente a interação entre os vários profissionais que lidam com essa deficiência, pois o problema apresenta facetas que permeiam diferentes esferas do comportamento e níveis de análise do movimento humano.

Estudos mostram que pessoas com deficiências, notadamente os portadores da síndrome de Down, alguns tendem a se tornar sedentários, levando-os a desenvolverem problemas como obesidade, diabetes, colesterol e triglicérides altos, hipertensão e doenças cardíacas.

O estudo lembra que os portadores desta síndrome têm tendência natural a uma compulsão alimentar, o que pode levar a uma alta do peso corporal, assim como uma pré-disposição à doenças do coração. Por isso, especialistas afirmam ser fundamental que os portadores da síndrome sejam estimulados desde criança à prática regular de alguma atividade física.

Os exercícios mais indicados para quem tem esta necessidade especial são a caminhada, a corrida, a natação, andar de bicicleta, a dança e outras atividades que a própria pessoa considere como algo saudável para o bem estar fisco e principalmente cognitivo.. São atividades que podem ser feitas sem grandes dificuldades por estas pessoas e vão ajudar a uma melhora da condição corpórea, prevenindo doenças provocadas por uma vida sedentária e ajudando a melhorar a auto-estima e o equilíbrio emocional dos portadores da síndrome de Down.

A realização de atividades motoras deste aluno, além de exercer papel preponderantemente no seu desenvolvimento somático e funcional, estimula e desenvolve as suas funções psíquicas.

O maior desafio para os profissionais da Educação Física é facilitar o envolvimento de todas as pessoas, incluindo quem tem a Síndrome.

Não há sombra de dúvida de que os indivíduos com Down respondem positivamente aos programas de atividade motora. Esses benefícios envolvem desde a sua aptidão física e saúde, até a própria qualidade da execução motora.

A atividade física, seja no âmbito escolar ou fora dele, deve ser considerado como um nível de grande importância para o desenvolvimento físico e mental dos deficientes e da conseqüente necessidade de exercícios, porém a princípio, fica necessário que o professor responsável destas aulas tenha conhecimento das atividades para que os alunos se interessem na prática de uma atividade física e esportiva, afinal, são seres humanos, e requer o mesmo respeito e consideração como todas as outras pessoas!


1
Prof. Especialista Alexandre Vieira

Sócio-Diretor da Evolution – Cursos para Preparação Profissional.
Prof. Universitário / Educação Física – Cref. 3.123
Pós-graduado em Bases Fisiológicas e Metodológicas do Treinamento Desportivo – UNIFESP
Contato: vieira76@ig.com.br

Clique aqui para ler este artigo na WebArtigos.com